terça-feira, 19 de julho de 2016

Safari

Há uns largos anos fiz um safari na Gorongosa (Moçambique). Na verdade foram dois, um durante a tarde, em que pouco ou nada vimos, para além de muitos javalis. No segundo, de madrugada, passámos muito tempo sem ver quase nada... até que de repente vimos uma família de elefantes mesmo à nossa frente. Foi mágico!
Hoje em direcção ao árctico, lembrei-me da Gorongosa, enquanto desfrutava de um passeio agradável e ver aquela imensidão de mar e terra ou gelo no horizonte já é qualquer coisa. A noção de espaço nestes contextos é sempre algo que me fascina, seja savana, seja mar: tanto espaço sem nada. Mas este tipo de actividade é sempre um jogo de escondidas com um animal que não sabe que estamos a jogar. Pode aparecer, pode ter ido dar uma volta... não sabemos, não há horas marcadas, não há repetições. Limita-se a ser um jogo de probabilidades.

E de repente eis que ela aparece: uma baleia, ali mesmo diante dos meus olhos... se calhar duas e uma mão cheia de golfinhos!


Reiquiavique, às 21:19

Sem comentários: