domingo, 7 de janeiro de 2018

Bordados no corpo



Depois da estrela, veio o balão (não é este e essa não sou eu). Doeu-me horrores e jurei que nunca mais. Mas ficou tão bonito que não me canso de observá-la. De repente, sinto-me o suporte de uma obra de arte e melhor ainda, a partir de agora tenho sempre um plano de fuga com a orientação inscrita em cordas. Vamos ver se de agora em diante ando menos à deriva.

2 comentários:

Boop disse...

Gosto de tatuagens.
Não tenho nenhuma.
Acho que nunca vou ter.
Mas há uns 25 anos sei qual seria a tatuagem que faria e onde... acho por isso que não me arrependeria!
Onde tatuaste o teu balão? Podes dizer ou é segredo?
:)

Calíope disse...

Na verdade a ideia original era uma rosa-dos-ventos, mas ao fazer as minhas pesquisas descobri balões tão bonitos e achei que seria um desenho muito mais simples... Não acredito que me vá arrepender, pois tanto quanto vi o desenho, como o resultado adorei, o que para mim é bastante significativo (normalmente nunca gosto de nada).
Não, não é segredo. É de lado por cima das costelas.