terça-feira, 24 de julho de 2018

397º momento cultural: Corinne Bailey Rae

Nada como um atraso de uma hora de um voo para uma pessoa actualizar o seu blogue. Já gastei algum tempo nas lojas e a comer, por isso a ver se o que sobra dá para um post inteiro.

Há músicas que nos levam para outros tempos, que nos levam para outros espaços e que nos fazem encontrar com pessoas. Corinne Bailey Rae e aquele álbum que eu ouvi compulsivamente em 2006, entre Trouble Sleeping, Put your records on, Like a star, etc, etc... fazem-me lembrar do Red Guy e de quando fui para Utrecht atrás da minha felicidade. Não correu bem, mas é uma memória bastante querida e soalheira, por isso quando descobri que ela vinha a Viena, nem pensei duas vezes. Ver artistas ao vivo tem sempre a sua mais-valia e apesar de eu não fazer ideia do que se passou na carreira dela nos últimos 12 anos, ia com fé que iria cantar algumas das músicas daquele álbum.
O concerto foi na Ópera de Viena e para mim começou logo muito bem, comprei bilhetes para a galeria, mas trocaram-mos para a plateia, uma vez que parece que os bilhetes não tiveram muita saída. Ela veio acompanhada com uma banda em palco e é de uma simpatia tremenda. Foi a primeira vez que tocou em Viena e estava obviamente radiante… e isso notou-se! Realmente não conhecia quase nenhuma das canções, tirando uma versão de uma música do Bob Marley, mas lá mais para o fim lá cantou três ou quatro oldies para meu júbilo! Um concerto sem dúvida muito agradável! E no fim ainda deu tempo para ir para casa a correr e ver o prolongamento e penáltis do Rússia - Croácia! (Portanto veja lá o querido leitor há quanto tempo isto já foi).

(O avião já chegou, mas ainda precisa de ser abastecido… por isso até deu para pôr uma imagenzinha
)

Sem comentários: