segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Poesia-me IV

Afia-me
Desfia-me, desafia-me
Rodopia-me
Irradia-me
Amacia-me, poesia-me e
Não me largues a mão


Quando estive em Lisboa voltei a passar pela rua do grafiti do Poesia-me já não lá estava. Felizmente eternizei aquela parede numa foto e agora ao revê-la, fui recuperar aquela a sequência poética a que deu origem. Leio estas coisas e enterneço-me porque as palavras têm alma se lhes dermos esse sopro mágico de vida. Leio o que escrevi e claro que quero escrever mais, se houve Poesia-me II, Poesia-me III nos anos passados, neste tinha de sair este Poesia-me IV... e, modéstia à parte, saiu-me muito bem e com o timing mais que perfeito!

2 comentários:

Ana A. disse...

Amei!!!

Calíope disse...

E as versões anteriores não?

:)))