quinta-feira, 12 de abril de 2018

385º momento cultural: Deus da carnificina

Também consegui ir ao teatro enquanto estive em Lisboa! Outro momento onde beneficiei um desconto da minha assinatura do Público! O Deus da carnificina é a peça da Yasmina Reza, que eu já tinha visto em versão cinematográfica: o Carnage há uns quantos anos. Gostei do filme e na altura fiquei curiosa por a ver no palco, o que se concretizou agora. O enredo baseia-se no encontro de dois casais que estão a tentar resolver um problema entre os respectivos filhos. No entanto, a conversa descamba e os ânimos exaltam-se, fazendo com que a etiqueta e as boas maneiras comecem a cair. Os casais apresentam diferenças óbvias, um mais benzoca e outro mais pés na terra, inclinados para a esquerda. Agora que faço essa leitura política, estou a pensar que a 2ª peça da Magda também opunha um casal de direita a um de esquerda (outro relato que não encontro). Os dois casais eram compostos pelo Diogo Infante e Rita Salema um e Jorge Mourato e Patrícia Tavares o outro. A interacção entre todos resultou muito bem, só que não conseguiram esconder aquelas "vozes de teatro", por isso a mim soou-me tudo um pouco exagerado. Mais exagerado ainda foi o uso de palavrões a partir de certa altura. A mim, pareceu-me completamente despropositado e sem justificação. Todavia não pude deixar de reparar que o público em geral reagia com bastante entusiasmo a cada palavrão. Deve ser de mim, mas não percebo a graça de dizer asneiras. Tirando isso, houve tiradas realmente muito engraçadas. Adorei quando o Jorge Mourato a comenta a existência dos filhos em geral critica o facto de pessoas com idade mais avançada perderem os últimos anos da sua vida a perder nervos a tratar de filhos quando poderiam desfrutar de um bom cancro ou de um belo AVC! Até os próprios actores se riram a bom rir com este humor negro!
Bom, fiquei contente de ver o teatro cheio e de voltar a ver teatro em português. Mas descobri que a peça vai estar aqui em Viena para o mês, por isso quero muito ir vê-la para poder comparar interpretações e texto!

Sem comentários: