terça-feira, 3 de abril de 2018

381º momento cultural: Filipe Pinto-Ribeiro


Não sou consumidora de música clássica, mais por falta de hábito que por outra coisa. Talvez se soubesse mais sobre o assunto, tivesse mais ferramentas para a apreciar. No entanto, mesmo tendo aquela tendência natural para ouvir pessegadas, não recuso oportunidades para educar os meus ouvidos, por isso aceitei o convite da Embaixada para ir ver o recital de piano de Filipe Pinto-Ribeiro de bom grado. Como não sou grande entendida na matérias e teria de sair a correr da ginástica para chegar a horas ao concerto, temi que a pianada pudesse ser meio aborrecida e eu adormecesse. O que seria muito chato, até porque o meu lugar era bastante à frente! Repare o querido leitor a fé que Maria Calíope leva para este género musical.
Pelo que percebi, o artista tocou várias peças alusivas às quatro estações ao longo dos séculos. Começou com Tchaikovsky, depois não me lembro, a seguir Carrapatoso e por fim Piazzola. Gostei bastante do início e o fim surpreendeu-me pelo vigor e empenho do artista. Não dormi, nem dava, mas convenhamos que não é bem a minha praia! 
Neste tipo de evento, ocorre-me sempre que deve ser uma alegria poder tocar em salas tão ilustres como estas da Konzerthaus! 

2 comentários:

Menina Marota disse...

Começar com Tchaikovsky e acabar com Piazzola... grande recital!

Calíope disse...

Menina Marota, bem-vinda aos Mergulhos! :)