terça-feira, 31 de março de 2015

Progresso mental

Pois parece que alguém reparou que há pessoas que viajam sozinhas e não tem aquele perfil de adolescente que não se importa dividir a camarata com 20 macacos e a casa-de-banho com outros tantos seres peludos. Não sei até que ponto é que esta ideia da Trivago vai funcionar. Não sei até que ponto me apetece hipoteticamente dividir o meu quarto e consequente casa-de-banho com um desconhecido, mas folgo muito em saber que as estatísticas tendem para este lado e que há alminhas que estejam a desconstruir aquela imagem cor-de-rosa que o mundo foi formatado para dois.

segunda-feira, 30 de março de 2015

Não sei se alguma vez hei-de perceber


Como é que ontem no aeroporto deixei a minha mala com TUDO lá dentro numa cadeira, quando me apercebi que a porta de embarque tinha mudado e fui para a porta nova, passando ainda pela casa-de-banho.
Como é que uns 10 minutos depois me ter apercebido que não tinha a mala comigo - pensando de imediato em tudo o que tinha lá dentro e constatando a impossibilidade de me identificar, nem de embarcar, nem de entrar em casa, nem de contactar ninguém - não entrei em pânico.
Como é que a mala estava exactamente no mesmo sítio, mesmo com telemóvel, passaporte e sei lá mais o quê no bolso de fora.
Como é que algures no fim-de-semana me desapareceu um brinco da orelha. Só dei conta hoje de manhã.

Christopher Lee, Woman in a thinking pose

Reflexos do Bósforo

Numa decisão bastante rápida, resolvi ir passar o fim-de-semana a Istambul.
Voltei de lá ontem a pensar que tenho de fazer qualquer coisa pelas minhas competências sociais. Coitadas... andam pelas ruas da amargura.

domingo, 29 de março de 2015

Pés no chão (27)

Menos catita é aquela barra de azulejos/mosaicos azuis. Continuamos no prédio do dentista daí eu estar precisamente com as mesmas calças e os mesmos botins.

sábado, 28 de março de 2015

Pés no chão (26)

Num estilo diferente mas igualmente catita noutro nível é o chão do prédio do dentista!

sexta-feira, 27 de março de 2015

Pés no chão (25)

Lembram-se daquele restaurante maravilhoso onde estive? Este era o chão da casa-de-banho, portanto podem imaginar o resto.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Incredulidade

Um ataque terrorista, uma falha mecânica, até um erro humano teria sido preferível à vontade consciente pôr fim à vida de centena e meia de pessoas e destroçar para sempre amigos e familiares. Não há justificação possível.

quarta-feira, 25 de março de 2015

100001 obrigados

Agradeço às 100001 alminhas que passaram por cá nestes 10 anos, especialmente tendo em conta que metade desse número foi atingido nos últimos 2 anos. 
Para um blogue familiar e caseirinho como este, a marca das 1000001 visitas é extraordinária e Maria Calíope não cabe em si de contentamento por todos os estimadíssimos leitores que também contribuem para que esta chafarica se mantenha de pé. 
100001 é uma capicua fabulosa. 
Tchim! Tchim para vocês!

terça-feira, 24 de março de 2015

Sopeira

Não sei como vos dizer isto.
Mas desde que voltei de Lisboa, comecei a seguir uma das telenovelas que a minha mãe vê.
A parte gritante da coisa é que por ver os episódios online acabei por ver duas vezes o mesmo episódio, só me apercebendo do facto já lá tinha passado uns bons 30 ou 40 minutos. Até esse momento pensei que era a TVI a fazer render o seu peixe e a repetir "algumas" do dia anterior.
Pronto já disse.

Acho que não seguia uma telenovela há pelo menos uns 15 anos!
E parece-me que aquela minha previsão inócua está a concretizar-se antes do seu próprio tempo! Querem ver que daqui a uns tempos ainda desato a lavar, limpar, passar a roupa e coisas assim alegremente e de livre e espontânea vontade?

segunda-feira, 23 de março de 2015

Ainda mais estranho

é falar com um tipo casualmente no metro e ele dizer que adora cinema português, adora Miguel Gomes (e eu comecei a ganir Tabuuuuuu), Pedro Costa, que o Vale Abraão do Manoel de Oliveira é uma adaptação da Madame Bovarie, que leu muito Saramago, que ainda não conseguiu ler Lobo Antunes e que gostava muito de ler o Livro do Desassossego.


Foram 5 estações de metro. Não deu para lhe perguntar o nome, mas recomendei-lhe o fragmentário Desassossego!

Isto é muito estranho



Estamos em meados de Março, eu com trabalho que me desunho e estou com a sensação de quem está de férias.
O sol faz milagres, está visto!

domingo, 22 de março de 2015

Bem-vinda Primavera!

O querido leitor saberá com certeza do meu entusiasmo gritante sobre a cidade de Viena em geral e em particular pelo facto de cá viver. Sempre que por algum motivo tenho de elencar razões que justifiquem o meu empolgamento, avanço sempre com a rede de metro/transportes públicos, os bilhetes para a Ópera a 4€ e demais actividade cultural, o Danúbio nadável... No entanto, o certo é que esta cidade não me pára de surpreender.
Ontem para aproveitar o belíssimo dia de sol, fui almoçar a uma parte nova da cidade da qual já tinha ouvido falar, mas onde nunca tinha ido: o novo campus da WU (universidade de economia). Em meia dúzia de estações de metro lá estava... e senti-me turista. Estava num mundo completamente diferente. Imaginem quem está habituado à Baixa Pombalina e vai ao Parque das Nações pela primeira vez. A zona é um autêntico regalo para os olhos para arquitectos, contudo para leigos, como eu, também! Eu adorei este edifício de ferrugem! Almocei numa esplanada fabulosa que bateu aos pontos a comida que me foi servida... enfim, uns raios de sol melhoram tudo!

Vida de luxo

Deve haver pelo menos uns 20 posts neste blogue com este título e poderia garantir que todos têm a ver com água. Sou mais feliz dentro de água todos sabemos disso! Mas na sexta-feira apercebi-me da vida de luxo que tenho quando de repente me vi na bela cidade de Graz a meio da manhã, sentada numa esplanada maravilhosa com céu limpíssimo e um sol brilhante a eclipsar-se diante dos meus olhos, enquanto eu tomava o pequeno-almoço. Nesse momento o facto de me ter levantado às 6:15 da manhã e já ter feito cerca de 200km de estrada pareceram-me irrelevantes.

Esta fotografia parece-me irrepreensível: a luz no fundo do túnel! Além da luz, o müsli com iogurte mais cremoso de sempre! 

quinta-feira, 19 de março de 2015

Era bom era

que não houvesse posts por eu estar de férias numa ilha paradisíaca qualquer - não me esqueci que há voos directos para Male - ou por estar enroladíssima com um tipo fabuloso novo (isso é que era! Espero que a recepcionista chinesa me muna no sábado com dicas infalíveis). Mas não, estou a estrebuchar de trabalho... de trabalhos, sim, porque Maria Calíope não se entretinha com um só. Por isso, se é para animar que seja multi, poli, ao quadrado. E cá estou eu ocupadíssima, a tirar notas para não me esquecer da vida... Não haja sombra de dúvidas que sou um talento nato para me criar empregos, mas consequentemente não sobra tempo nem nada de especial para contar.


Handiedan, That's a fine coat you are wearing.

terça-feira, 17 de março de 2015

First world problems

É ser-me atribuída uma indemnização que pedi por estar certa e segura de que estava no meu direito e andar a esgrimir argumentos com demais entidades por causa da mesma.

Desculpem lá

Mas ou fazia comida e preparava aulas ou escrevia-vos um post.

domingo, 15 de março de 2015

Domingo é o dia

Esta vida de correr atrás do vento é muito gira, estimula-me, recompensa e dá-me currículo, mas volta e meia a minha única necessidade é dormir. Deitar-me descansada e não pensar em nada. Só isso... (até poder voltar a comer batatas fritas - já lá vão 4 semanas sem uma única)

(Com o meu bad hair day de ontem era mesmo isto)

sábado, 14 de março de 2015

Phʳᵃᵚ Dᵓᵏᵗᵊʳ XLI

Estou a preparar a defesa da tese...

Como é que eu dou aulas de três horas e agora estou praticamente a tiritar por causa de uma apresentação de 20 minutos!!!

Para não ter de falar muito (!) estava a pensar fazer muitos slides e ir passando-os para entreter o juri/público, quando a seguinte dúvida se me colocou: como é que um mudo poderá defender uma tese?

sexta-feira, 13 de março de 2015

Procura-se tigre!



Como o querido leitor sabe Maria Calíope volta e meia vira Atlas e sente o mundo no seu lombo, não só por isso mas também por motivos de saúde frequento um centro de massagens chinesa regularmente. Há umas semanas, uma das chinesas ficou surpreendida pelo facto de eu não ter 25 anos e depois ainda mais com o meu estado civil...


Hoje conversa vai conversa vem, a senhora após conhecimento que eu sou nativa de cavalo no horóscopo chinês disse-me que este ano da cabra e o ano seguinte seriam óptimos para mim!

Se eu percebi bem o que ela me disse que me iria casar (agora não me perguntem se é biblicamente ou com papel passado) e às tantas a conversa estava a tal ponto animada que ela sacou de um livrinho e
deu-me o veredicto final: preciso de um homem tigre ou então um cão! Eu apontei os anos recomendados e mais uns conselhos, mas para a semana ela ficou de me dar mais umas anotações!
Caso se concretize, não posso esquecer-me de a convidar para a boda!

quinta-feira, 12 de março de 2015

Chapa ganha, chapa gasta





Maria Calíope é workaholic, mas também dromomaníaca... Pelo menos, consegue articular as duas maleitas e assim só se estraga uma casa!

quarta-feira, 11 de março de 2015

Take away


2015 estava previsto ser um ano de mudanças, não era? Agora não me lembro se estava previsto nalgum sítio ou só na minha cabeça.

A mudança do dia foi sair do escritório às 19:30, passar pelo take-away novo ao lado do prédio e chegar a casa munida de uma sopa de abóbora e uma mistela de arroz de corcuma com camarão, molho de banana e não sei o quê... e ainda pedi umas batatas assadas com rosmarinho. Não precisam de comentar!

Assim de repente foi a primeira vez que trouxe marmita para comer em casa...

terça-feira, 10 de março de 2015

Usherzinho de mi corazón,

podias ter pelo menos avisado que me ias deixar agarrada, quer dizer, uma pessoa cancela aulas, vai em passo de dança a cantar para o concerto e dá de caras num papelucho a dizer "CANCELADO"?!!! Mas isto faz-se?! Epá! Não se faz... especialmente quando tenho o meu tempo a valer-me mais que barras de ouro...
O que me vale é que pelo caminho saiu-me um convite para um jantar e aproveitei o tempo em que não estava aos pulos e aos saltos no concerto para fazer uma máquina de roupa. Também era necessário. Mas aposto que a Mireille Mathieu nunca deixou os seus fãs agarrados...

Vida de artista



Acabei de gravar um dvd...

Se não me lembrasse que em tempos idos gravara um dvd sobre paramentos clericais, era capaz de garantir que teria sido a minha estreia nesta indústria.

E segundo o "gravador" sou um talento nato!
(ahahhahahaha)
Se calhar deixei escapar uma bela carreira no circo...

segunda-feira, 9 de março de 2015

Almofariz 8

Em bendita hora inventei esta secção, caso contrário teria de o fazer aqui e agora! Fui jantar ao restaurante mais bonito em que alguma vez estive, o The Bank. O salão todo em mármore, uns florões em cristal, cozinha aberta e eu nem sei bem como descrever o resto.


O serviço super atencioso, o meu bife tártaro estava divinal, já o risotto teria deixado cozer mais um bocadito, mas as bebidas - nem vos digo nem vos conto: um luxo. A sério. Uma pessoa não se pode habituar a isto, caso contrário nunca mais será capaz de comer uma pizza congelada, nem beber um vinhozito na tasca da esquina.

237º momento cultural: Mireille Mathieu

Fui convidada para ir assistir a Mireille Mathieu. Apesar de a conhecer de nome, não conseguia associar o nome a música a nada, mas aceitei o convite sem qualquer tipo de dúvida. Nem me dei ao trabalho de ouvir qualquer coisa antes. O meu maior receio era adormecer no concerto.
Ao entrar na sala, não foi grande a surpresa de a ver repleta de sexagenários e cabeleiras brancas... mas casais gays e motards sim.
Bom, meus amigos, eu nunca vi público tão entusiasta naquela Konzerthaus como ontem. Se início, limitavam-se a bater palmas, à 3ª canção a mulher já tinha recebido uns 10 bouquets de flores do público, ao intervalo havia quem gritasse o seu nome. No final, houve várias dezenas de pessoas que correram para o palco e outros tantos que dançavam como possuídos. Eu disse que eram sexagenários, não disse? Foi impressionante. Tenho ido a muitos concertos mas nunca tinha visto nada assim. O casal ao meu lado, fotografou o espectáculo TODO sem se importar minimamente com o flash. O homem tinha inclusivé um pin da mulher na lapela.
A Mireille Mathieu que conta com quase 70 anos ainda está aí para as curvas! Cantou que cantou - especialmente em alemão - o que acaba por ser simpático para os fãs! Mesmo com o intervalo foram praticamente 2 horas em palco... e ainda trouxe a sua mãe... Sim, ainda há uma mãe viva... Nessa altura o público já urrava de júbilo.
Digo-vos, se eu não tivesse estado lá, não teria acreditado!

domingo, 8 de março de 2015

Phʳᵃᵚ Dᵓᵏᵗᵊʳ XL

Tenho de preparar uns documentos (ficha + apresentação) para a defesa da minha tese. Falta-me um passo para terminar este moroso doutoramento.
Estou em negação. Não quero fazer nada.
Estou em negação, mas com remorsos, claro!
Estou desde de manhã a ver as horas a passar e a consciência a pesar-me. Mas não consegui abrir um ficheiro, nem sequer o pps e escrever o título.

sábado, 7 de março de 2015

Quilómetros




Já rodei muito quilómetro por motivos de lazer,
mas andar 5 horas de autocarro num dia
para trabalhar foi uma première!

quinta-feira, 5 de março de 2015

236º momento cultural: Heute bin ich Samba

Eric Toledano brindou-nos com aquele tão maravilhoso quão surpreendente Untouchables e não sei se tentou repetir a receita com este Samba. A descrição que eu li do filme como "feel good movie" não bate de todo certo. Fala-se de emigrantes ilegais e da sua vida real... É com certeza um filme interessante e a abertura foi genial - fez lembrar-me o início de A Grande Beleza -, há o momento coca-cola light que com certeza será o único feel good moment, até porque desencantaram o Djavanzinho de mi corazón para cantar, mas de resto são vidas miseráveis. É triste ver que vai tudo para o mesmo saco e é só preciso uma escorregadela para se perder no caminho.
Vidas muito duras....

quarta-feira, 4 de março de 2015

4 de Março é sempre aquele dia caixinha de supresas, especialmente em anos de constelações afortunadas que alinham estrelas, planetas, com rabiosques virados para a lua. Este é o ano da Cabra por isso sentia-me com sorte.


- O semestre começou hoje e saiu-me um projecto de Gianecchini com óculos na rifa! (sim, esse mesmo!)

- Adquiri uma cadeira e de repente ouvi um italiano a perguntar-me se precisava de ajuda. (não, não é esse... mas um tipo com quem eu sempre antipatizei e que foi substituir o outro) (eu totozona disse que não, não, não é preciso!)

- Es ist mir ein Stein vom Herzen gefallen. Literalmente.

I love U.... -Bahn




Maria Calíope, porque é que o metro de Viena* ainda te impressiona?

- Porque descobri-lhe uma nova função: transportar móveis.





*O metro foi um dos motivos que me fez ficar a viver em Viena! 

terça-feira, 3 de março de 2015

Alguém precisa que eu faça mais alguma coisa?



Ainda estou livre das 2 às 5 da manhã!

É aproveitar!




The juggler

segunda-feira, 2 de março de 2015

Phʳᵃᵚ Dᵓᵏᵗᵊʳ XXXIX

Um mail que caia na minha caixa de correio de alguém ligado ao meu doutoramento (orientador, examinadores, secretaria, conselho directivo, etc., etc.) acciona de imediato o botão "pânico". É eu bater com os olhos no mail e pronto, já não sei nada, já não percebo nada... Hoje não foi diferente. Mas há que dizer que não percebo nada pois pedem-me coisas estranhíssimas... Um dos examinadores pediu-me bibliografia acerca de um dos temas da minha tese...
Estou a tentar convencer-me do que toda a gente me diz: falta só um passinho. Não pode custar tanto.

domingo, 1 de março de 2015

Nightmare

Desde o início do ano que ando a sonhar bastante, já o tinha comentado com o querido leitor, agora desde sexta-feira são pesadelos que me acompanham. E nem preciso de adormecer.

Edvard Munch, Anxiety