quarta-feira, 6 de julho de 2016

Contactos

Numa papelada que tive de preencher, precisei de indicar o nome de uma pessoa para qualquer caso de emergência. Foi um exercício muito curioso, pois assim de repente hesitei e não sabia como preencher. Numa situação normal poria sem pensar duas vezes o meu pai ou a minha mãe, mas neste caso julguei que em caso de necessidade fosse necessário falar inglês, logo foram excluídos. A opção lógica seguinte seria a minha irmã. No entanto, o eventual caso de necessidade iria bater nos 9 meses mais coisa menos coisa (que eu não sei contar semanas) e não sei até que ponto é que ela estará contactável. Esgotadas as opções óbvias, tive de pensar rapidamente em alguém em quem eu confie, que estivesse contactável, tivesse capacidade de reacção para lidar com uma situação crítica e me livrar numa situação de apuros. A lista ficou mesmo muito curta. Mas acertei à primeira.

Sem comentários: