segunda-feira, 18 de abril de 2016

O post que eu não escrevi

No ano passado, mais ou menos em Novembro, tinha o seguinte post prontinho a sair da ponta dos meus dedos. “Apaixonei-me ao ler isto” teria sido o título se não me falha a memória, sendo o corpo do texto uma longa citação de um texto maravilhoso que me fez estremecer ao lê-lo. Não o fiz. Acabei de passar as publicações de Novembro a pente fino para ter a certeza. E sei porque não o fiz. Não o fiz por julgar se tratar de mais um devaneio meu, por imaginar a minha vergonha se alguma vez o autor fosse encontrar o seu texto no meu blogue, por haver hierarquias em jogo. Não me lembro ao certo do texto, mas recordo-me da sua alma e sobretudo da comoção que me causou. Há palavras que espelham a alma das pessoas e não tenho dúvida de que era um desses. Não me recordo das palavras, mas da alma sim. Com voz e tudo!
Numa constelação astronómica rara e nada o fazendo crer, o autor escreveu-me hoje por um motivo completamente irrelevante e desnecessário, mas de uma gentileza extrema. Eu rejubilei e achei que era hoje que iria escrever o post pensado há 5 meses. Fui à procura do texto que me revolvera as entranhas, mas ele já não está lá. Uma pena sem fim.

3 comentários:

Ana A. disse...

Que pena. Fiquei curiosa com essas palavras!

Ana A. disse...

Que pena. Fiquei curiosa com essas palavras!

Calíope disse...

Acredita que estive que tempos à procura e nem sombra.