domingo, 29 de junho de 2014

Note to self*

Ano do Cavalo
Um ano de alto astral para tudo. A vida será cheia de aventuras. As pessoas encontrar-se-ão meigas, românticas e carinhosas. Um ano favorável ao progresso.
Esta será uma época boa para as decisões e projectos serem incorporados em alta velocidade e com eficiência. A acção será a palavra chave. Tudo prossegue e nós não devemos parar. Será um ano recompensador mas esgotante e cansativo.
Hilariante mas também com momentos de frustração, o ritmo deste ano acaba com as nossas energias de reserva deixando-nos com a sensação de esgotados. É uma época boa para tentar fazer todas as coisas que sempre sonhou. Escute os sentidos. O vento pode mudar constantemente, mas uma vez que se decidiu, dever-se-á seguir os instintos.
Planear e prosseguir. A influência impulsiva do cavalo, acoplada com a auto confiança, ditará as acções e emoções. A indústria, a produção e a economia de mundo estarão numa roda viva. Os temperamentos em excesso, podem ser um bocado desgastantes nas áreas de diplomacia e política. Mas o bom humor prevalecerá.
Apoie-se, o cavalo trará  tensão e stress às nossas vidas diárias. O tempo do cavalo é rápido. Mas apesar de tudo, nós reteremos o seu bom instinto para matérias de dinheiro. Haverá uma liberdade de movimento este ano. Seja bravo e chocante!

Personalidade do Cavalo
São rápidos, talentosos e trabalhadores. Por causa da sua natureza independente, recusam escutar o conselho dos outros.
O cavalo nasce sob o signo da elegância e do zelo. Todos os nativos deste signo tendem a ter muito charme na sua forma de aproximação o que os torna muito populares. O cavalo é também um individuo muito social, tirando prazer em participar em festas e outros recolhimentos sociais. Têm qualidades fortes de liderança e gostam de estar na ribalta. Tendem também a ser eloquentes e persuasivos e a ter um grande amor para discussões ou debates.
Eles também gostam de ter um determinado grau de liberdade escolhendo não serem limitado por regras da sociedade e regulamentos. Gostam de sentir que não são criados de ninguém a não ser deles próprios. Mas apesar deste sentido de liberdade, o cavalo gosta de se sentir apoiado e incentivado pelos outros.
Devido aos seus muitos talentos e natureza amistosa, o cavalo irá longe na vida. Apreciam desafios e são trabalhadores incansáveis e metódicos. O sucesso significa tudo para o cavalo. Assim se não conseguir atingir os seus objectivos, o cavalo leva um  longo tempo para recuperar das sua falhas e fica terrivelmente humilhado. 
O cavalo presta muita atenção à sua aparência por isso são muito atractivos para o sexo oposto. Tendem a ter muitos romances antes de assentarem com um compromisso mais sério, mas uma vez que encontram a sua alma gémea, são muito protectores e leais.
Por um lado, o cavalo pode ser um tanto teimoso e egocêntrico, no entanto tem também  uma natureza disposta frequentemente a ajudar os outros. Exibem um grande sentido de humor e causam geralmente boa impressão onde quer que vão. Contudo têm uma temperamento impetuoso e embora não se exaltem com frequência, dizem geralmente coisas que lamentam mais tarde. Um cavalo não é particularmente bom em manter segredos.
A mulher Cavalo
O nativo fêmea do cavalo tem algo especial. Para dizer que é bonita seria necessário um mega testamento; não se pode negar os seus atractivos e encanto natural. O seu tipo psíquico dá-lhe um ar distinto. 
A menos que quebre o pressuposto, esta mulher borbulha geralmente de saúde e vitalidade. O seu perfil expressa a autoconfiança, a facilidade, o equilíbrio, franqueza e abertura. De aparência atlética e como uma flor. Muito activa, agitada, com movimentos rápidos e gestos vigorosos, tem um gosto para o exercício físico e não há nada pior para ela do que a doença
É graciosa, com um forte sentido de ritmo e movimento; aprecia a autoconfiança e sente-se bem com o seu próprio corpo. A sua presença física é sempre sentida fortemente por os outros, e ficaria completamente surpreendida  se encontrasse alguém que ficasse indiferente a ela.


*Precisava de apontar isto em qualquer lado... Não precisam de ler

sábado, 28 de junho de 2014

Esta É a minha vida



Eu (a pensar): Ele é bissexual. Oh que giro! Acho que é o primeiro bissexual que eu conheço.

Ele (a dizer): Oh Calíope! Tive aqui a pensar e tenho uma ideia para si! É bom para si e para a nossa universidade também... não quer ir fazer um Post-doc no Rio?


Handiedan

sexta-feira, 27 de junho de 2014

800 anos

Devia ter organizado uma festa para 250 milhões... infelizmente soube desta efeméride tarde demais para organizar o que quer que fosse. A Língua Portuguesa faz hoje 800 anos e eu orgulhosa falante, estudiosa, devota e chula não poderia estar mais feliz por ter uma língua dinossáurica. A 27 de Junho de 1214 surgiu o primeiro oficial em Língua Portuguesa, o testamento (?) de Afonso II e desde então foi sempre a somar e a seguir! Há coisa mais bonita que esta língua?

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Às vezes até me sinto importante

Abri a minha caixa de correio e tinha lá um mail de pessoa importante da minha empresa, em que me pedia para ver se podia tratar de um documento em anexo. Ainda antes de ver o que era, pensei "dêem-me outra vida antes de me pedirem para fazer mais coisas que a minha presente não dá para esticar mais". O anexo lá abriu e o meu queixo ia caindo quando bati os olhos no cabeçalho "Presidência de Conselho de Ministros"!!! Mesmo assim mantive-me em cima do meu salto: "Desculpa mas não dá!".

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Disse agora mesmo o meu pai

Eu sempre acreditei na minha filha Maria Calíope, sempre soube que eras capaz e sempre foste. Agora não vai ser diferente!

Eu tenho uma grande fezada em ti!


(Será que dá para canalizar parte da fé incondicional do meu pai para o meu plano amoroso? Ele nem precisa de saber...)

terça-feira, 24 de junho de 2014

Desde pequenina que sou da Squadra Azzurra



Apesar do meu palpite muito antes do Mundial começar ser o Uruguai para campeão (don't ask), hoje vi-me grega sem saber por quem torcer. Mas quem joga para o empate arrisca-se a perder, não é? Por isso, ragazzi, vão lá passear os vossos caparros com ou sem D&G para outras bandas. Garanto que assim que soube que a Itália era candidata ao penta, abdicava do meu palpite original. Mas meus amigos, se querem ser penta é para correr atrás do penta perdido atrás e ficar à espera não que vos caia o penta no colo... caiu o carmo e a trindade, foi o que foi. Enfim, vá lá que as camisolas do Uruguai são as que têm o corte que mais favorece torsos atléticos... é que uma pessoa não aguenta só tácticas e cálculos de pontos. Há que animar as vistas!



segunda-feira, 23 de junho de 2014

Apimentar


Maria Calíope chegou a casa já passavam das 9 vinda das aulas de dança oriental e resolveu fazer para o jantar:

a) tostas com queijo
b) queijo mozarela e tomate
c) batatas fritas
d) pimentos vermelhos compridos recheados com couscous e courgettes no forno

domingo, 22 de junho de 2014

Um (grande) fraquinho por Jorge de Sena

Ser emigrante: "Colecção de dentadas e pontapés"

"Nem toda a gente possui ou recebe os mesmo direitos (...) de ser égua de cobertura ou cavalo de cobrição"

etc

etc

(e nem vou mencionar os poemas traduzidos da Emily Dickinson)

 

sábado, 21 de junho de 2014

I envy you




disseram-me isto...

E não quero que seja esse o sentimento emitido na minha direcção.

Dá para reformular?

sexta-feira, 20 de junho de 2014

A vida está sempre a acontecer

ouvi isto e gostei tanto... A frase ainda foi completada por "à distância de um sorriso", mas eu fiquei presa à ideia presente e do constante fervilhar de coisas.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Jogo de cintura

Recuperei e reformulei um texto que escrevi há muitos anos (os intervenientes eram outros). É engraçado ver que algumas das minhas palavras são intemporais.

A minha vida causa-te inveja
Mas não vês o luxo que pudeste dar à tua
Julgas que tenho direcção
E nem imaginas quão perdida estou
Nas encruzilhadas com que a vida me brinda.

Tu gostas de desafios
Que te puxem pela cabeça
Eu só não sou uma exímia jogadora de xadrez
Porque não sei as regras.

Precisas de um jogo de cintura?
Eu faço dança do ventre.
Danço com véus mas a minha paciência não é eterna.

Faz-me frente...

Mas rende-te às evidências.
Se eu ganhar o jogo é melhor para ti!


E sem querer dei a volta ao bico do prego!

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Atadinha

A imagem que os outros têm de nós não corresponde ao que vemos no espelho. O que vemos no espelho pode também não corresponder à realidade. Maria Calíope tem um ego forte e uma auto-estima inabalável... em determinadas circunstâncias. Em todas as outras não passa de uma atadinha. É pelo menos a imagem que rememora na sua cabeça. Acanhada. No canto olho alheio. A flor do papel de parede. A comer e a calar.
No entanto, nas últimas semanas Maria Calíope ouviu descrições da sua pessoa à sua frente e de emissores vários como se fosse a última coca-cola no deserto. Não era papai e mamãe, fãs incondicionais. Eram desconhecidos. Eram conhecidos recentemente. E desfiavam um rol qualidades que Maria Calíope nem imaginava ter. Maria Calíope com incredulidade estampada no rosto agradecia a puxadela do lustro. Como será possível uma pintura com este grau de pormenor e elegância quando o objecto artístico se vê como pouco mais do que um borrão? Maria Calíope ainda se espanta por haver quem aposte fichas nela. E muitas. Mas garante não deixar na mão quem acredita em si.


terça-feira, 17 de junho de 2014

Garante de decência

Numa despedida de solteira onde participei no fim-de-semana passado foi perguntado à noiva se estava com receio do que lhe iria acontecer e/ou com medo do que poderíamos fazer com ela.
Resposta: Não. A Maria Calíope está cá, por isso vai correr tudo bem... sem wild stuff!

E pronto, uma vida e meia a tentar recuperar a imagem de menina do coro e afinal missão impossível.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

O que andas a fazer para além de tossir, Maria Calíope?




Bom, na verdade, na última semana não tenho feito nada com tanta frequência como tossir mas também fartei-me de dançar... ou vá, tentei...
Flamenco na sexta, varão no domingo e hoje voltei à minha praia: a dança oriental.

domingo, 15 de junho de 2014

201º momento cultural: Quase gigolô

Uma surpresa com que Lisboa me brindou foi o novo filme de Woody Allen. Eu não sabia que ele tinha um filme novo, quanto mais que já estava em cartaz. Uns dias depois apercebi-me que o filme NÃO é de Woody Allen, mas, pronto, engana bem!

O filme é estranho. Mas vamos por partes, a história passa por dois amigos semi-falhados na vida que decidem einfach so tornarem-se em gigolô e prostituto respectivamente. O enredo não vai muito mais longe, mas vai-se alargando em diferentes direcções com personagens diferentes. Apesar de eu até ter achado alguma piada ao filme, ele não passou de vários farrapos cujo denominador comum era o tal gigolô y su muchacho. Adorei o muchacho (John Turturro), acho que não poderia ter havido melhor actor para o papel. E o nome era genial: Fioravante! Mais tarde percebi que o actor é simultaneamente o realizador do filme! Woody Allen faz dele mesmo, daí eu ter pensado que era um filme dele e não doutrém. Chamar a Woody Allen de actor não me parece muito apropriado, pois desconfio que ele seja assim mesmo na vida real. Pelo caminho, ainda aparecem Sharon Stone, Sofía Vergara e Vanessa Paradis. A última fez um belo papel, mas as outras duas mereciam personagens mais densas.

sábado, 14 de junho de 2014

Completamente desarmada

Mas tu falas com genitivos!

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Sexta-feira 13, lua cheia e Stº António



Trabalho: A marcar pontos
Amor: A somar tristezas

Na verdade, o costume com alinhamento cósmico ou sem.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Unicórnios não existem, Maria Calíope!


Mesmo que tu queiras muito e acredites piamente. Não existem e pronto.
E não é com pessegadas destas que hás-de conseguir a atenção do Santo António, quanto mais uma bênção.

terça-feira, 10 de junho de 2014

Bodas de rubi

Esta ida repentina a Lisboa só se justificou por um motivo: 40 anos de casamento do meu pai e da minha mãe. Pois que ninguém queria fazer nada, pois que era só mais um dia, pois que organizar uma festa dava trabalho. Mas dia 8 era domingo, não faço ideia se há 40 anos também o fora, mas a calhar domingo obrigava-nos mesmo a celebrar. Eu ia lá estar quer houvesse festa quer não. E houve! O que me comove em 40 anos de casamento é mesmo o número. Quem é que nos dias que correm festeja uma efeméride destas? Quem é que tem motivos para festejar ao fim de 40 anos? O que é que ainda sobra 40 anos depois? No nosso caso, temos muito que festejar e por isso eu queria mesmo estar lá.  Apesar dos 40 mil defeitos que possa apontar tanto ao meu pai como à minha mãe, não conheço casamento mais estável e feliz que o deles. Duvido que alguma vez vá comemorar qualquer coisa assim... acho que nem parecido, por isso foi mesmo muito importante para mim estar lá, marcar presença e acima de tudo comemorar.

3/4 de copo

A vantagem do atraso do voo para Viena (não, não foi TAP) é que consegui voltar a configurar o teclado do meu telemóvel para português, inglês e alemão com todos os acentos, caracteres especiais e dicionários a que tenho direito! (tinha conseguido fazer a proeza de activar caracteres chineses e japoneses... há meses... )

Reparem na tristeza do post de baixo sem acentos!

Nem que a vaca tussa

Se ha coisa que muito repugna Maria Caliope e que alguem tussa perto de si, especialmente se essa pessoa estiver nas suas costas. Sensivelmente desde domingo que Maria Caliope foi atacada por uma tosse manhosa que se nao lhe deu treguas para dormir, tambem nao seria sensivel ao facto de Maria Caliope ter de viajar. Duas horas e tal a tentar dormir no aviao, duas horas de tosse intermitente. Desconfio que as pessoas a minha volta estariam com um pouco de nojo de mim. Que fique claro que merecem toda a minha solidariedade.

Vamos ver como corre a segunda ronda.

Zurique com 29゜...

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Retratos de família

Num repasto festivo-familiar estive à conversa com alguns primos que não via há meses anos. Enquanto eles falavam das actividades extra-curriculares dos filhos e de que servem praticamente de taxistas dos miúdos, eu limitei-me a ir seguindo a conversa. Quando chegámos à parte de sacar do telemóvel para mostrar fotos dos mesmos, eu fiquei tentada a pegar na minha máquina e falar das minhas férias do Brasil. Afinal, cada um mostra o que tem ou pelo menos eu achei que eram essas as regras do jogo. Para variar, pensei que poderia ser inadequado e emiti um belíssimo "Mas os miúdos estão enormes!"

Fui ao cabeleireiro e não me detectaram nenhum cancro

Nem caspa, nem nenhum descontrolo hormonal, nem buço, nem verniz lascada, nem sobrancelhas desalinhadas, nem falta de brilho no cabelo, nem olheiras, nem nada...
Talvez uma ligeira queda de cabelo mas nada de preocupante. A senhora limitou-se a lavar-cortar-secar sem qualquer diagnóstico de doença crónica. Pronto, fez uma amiga para a vida!

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Acho que a minha mãe não identificou a trendsetter que há em mim

Ia sair ontem com a minha mãe e estava com umas calças skinny com um padrão muito miudinho e uns loafers tigrados.

Calíope: Oh mãe, achas que estes sapatos ficam bem com estas calças?
Mãe: Não trouxeste outros?
Calíope: Só trouxe umas sandálias...
Mãe: Vai lá ver ao teu armário, de certeza que ainda tens aí botas ou sapatos.
Calíope: As últimas botas antigas que tinha aí... tu sabes o que aconteceu (esfarelaram).
Mãe: (Perdida de riso) Vai lá ao teu armário!
Maria Calíope bem mandadinha foi ao armário e realmente encontrou algumas sandálias, umas botas da tropa e uns... all star, que remontam ao início dos anos 90, que eram inicialmente roxos e que eu pintei de cinzento, mantendo-se nessa cor até hoje. Usei-os e fui mostrar a mamãe.
Mãe: Pronto, estás a ver, muito melhor!
Calíope: Acho que estás com vergonha de sair comigo com os sapatos tigrados...

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Língua viperina

Na terça de noite quando estava a acabar de fazer a mala, pensei que com a autoridade com que falei no outro dia acerca das viagens de avião e idas ao aeroporto que eu própria iria chegar tarde ou me esquecer do passaporte ou qualquer coisa assim. Pois. Foi qualquer coisa assim.
- Levei o papel do check-in feito, mas esqueci-me de imprimir o bilhete.
- Não fui com a TAP porque estou farta dos atrasos deles e achei que um voo com escala seria a mesma coisa. Pois. O avião teve um problema técnico qualquer e o meu voo (LH) em vez de sair às 7.10 foi reagendado para as 9.30!!!
- Tratei em três tempos de arranjar um novo voo para Lisboa - e agora penso que teria sido irónico remarcarem-me para a TAP - mas não, vim para Lisboa via Munique. Uma alternativa bastante satisfatória, SE eu não tivesse acordado às 4 da manhã.
- Enfim já em Lisboa, dei graças a Deus a minha mala ter chegado... mas apercebi-me que eu não a fechei! Esqueci-me de trancar a mala, portanto qualquer indivíduo poderia alegremente ter açambarcado os meus maravilhosos tupperwares vazios!

Lisboa às 8:50

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Virar o bico do prego

Mesmo um leitor dorminhoco e distraido ha-de saber que se Maria Caliope pudesse realizar um desejo, ele passava por que os dias tivessem 30 horas. No entanto, hoje, esse antigo desejo ganhou um pezinho que o podera concretizar. Nem precisaria de 30h por dia se passasse a dormir muito menos. Ontem o dia comecou antes das 8 e ate voltar a enfiar-me na cama depois da meia-noite, as actividades laborais so pararam para eu atirar com alguma tralha para a mala e chamar a um abacate de jantar. As 4 da manha ja estava a pe outra vez... enquanto espero agora pelo meu voo, ocorreu-me que ate poderia fazer disto vida.... caso nao estivesse a morrer de sono.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Makes me wonder


t Tem-se ouvido Maroon 5cá em casa e não é de agora. E não é só cá em casa.
Mas às vezes parece que as nossas bandas sonoras são mesmo feitas por nós.
E alguém só tem de premir o PLAY.
Depois não querem que eu faça filmes!

(Vá tomem lá com o Adam Levine, pois imagino que não possam mais com o Ibrahimovic)
(Às vezes pergunto-me como é que consigo coordenar tanta coisa na minha profissional e não consigo domar um único elemento na minha vida amorosa...)

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Modelo comportamental

Bom comportamento:
O senhor meu senhorio mandou-me um mail com algumas burocracias que terminava simpaticamente dizendo que face à minha cordialidade ou à nossa agradável relação contratual abdicava de me subir a renda como seria previsto ao abrigo do index de não sei o quê. Não sei exactamente ao que ele se refere, mas agradeci para manter os níveis de cordialidade que pareço exalar.

Mau comportamento:
A minha amiga dramaturga está a escrever uma nova peça. No outro dia em conversa com mais uma terceira amiga perguntámos-lhe do que se tratava e ela disse que era sobre uma mulher solteira com mais de 30 anos, uma espécie de Bridgit Jones, acrescentando "para inspiração só preciso da Maria Calíope e uma garrafa de vinho!" E pronto daqui a três semanas há beberete de vinho verde cá em casa! :)

Maria Calíope para todos os gostos é o que é!
Handiedan

domingo, 1 de junho de 2014

200º momento cultural: Andreas Bitesnich




Então  lá fomos ver a exposição de Andreas Bitesnich como eu já havia adiantado. Para o aquecimento, vimos a exposição permanente do Hundertwasser na KunstHausWien.  E correu bastante bem. É sempre uma alegria ver a explosão de cores e curvas presentes em Hundertwasser, já para Bitesnich prefiro preto/branco, sejam nus ou paisagens urbanas.
Tenho a sensação que há cerca de 10 anos tinha visto uma exposição dele, quanto ao meu amigo já não via há quase 2 anos. Foi muito bom revê-lo, sem mágoas (nem parvas nem sérias) nem tensões hormonais que toldam qualquer tipo de raciocínio.





Fico muito feliz pela conversa ter fluído, por não ter havido silêncios confrangedores e por ainda se verificar alguma cumplicidade nossa. A ver vamos se o futuro nos reserva mais qualquer coisa.

(Esqueci-me completamente do rescaldo eleitoral...)

(Só agora reparo que não poderia ter comemorado o 200º momento cultural melhor acompanhada)

Lovefool



(podem encontrar estas belezuras aqui)




Pois que Maria Calíope voltou a estar feliz e neste momento crê piamente que unicórnios-tatuados-sem-chifre-mas-com-orelhas-aladas-à-la-Mercúrio existem e faz ouvidos de mercador às vozes dos Velhos do Restelo (não têm uma casa para aspirar ou roupa para lavar, não?)
(Podia fumar ou ter dado para a droga que era bem pior!)