terça-feira, 30 de setembro de 2014

211º e 212º momentos culturais - Especial Budweis

211º - Castelo de Hluboka
As fotografias não fazem jus ao belíssimo castelo, especialmente por ter estado um dia tão bonito que o enquadrava tão bem. Aquele efeito de bolo de noiva do castelo fez-me lembrar Hohenschwangau, mas com muito chifre de veado!  Não estava à espera, mas fui lá acima e vale a pena. A vista é estonteante: jardins, lagos, montanhas, campos, há de tudo.







212º - Alfons Mucha
Foi na verdade por causa desta exposição de Mucha que eu fui parar ao Castelo de Hluboka. Gosto muito de Mucha, lembro-me de ter visto duas vezes a exposição de Praga e ainda ter lido tudo. O gozo que é ver estas coisas ao vivo é indescritível. A aura que ele imprime a estas mulheres é extremamente versátil e elas exalam vida e sangue a correr nas veias! Não sei como explicar melhor.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Shake it, shake it, shake it!



Não foi só o Outono voltou, as aulas também e apesar de eu gostar muito das minhas próprias aulas, o regresso das aulas de dança foi com certeza o mais esperado.

Sala cheia, músicas novas, colegas animadas, cintos de moedas e ancas, ombros e muita carne em geral preparadíssima para chocalhar tudo o que podia e sabia. E soube bem! A dança está de volta e o meu corpo agradece!

domingo, 28 de setembro de 2014

Phʳᵃᵚ Dᵓᵏᵗᵊʳ XXV



Depois de um belíssimo dia passado em Cesky Budejovice e arredores (amanhã já vos conto), as 4 horas de comboio de regresso não poderiam ter sido melhor aproveitadas. Tão bem que nem reparei que tinha sido tanto tempo de viagem.
Limei as arestas do programa da minha aula nova eeee escrevi um belo resumo da minha tese em português, em inglês e estou a um parágrafo de terminar a versão alemã.
Adoro esta sensação de tempo rentabilizado ao máximo. Desconfio que se tivesse passado o fim-de-semana em Viena não teria produzido tanto!


Alfons Mucha

sábado, 27 de setembro de 2014

Marcando território

No espaço de horas consegui fazer xixi num arbusto e numa árvore (nos entrementes em casas-de-banho também.)

Budweis, às 23:37

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

A minha mãe sempre nos disse que éramos descendentes do Vasco da Gama

Estava irritada com um amigo português que queria ir passar um fim-de-semana fora mas que conseguiu inventar tantos entraves que nem parecia querer mesmo sair de casa. Causa-me alergia pessoas que querem estar à janela e a passar na rua e que em simultâneo estão tão focadas em obstáculos que não conseguem perceber que há soluções (mas que se tem de abdicar de alguma coisa também).
Posto isto, estava a ler de noite o Veneza pode esperar da Rita Ferro e há lá um episódio exemplar, qualquer coisa deste género:
Uma pessoa estrangeira: Mas como é que vocês são tão parados, se os vossos antepassados desbravaram mares, dominaram o desconhecido, foram senhores do mundo?
Pessoa portuguesa: Mas os nossos pais foram os que ficaram!

O que me ri... a sério! Mas isto explica mesmo muita coisa.

(Atenção que eu nem sou grande simpatizante de Vasco da Gama, o irmão Paulo que ficou na sombra do tempo era-me muito mais merecedor da minha admiração, mas a História tem destas coisas...)

Histórias de encantar




Toca a sineta. [Era mesmo bom que fosse ele. É impossível que seja...Olha que parece que é ele mesmo]

Precisava de uma informação. Eu dei e aproveitei a boleia para lançar sugestões.
Sem querer parece que sai jantar e bailado.

Eu a pensar que ia dar circo e afinal podem-me sair as mil e uma noites... Chamem-me de Sherazade!

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A entrega da 1ª versão da minha tese foi muito marcante

Pois para comemorar o comentário do professor, como se lembram, comprei pilhas para o comando da minha mini-e-velha-televisão. Desde então tenho ligado a dita quase todos os dias e pior... tenho descoberto programas que me deixam agarrada ao aparelho ou deitada no sofá, que é quase a mesma coisa. Aquele costume de só ver televisão à quinta-feira pulverizou-se...
(Depois da defesa, viro sopeira, querem apostar?)

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Eis que ele chegou! :)

O Outono!
O que eu adoro o Outono... Já há folhas destas aqui no jardim de casa :) E o frio também já aperta.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Status quo

Um amigo meu hoje, face ao relato de uns episódios da minha vida:
Tu 'tás que podes... bom... boa, mas boa... boazona supersónica!
(Eu: ahahahhahahahaha boazona supersónica?!! ahahahahah eu aguento! eu mereço!)

O novo director de cursos de uma das minhas escolinhas:
- Calíope, tudo bem? És tu que precisas sempre de um projector nas aulas?
- Não. Ele estava lá sempre no semestre passado, mas eu nunca o pedi...
- É que o técnico disse que uma professora pedia-o sempre... e eu perguntei se eras tu, a portuguesa, a gira... e ele não mo soube dizer.

Andreas Bittenisch


domingo, 21 de setembro de 2014

A meia dúzia de passos de...




- aprender russo
- dançar tango em Buenos Aires
- dar uma volta ao mundo
- ter uma vida vertiginosamente melhor



Albert Fenel, Old school

sábado, 20 de setembro de 2014

Bratislava






Apercebi-me de que depois de Lisboa e Viena, Bratislava é a capital europeia onde mais vezes marquei presença. Talvez também a mais substimada. Devo lá ter estado umas dez vezes e no entanto não sei muito sobre o sítio. De qualquer modo, desde a primeira visita o que me marcou foram as estátuas em lugares comuns que não no meio da praça. Desta vez descobri uma mão cheia de colegas... artistas de circo!

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Estou aqui




Mas descobri isto logo ao lado



quinta-feira, 18 de setembro de 2014

209º - 210º momentos culturais: Especial Côte d'Azur


209º Casa Picasso: Se calhar Antibes vive um pouco da casa de Picasso, mas possivelmente Picasso viveu muito Antibes. Aquela casa, aquela vista, se eu fosse artista também gostaria de lá viver. Não sou grande fã de Picasso, para além do Mosqueteiro que tenho na entrada de casa e dos desenhos do D. Quixote e da tourada, mas reconheço-lhe o valor (ahahahahah) e consigo apreciar a quebra da regra! De qualquer maneira, o que adorei foram as estátuas do pátio exterior.



210º Musée Matisse: Uma das minhas peças de arte preferidas é a Dança de Matisse. Adoro a energia que os traços grosseiros passam. A Dança não lá estava lá, mas uma série de esboços e estudos para a dança final. Mas a exposição era dedicada a odaliscas e as odaliscas estavam lá lindas e roliças e fantásticas para a época que apareceram. Eu só me lembrava da explicação do nome da dança do ventre... a barriga estava de fora e os europeus nunca tinham visto barrigas ao léu!

Phʳᵃᵚ Dᵓᵏᵗᵊʳ XXIV

Na semana passada o professor mandou-me um email a dizer que já tinha lido a minha tese. Isso mesmo, que já a tinha lido ponto e se eu poderia passar por lá hoje. Passei, claro. Mais de 30 minutos à espera para ouvir "Ich glaube du bist fertig!"* sorridente. Dele. Eu mantive-me impávida e serena. Nem sabia muito bem o que dizer. Vá lá não me deu nenhum ataque de tosse. Preciso de finalizar umas coisas e entrego.

Comprei um Apfelstrudel e umas pilhas para o comando da televisão para comemorar.


*Eu acho que acabaste.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Estampado na minha cara

Não costumo prestar atenção às colecções de alta costura e nem sei como me cruzei com Gucci Outono-Inverno 2014 - mas olhem bem e vejam lá se não é a minha cara! Aquele modelito verde então está-maqui-entalado (e o azul piscou-me o olho, não viram?)... Se alguém os avistar em réplica numa zara da vida, é favor de me avisar, caso contrário e em desespero de causa terei de escrever para o "é quase a mesma coisa" da Pipoca!


Usar calças



O italiano voltou a tratar-me por capo. Fingi que não reparei. Usei os óculos escuros. Vesti a gabardine. Ele continuou a insistir com capo. E eu deixei bem explicadinho, caso ele não se lembrasse, na nossa hierarquia se eu sou capo, ele é bastard! Parece que gostou.

Eu não gosto particularmente de ser capo, but if someone has to do it... Usar as calças cá em casa já costumo fazer, pelo caminho pego no chicote e ainda voltamos ao circo!

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Dar a volta



Para quem nas aulas de Educação Física
era sempre das últimas a ser escolhida, é um grande avanço passar a ser a primeira opção para determinada escolha. Vou trocar cinco estações de metro por duas horas de comboio. A minha vida devia ser mesmo aborrecida! Mais do que o desgaste estou concentrada no investimento que vai ser em mim. A minha vida foi sempre movimento e não preciso de bola!

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Côte d'Azur em quatro pontos


1. Cannes - Inicialmente fiquei com a impressão de ter reconhecido toda a família da Donatela Versace, mas depois desconfiei que todas frequentavam o mesmo médico! Mesmo assim as pessoas têm todas bom aspecto... Cannes respira bons ares: sol, praia, boa comida e bom vinho. Precisa-se de mais alguma coisa? Sim, compras! As sandalitas azuis são de lá.


2. Antibes - Oooohhh! É o que me ocorre quando me lembro de Antibes. Fez-me lembrar Siena. Todavia ultimamente tudo me faz lembrar Itália (nem sei onde vou buscar estas memórias). Mas Siena e Antibes sei porquê, pois têm aquela aura de calmaria do deserto (nunca lá estive mas imagino que seja assim), as pedras de cor arenosa da cidade em contraste com um céu azul brilhante: uma paz inspiradora. Não admira que Picasso lá tivesse vivido. Antibes fez-me lembrar também do Caco Antibes!!!

3. Monte Carlo - Muita parra e pouca uva. Ter dois ferraris estacionados a 5 metros um do outro não me impressionam por aí além. Sim, vi carros que imagino fazerem furor entre entendidos. Muita construção em pouco espaço, tudo atafulhado. Não gostei.

4. Nice - A cidade é enorme e devo ter palmilhado grande parte dela. A Praça Massena de noite é genial, as ruelas com restaurantes idem idem - e aquilo era italiano, era? Não é só pela minha memória fajuta, mas todos os nomes de ruas eram bilingues. Nice tem um ar menos exclusivo do que Cannes e a média de idades deve cair também em 20 anos, mas tem charme de cidade pequena, de cidade marítima, de cidade cultural, de cidade cosmopolita.

Tudo isto foi regadíssimo com rosé e belas comezainas!

domingo, 14 de setembro de 2014

Grandes decisões

Voltar de férias num sábado de noite é uma grande decisão, especialmente quando se volta adoentado, por se ter um domingo inteiro para se jiboiar. Acordei às 8:30, mas resolvi desfrutar de mais umas horas de preguiça e sono leve. Afinal as minhas férias nunca são para engonhar e a partir de amanhã voltam os horários apertados à mercê do relógio, por isso um dia de intervalo para me arrastar por casa, sem me sentir mal por não estar a fazer nada era mais do que merecido. Amanhã já vos conto as minhas impressões sobre a Côte d'Azur!

Henri Matisse, Odalisque con le magnolie

sábado, 13 de setembro de 2014

Première

Há 20 anos que ando de avião. Nos últimos quase numa frequência mensal. Em menos de uma hora de voo entre Zurique e Viena fiz a proeza de inaugurar os saquinhos de vómitos.

Qual é a probabilidade

De uma pessoa estar de férias, a passear assim sem cumprir qualquer programa e dar de caras com uns amigos em plena Promenade des Anglais?... Sim, aqueles que casaram na semana passada e estão em lua-de-mel!

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Conchita

Uma das ideias mais vincadas que tenho ao fim destes anos austríacos todos é que a Áustria é extremamente conservadora. Há uns fogos de vista que manisfestam modernidade, mas as mentalidades não se mudam assim tão depressa, não é?
Por essas e por muitas outras que agora não vêm ao caso, a vitória da Conchita no Eurovisão da Canção e toda o frenesim gerado à volta da sua figura é um facto notável. E só por isso já podia gostar da Conchita - perdi um concerto porque fui ver o Camané e quase adormeci e da segunda vez na Donauinselfest chovia imenso para eu sair de casa e ir ver um concerto ao ar livre. 


As opiniões cá no burgo são unânimes e depois de ter ganho o galardão, ela foi recebida pelo Presidente da Republica que a congratulou pelo galardão. Na verdade, o Presidente deu os parabéns ao Sr. Thomas Neuwirrt pela sua figura artística de Conchite Wurst. Só isso é fabuloso num país onde uma mãe solteira não pode dar ao filho o apelido do marido por não serem casados... Não me interessa nada se é homem, se é mulher ou com quem é que dorme. Adoro a estética e a coragem de enfrentar a sociedade austríaca, de ter apostado nessa imagem híbrida e ganho! E o reconhecimento internacional fez-se sentir também.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Uma pessoa distrai-se

E de repente está a dinamizar economias locais... (Por exemplo a de Cannes que estava mesmo necessitada dos meus trocos).

Calçonecos



A minha veia de compradora mais ou menos compulsiva continua activa e não consegue resistir a peças deliciosas, ultra versáteis, super modernas, lindas de morrer e... em saldos.

No pós-recepção-do-bouquet, adquiri estas belezuras de calções. As mini fotos não fazem jus à maravilha da cor. Mas garanto-vos que vai ser a peça estrela da estação! :D

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Polka dot is back!

Parece que me rendi aos encantos da Foreva 21. Depois de estar anos sem lá pôr os pés por achar que aquilo era roupa para quem tinha 21 anos ou menos ou por me esquecer que existia, descobri uns trapos giros que reabilitaram a consideração que tenho pela loja. É preciso saber separar o trigo do joio, mas tenho lá descoberto grandes peças. Ex.: Camisas às bolinhas e com laçarotes (adoro!)

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Logo/Ainda pela fresca

Porque é que adoro os meus alunos?
Porque me mandam sms ainda antes das 9 da manhã a dizer: "Calíope, sonhei contigo, com flores* e conjuntivo! Boas férias!"

*as do casamento...

Enquanto eu vou e não venho

deixei-vos uns postzitos no frigorífico. É só pôr no micro-ondas e aquecer. Mal vão notar a minha ausência :)

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Man in town

Ibrahimovic, o próprio, e Maria Calíope, euzinha, estamos neste momento a partilhar a mesma cidade. Eu moro cá e ele deve estar num hotel onde eu própria já dormi. Vê-se mesmo que já não tenho a disponibilidade de outrora. O homem a dois passos e eu ocupadíssima com a minha vida* sem qualquer brecha para poder ir fazer plantão no hotel. Bolas! E agora estou a lembrar-me que até conhecia os porteiros... 

*Status quo da minha vida
- Uma proposta indecente de trabalho (indecente por indecente já enumerei uma listinha de condições).
- Um mail do orientador a dizer que já leu a minha tese.
- Uma mala de viagem para fazer.

Ah boa! Giro, giro era cruzarmo-nos amanhã no aeroporto...

domingo, 7 de setembro de 2014

Freak magnet XXIII

Fui sair com um tipo em quem estava a apostar algumas fichas (vou poupar-vos pormenores irrelevantes que não interessam nada). Bem apessoado, bom currículo, bom humor (=perceber as minhas piadas) aparentemente bem falante e com ideias qb articuladas. Visto ao vivo mantive parte da minhas impressões: ok, havia ali uma fracção de segundo entre a piada e a reacção, mas tudo bem. Perdeu também alguns pontos na articulação de algumas ideias, mas tudo bem. Chegou a conta, eu ia pagar a minha parte e ele perguntou se podia pagar tudo. Óptimo, muito bem, temos cavalheiro.... com uma carteira com fecho de velcro! Pode?!!!! Daquelas que a gente tinha nos anos 90 na preparatória. Um homem a trabalhar a alto nível de organizações financeiras, nacionais e internacionais com uma carteira dobrada em três partes em material de mochila e fecho em velcro?!!

BcS, lembrei-me logo de ti! :D
Ana A., pois se calhar vou começar a considerar o teu pedido! ;)
Italiano rules!!! Qual concorrência qual quê! :)

 

sábado, 6 de setembro de 2014

Pontos de um casamento

Pronto já recuperei... e vamos lá falar da boda de ontem.

- Coisa simples e civil. Vantagens: Em 10 minutos estávamos despachados, não houve tempo para nos comovermos com leituras, discursos ou o que quer que seja, o que é extremamente conveniente para quem leva rímel nos olhos.

- A noiva ia de fucsia e estava fantástica!

- Foi o melhor casamento no se refere à logística. Encontrámo-nos todos no registo civil e a partir daí os noivos organizaram um tour pela cidade de eléctrico (a maior parte dos convidados era estrangeiro e não residente na Áustria) e um autocarro para nos levar ao sítio da boda e também para nos trazer de volta à cidade. Melhor impossível! (E eu tenho uma mão cheia de casamentos internacionais)

- A festa foi gira sem muitos froufrous que não interessam a ninguém.

- Eu ia linda e maravilhosa, claro está, e aguentei-me mais de 10h em cima de 10cm de salto. A última hora acabei por dançar descalça e ainda consegui ameaçar o gajo que dançou comigo de morte, caso me calcasse o pezinho de cinderela.

- O pezinho de cinderela tem joias... e houve uma pessoa que me abordou da seguinte forma: "Lá na Índia isso [anel no pé] quer dizer que é casada?". Eu pedi para repetir e disse-lhe que era portuguesa e que aquilo era um anel no pé. A mulher ficou sem saber onde se enfiar!

- O episódio bouquet:
Ainda no jantar, a pessoa que estava ao meu lado mostrava-se muito ansiosa pelo momento do lançamento do bouquet e possivelmente nem reparou na minha total indiferença ao assunto. Já na pista de dança, chegou o dito momento e Maria Calíope estava encostada ao bar e NÃO SE MEXEU. As meninas começaram por se alinhar no meio da pista, mas sabe lá Deus porquê deram uns quanto passos atrás, acabando por algumas estarem muito próximas de mim, quase parecendo que eu fazia parte do grupo. Mas eu continuava encostada ao balcão. A noiva atira o bouquet e ele cai aos meus pés. Eu fingi que não reparei e continuei a assobiar para o lado como se não fosse nada comigo. Entretanto amigos meus devem ter gritado "Calíope apanha!" e eu respondi que não ia apanhar nada. O jeitoso que me tirou depois para dançar, fez a gentileza de apanhar o bouquet e mo dar assim em mãos. Well... pode ser uma parvoíce, mas ali eu não ia ser mal-educada e recebi, agradeci e também fui agradecer à noiva. Estava irritada a tal ponto que foi o único momento nesta boda em que fiquei com os olhos baços. Lembram-se do trauma do bouquet, não se lembram?

(Depois ponho aqui algumas fotos, que agora vou à procura de noivo)

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Ia a um casamento, não era?

Estou traumatizada, ainda estou a digerir o ramo caído aos meus pés. (quando eu nem sequer tinha aderido ao jogo)

Em cima do salto XXV

Quando tem de ser pode ser simples


Elena Feliciano, Bird of Paradise Floral Stiletto


E se não tem de ser não vai lá mesmo com muita concorrência que haja...

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Phʳᵃᵚ Dᵓᵏᵗᵊʳ XXIII

A primeira versão da minha tese foi hoje entregue ao meu orientador.
Achei o homem com ar de bacalhau seco... o que não me parece um bom prenúncio.
Ele ficou de se manifestar assim que ler a obra que escrevi.
E eu estou desde ontem com ar de quem vai para o cadafalso.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014


Andei entre sábado e terça (ontem) de galochas pois nesse mesmo período de tempo não parou de chover copiosamente. Ontem dei com o aquecimento central do meu quarto ligado - e o que eu gosto de dormir com o quarto quentinho! Continuo com as quatro camadas de roupa (fora de casa obviamente), mas acho que consigo levar um vestido de cavas e sapatos abertos para um casamento que tenho na sexta!

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Bling bling



Eu sou pelo matchy matchy...
E uma vez que os dourados continuam em alta, resolvi trocar os meus undici e vintedue :-)

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Liberdade de concorrência

Não é de agora que acho que a concorrência melhora o produto...

O monopólio e o direito de exclusividade não me foram vantajosos por isso dou boas-vindas à concorrência!

Sigamos o heads up e veremos quem ganha no showdown! (As saudades que vocês tinham das metáforas do póquer, não era?)