segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Sonho

O título pode parecer exagerado, mas não é, garanto-vos que não.
Para quem espera por algo há mais de 20 anos, 6 meses e mais uns trocos não é nada.
A 5 de Maio vou estar em Estugarda. O bilhete já está comprado e vem aí a caminho :)

(As patas e o focinho do burro estão a dar resultado!)

Detector de metais e de outras coisas

Funcionário do aeroporto cuja função é detectar objectos estranhos em passageiros: Tem aí um computador?
Calíope: Está aqui...(dando o seu toshibinha ao senhor)
FDACFÉDOEEP: Traz líquidos? Cremes e assim?
Calíope: Sim, sim. (abre a mochila e tira as bolsinhas com produtos de higiene)
FDACFÉDOEEP: E aquela água? (apontando para um frasquinho que vislumbrou dentro da mochila)
Calíope: Ah! Não é água! É tequila (tirando da mochila uma garafinha com um sombrero!)

E nem sei como é que o FDACFÉDOEEP deixou passar os 17 frasquinhos de verniz que iam avulso...

Estado de sítio

Estou noutro aeroporto (Münster) e sem vontade nenhuma de voltar ao aeroporto de origem (Viena) e consequentemente à vida real... (bom pelo menos 2 dias de vida real até a minha irmã chegar...)
De qualquer maneira, tenho fé que depois de ter tocado nas patas e no focinho do burro dos músicos de Bremen a minha vida entrará noutra dimensão! :)

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

O passado contra ataca

Estou no aeroporto a tentar despachar trabalho...
E quem é que eu encontro na porta de embarque adjacente à minha?
Possivelmente o maior toureiro da minha vida!

Ele há coisas...

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

33

Pela primeira vez em 5 anos da faculdade cheguei à minha aula 15 minutos antes do início. Achei que o espírito adulto, maduro e pontual dos 33 anos já tinha baixado em mim... foi sol de pouca dura. Quando abri o meu toshibinha e me apercebi que não tinha levado a pen com a apresentação das aulas, percebi que nem com 88 anos terei juizo.

Uma vez que praticamente todos os meus amigos cresceram numa matriz europeia e cristã, houve obviamente quem me recordasse de Jesus Cristo. Nessa medida, só me ocorreram duas coisas ou é neste ano que sou cruxificada ou subo ao céu. Como não comungo do espírito "cordeiro de Deus", prefiro a segunda hipótese. Apesar de haver uns documentos perdidos quaisquer que relatam a fuga de Jesus Cristo para a Índia... (Também aceito esta opção, sendo ela a mais certa na conjectura actual!)

Quem tem amigos tem tudo e este ano isso foi mais óbvio do que sempre. Uma amiga minha obrigou-me a ir jantar com ela para eu não passar os anos sozinha. Veio mais uma outra para reforçar o ambiente. Parecíamos as três da vida airada... (Precisamos de mais uma pessoa para voltarmos ao espírito Sex and the City). Adorei!

Se no início do ano achei que seria boa ideia começar o ano noutras latitudes, acho que a regra pode aplicar-se aos meus anos. Só estou a acabar de fazer a mala e sigo viagem para ir ter com a mesma comparsa co-protagonista de outras tantas histórias-macacas.

E 33 aqui vou eu :)

É hoje! É hoje!


Parabéns a mim!
(já não ouvia isto desde 1994 ou 1894 ou quando sei lá quando)

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Outubro do meu coração

Se eu fizesse uma estatística em relação ao mês em que devo estar mais desiludida, sem sombra de dúvida que o ponto alto do gráfico seria: Outubro. O que não deixa de ser curioso, pois como é amplamente sabido, Outubro é O mês do ano para mim. Se calhar até há uma correspondência qualquer. Mas depois do que aconteceu este ano com o Valete, pus-me a pensar e mesmo que não tivesse memória, bastava consultar o arquivo dos Mergulhos. Nos últimos mil Outubros aconteceu sempre qualquer coisa com um gajo qualquer que me trocou as voltas todas. Será a minha sina?
Mesmo assim Outubrinho de mi corazón, não te troco por nada! :)
E tenho fé que alguma vez hás-de correr de feição!

Baralha e volta a dar


Estou para aqui a pensar que há precisamente um ano começou a aventura Valete de Copas que passado um mês e tal deu casualmente origem ao Valete de Ouros, que por sua vez passado um ano pouco me valeu.

As voltas que a vida dá, é o que vos digo...

Energia canalizada

Era bom que tivesse todos os dias a energia que pairou em mim hoje. Entre passar pelo sapateiro e ir fazer um workshop de 4 horas de duração ainda trabalhei outras 4 horas e tal, mandei uma carta para a segurança social, fingi que almocei, voltei ao escritório, pelo caminho foi um bolo de topfen com a melhor massa folhada do mundo para animar, fui dar uma aula normal, ao que se seguiu outra aula particular, fiquei jantada com umas tostas e toma lá trabalhos de casa para corrigir. Pronto já está! Ainda fiz uma listinha de livros que a biblioteca precisa, mas já não dá para preparar as aulas de quinta. Vou ver se leio um bocadinho antes de dormir. Felizmente aqui quarta-feira é feriado e eu vou estar sossegadinha no escritório a trabalhar muitas horas sem ter de me mexer muito.

Julgo ainda merecer um chá! E nem acredito que em menos de 24 horas faço anos...

A trabalhar fins-de-semana e feriados, vou perguntar ao meu chefe se quer escrever a minha tese por mim...

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Expectativas

Depois da festa do taco, hoje houve dança do pau. E lá estivemos nós animadas a abanar as nossas ancas e tudo o resto que se mexesse, ali com o pau na mão para manter as costas direitas. Foi muito didáctico. Mas depois disto não sei o que se seguirá. Amanhã tenho de ir a um workshop (para aprender a fazer testes de escolha múltipla - coisa mais útil não há) e se não houver uma matinée do cabo vou ficar desiludida!

Teorias e concretizações

Julgo que as pessoas melhoram com a idade. Se calhar tornam-se mais chatas, mais desconfiadas, mais picuinhas, mais exigentes (falo por mim), mas mais bonitas, mais interessantes, mais sábias (why not)! Vi hoje o Rui Reininho e lembrei-me dessa minha ideia. Um tipo que nunca me disse nada, nem ele nem as músicas dele, agora grisalho e de barba está o máximo. O resto não sei porque não prestei muita atenção. Mas lá está, comprova a minha teoria que o mito da juventude eterna é para quem gosta de botox e outras coisas injectáveis.
E não venho com esta conversa por só faltarem 3 dias e meio para fazer anos, não é nada disso!
Sabem perfeitamente que Maria Calíope é uma pessoa isenta.
Para provar que estou a caminho de ser uma pessoa madura, acabei de decidir sozinha onde vou passar aquele dia que o comum dos mortais chama de Natal e os seguintes. E já está marcado! Sozinha e sem pestanejar :) Quem é que está a amadurecer quem é?

domingo, 23 de outubro de 2011

Raio da caipira!

Uma pessoa sabe que foi à Fiesta del Taco em casa de amigos e de que ficou encarregue de levar limas.
Uns tacos e uns nachos a forrarem o estômago e uma Corona a regar os dois dedos de conversa. Depois vieram as caipirinhas... Ainda houve outros quantos dedos de conversa, ainda mais idas ao WC desanuviar a bexiga e num desses regressos, fiquei-me pela pista de dança...
Sei que vim aos S para casa e hoje de manhã foi um ligeiro blackout acompanhado de uma valente dor de cabeça. Liguei para a anfitriã a perguntar se me tinha despedido dela, uma vez que as pessoas se enevoaram na minha mente. Mas sim ela confirmou que eu antes de sair fiz um adeusinho e de muito mais também não se lembra.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Just for the record: adoro bacalhau da Noruega!

Dos 60 e tal convidados para o sun-dance-love-parade-mega-party-mix que estou a organizar, o convidado mais improvável foi o colega norueguês, lembram-se? Improvável pois não me lembro bem de como é que ele era. Acho que tinha uma t-shirt castanha, mas se Deus quiser deve mudá-la todos os dias. Desde então não voltou a pôr os pés no escritório. Não me lembro como se chamava e inserir "colega norueguês" no banco de dados da empresa resultaria em "person not found"... Mas Maria Calíope não brinca em serviço e o viking foi identificado e convidado. Só espero é que ainda viva em Viena, pois eu digeri a mensagem do senhor Lobo Antunes e estou a fazer qualquer coisa pela minha vida.

Afinal de contas Tordesilhas > Descobrimentos > Portugueses > Marinheiros > Vikings > Homem da Noruega estava já tudo escrito nos manuais de cosmonáutica! É só ler!

Convites enviados

Foram cerca de 60...

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Aftas na língua

Há alguns anos no Brasil eu fiquei ofendidiíssima quando locais me perguntaram se o que eu estava a falar era português.

Hoje no final de uma peça de teatro brasileira, uma das actrizes (possivelmente vinda lá do Grão Pará) perguntou-me de onde eu era uma vez que estava a falar espanhol (no seu entender).

Pô cara, muito legal, né?

Uma semaninha para O dia do ano e local das celebrações já está reservado!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Partir ovos

Acho que há uma táctica futebolística pouco ou nada rigorosa que passa por chutar a bola para a frente a ver se dá golo. Deve ser essa a altura que os jornalistas que relatam os jogos descrevem como "jogar com o coração". Eu penso que não jogo com o coração, mas que frequentemente chuto a bola para a frente a ver no que é que dá, isso sim. Depois como consequência corro para a frente também para acompanhar o lance. (e não pensem em coisas parvas que eu estou a falar de trabalho/estudo!)

Método zero. Movimento muito. Sempre.

Parece-me que por norma tendo a partir os ovos primeiro e só depois penso se quero fazer uma omolete ou não.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Duas perguntas

Se tiverem quarenta e um minutos e cinquenta e três segundos livres, vejam esta fabulosa entrevista de António Lobo Antunes. A mim ficaram-me a ecoar duas perguntas na cabeça:

O que é que eu fiz da minha vida?
O que é que a vida fez de mim?

mas há muitas outras sequências de palavras bastante iluminadas! Vejam que vale a pena!

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

É desta! É desta!

Tenho para mim que oportunidades não agarradas não voltam a borboletear diante de nós, já por outro lado, lições não aprendidas regressam as vezes que forem necessárias até as sabermos de cor.

No entanto, parece que não é sempre assim. Uma oportunidade que eu não tive há 20 anos, uma oportunidade que eu desperdicei há 3 veio de novo resplandecente na minha direcção e desta vez eu não vou vacilar.

O caríssimo leitor poderia pensar que Maria Calíope descorria sobre qualquer tema filosófico, sobre as idiossincrasias da sua vida de Escrava Isaura, sobre questões metafísicas, mas não. Por muita estima que o dilecto leitor nutra por Maria Calíope, Maria Calíope também tem um pezinho no chinelo. Nada de que se envergonhe mas que não combina propriamente com projectos Tordesilhas e afins.

Os NKOTB vão voltar à Europa e desta vez eu não os vou perder por nada. Ainda não sei onde os vou ver, mas vou!
Estou com a alma eléctrica e quem sabe se ao fim destes anos todos (20) o Joey da minha vida me canta isto.
Afinal de contas estou solteiríssima :)
Ele não acho eu. É pena!

10 dias para os meus anos. As coisas estão a compor-se :D

E Maria Calíope canta a plenos pulmões esperando que ninguém a veja/ouça nestas figuras (afinal de contas as letras não são assim tão elaboradas)

domingo, 16 de outubro de 2011

Mergulhes bilingues XVI

Ao fim de não sei quantos meses lá peguei no material da minha tese e voltei a pôr as mãos na massa. É decididamente no Inverno em que eu viro formiguinha e desta feita quero mesmo andar com este projecto para a frente.
Pessoas que acreditam nas capacidades de Maria Calíope e fãs em geral, não esperem que daqui jorrem jactos de conhecimento puro. Não é esse o objectivo. O objectivo é ter um trabalho com cabeça, tronco e membros e de preferência no mais curto espaço de tempo possível. A meta está apontada para Março de 2013, mas se me despachasse antes seria óptimo!

As mangas estão arregaçadas.
Que desçam as temperaturas! Ontem de noite eu já batia os dentes na rua mesmo com chapéu, botas e um casaco quente. Por isso estamos no caminho certo.
E alguém me traga as vestes de eremita da colecção Outono/Inverno 2011/12

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Beginners

Acabei de voltar do cinema e só agora reparei no sub-título do filme. This is what love feels like.
Faz todo o sentido.
O princípio da história pode começar a qualquer momento.
Quem acredita corre atrás, fala, resolve. Não necessariamente nesta ordem.

Há histórias com finais felizes, basta os intervenientes quererem ser felizes.

Malé me quer

Sem dúvida a melhor notícia do dia:*

A Austrian Airlines vai começar a ter voos directos para as Maldivas!

Vou começar a poupar!

*Desculpem queridos leitores residentes em Portugal, não estou a gozar com a miséria dos pobres, mas vocês sabem que Maria Calíope tem sarna no corpo e não consegue ficar quieta muito tempo dentro das mesmas fronteiras políticas.

Acredito em unicórnios

De há umas semanas a esta parte, julgo que tudo é possível. Acredito em tudo. Achava que pouco poderia merecer a minha incredulidade. Até ontem. Por acaso vi o fim da comunicação de Pedro Passos Coelho ao país. Pensei que como só tinha apanhado a coisa no fim, não tinha entendido o essencial. Mas não. Tinha percebido sim... a análise que se seguiu só veio confirmar o que os meus ouvidos se recusavam a entender. Não vou engrossar as vozes esquerdas anti-tudo, pois que era necessário era. Mas não faço ideia como é que muita gente vai continuar a viver.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Isto soa um bocadinho a Paulo Coelho

Soa mesmo a a-força-está-dentro-de-ti , descobre-o-teu-eu-interior e essas coisas...
... mas não é.

O mar não é um obstáculo, é um caminho
Eu descobri como é bom chegar
quando se tem paciência
E para se chegar onde quer que seja,
Eu aprendi que não é preciso dominar a força,
mas a razão.
É preciso, antes de mais nada, querer

Amyr Klink

Giz

Pois não há dúvida que um pedaço de giz na mão torna-me uma pessoa muito mais feliz.
Primeiro dia de aulas do novo semestre e apesar de eu ser agora super moderna e fazer apresentações em pps e essas coisas ultra-sofisticadas, há sempre um pau de giz ao pé de mim.
Há 10 anos que sou professora e acho que tirando eu própria e o giz, não há pontos em contacto entre a minha aula de Português ao 7ºD em 2001 e as aulas que dei hoje. Um peixe na água, mesmo com os problemas técnicos que só acontecem aos professores.
E até tenho milhões de alunos!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Cardápio de aventuras


"A tua vida é um sonho masculino!"

As coisas que me dizem... Foi um amigo meu. Valha-me-Deus! E o título também não é de minha autoria. Devia ser para apoiar o sonho. Realmente. Nunca tinha pensado nisso nesta perspectiva.

E agora o dilecto, cândido e prendado leitor imagina Maria Calíope em fatos de latex ou então de pelo no peito... Ah! se for para criar rumores sem ponta por onde se lhe pegue e uma imagem alternativa, então passem-me o chicote para as mãos! ;)

A contagem

Alguém reparou que faltam 16, quase 15, dias para os meus anos e eu ainda não mencionei esse facto. Estamos em contagem decrescente. Há coisas que nunca mudam!

E eu estou com esse ar seco e ondulado, mas isto vai lá com o tempo. Aguardem-me que voltarei a estar viçosa e fresca não tarda nada.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Inventário de vocábulos XI

Ontem pulava e dançava, hoje voltei à vida real, sendo que o vocábulo que me povoa o espírito é

ranzinza

Estou ranzinza pois parece que me cai tudo nas costas. Costas largas é certo, mas tudo eu? É de todos os lados e eu fico impávida, pouco serena e com o olhar triste no monitor. Ranzinza, mas continuo a trabalhar. Se trabalhando já é um deus-nos-acuda, se parasse seria o caos. Talvez comece a fazer um turno da meia-noite às 3... sempre me ocupo, desfaço nós e não penso em misérias.
Há um mês achava que tinha a vida perfeita, agora ando como se tivesse a corda ao pescoço, assim à deriva e sem um abrigo no porto. Onde raio está a bonança, an?

Henri Fatin-Latour, The Reader

domingo, 9 de outubro de 2011

Negão do momento V: Adam Levine


Voltou-se a ouvir música em casa de Maria Calíope!
Maria Calíope voltou a dançar como se (e esperando que) ninguém a estivesse a ver!

Não me movo como Jagger, mas tenho os meus próprios passos com e sem cinto de moedas! Um luxo!

Se correr bem é desta que vou ver os Maroon 5! Alguém quer vir?

Adam Levine

sábado, 8 de outubro de 2011

Orientação

Movida pelo desejo de dominar o (seu) mundo, num sábado frio e com pouca história, Maria Calíope segue os passos do Principe Perfeito (D. João II, who else?) e calcula o número de léguas ideal, para que Tordesilhas seja proveitoso para si.
Muita ondulação e ventos contrários faziam parte da cartilha, mas quem desiste à primeira intempérie não é grande marinheiro.
É verdade que Maria Calíope enjoa com facilidade, mas para isso há remédio. Por exemplo olhar para o horizonte. E no horizonte afigura-se o Oriente cada vez com contornos mais nítidos.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Em cima do salto XVIII

"Não desperdicemos a nossa vida a viver a vida dos outros."

Elena Feliciano, Black Cherry Blossom Stiletto Giclee

Ouvi isto hoje e aparentemente foi Steve Jobs que a proferiu. Como não sou adepta de icoisas em particular nem de modernices dessas em geral, acho que Steve Jobs contribuiu mais para a minha vida com esta frase do que com os gadjets dele.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Não me lembro da fábula

Mas tenho 3 semanas para a descobrir!

E Outubro volta a ser Outubro!

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Vestido preto

Há cerca de um ano fui a um funeral despedir-me de uma pessoa muito querida e talvez das mais inspiradoras que conheci. Senti-me péssima e chorei tudo o que nunca tinha chorado em funeral nenhum. Não foi por acaso que hoje vesti o mesmo vestido preto. Não foi um funeral mas despedi-me mentalmente de uma pessoa que me foi muito querida nos últimos meses. Tentei falar. Ele não fez questão. Insistir teria sido chafurdar na lama. Eu rodopiei sobre os calcanhares e tschüss. Podia ter sido um funeral. Naquele momento em que a gente vê um cadáver e não consegue associar à pessoa que conhecíamos com vida. Custa sempre. Mas passa.
Foi assim.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Pergunta para um milhão

Estou com sérias dúvidas de compreensão destas duplas negativas, será que os ilustríssimos e incisivos leitores querem fazer o obséquio de me ajudar:
(Podem avançar com outras opções, não se deixem limitar pelas minhas hipóstes)
(Aqui está o puzzle musicado!)
(E sai um post à lá Wiwia)

i) "Não fosse eu não saber se estás contente"
ii) "Não fosse eu não saber onde é que moras"
iii) "E que estou muito feliz aqui sozinha, não fosses tu não estares ao pé de mim"

a)
  i) Eu sei que estás contente
  ii) Eu sei onde moras
  iii) Tu estás ao pé de mim 
b)
  i) Eu sei que não estás contente
  ii) Eu sei onde tu não moras
  iii) Tu não estás ao pé de mim

c)
  i) Eu não sei se estás contente
  ii) Eu não sei onde moras
  iii) Eu não sei se estás ao pé de mim

Imperfeito do conjuntivo

Esta semana está a ser de regresso às aulas. Nunca me apetece ir. E no entanto quando lá estou eu transfiguro-me. Não sou eu. Sou outra pessoa qualquer, ou melhor, a professora. É uma maravilha. Enquanto dou aulas a vida passa-me ao lado. Podiam desabar mundos ou ruir astros como diria a outra, mas naquela hora e meia sou eu e os meus alunos. Não há nada que consiga penetrar no meu cérebro. Não há nada que eu consiga fazer em paralelo. É fabuloso. Mais ainda é saber que muitos dos meus alunos estão ali por minha causa mais do que para aprender português.

E depois sempre aparecem umas ave-raras com perguntas exóticas:
"Ah! Mas vamos aprender gramática? Eu queria era falar..."
"Você não gostaria de aprender português brasileiro?"

No meu curso mais avançado andamos às voltas com o Imperfeito do Conjuntivo e não é que se fez luz? Ora, atentem:
Se ao contrário compreendesse / aquele mau filme que não escolhi / E em reverso nunca saísse / do nosso enredo como saí
Deolinda, "Se uma onda invertesse a marcha"

"Se eu pudesse saber o que não sei / Se eu pudesse dizer o que não digo (...)  Eu te diria que é ilusão minha / Se esta noite parece não ter fim / E que estou muito feliz aqui sozinha / Não fosse tu não estares ao pé de mim"
Cristina Branco, "Se não chovesse"

Não consigo perceber tudo, confesso, mas vi lá o Luftschloss onde estive e percebi logo a chave de ouro deste soneto dos últimos dias: eu nunca seria feliz no conjuntivo, ainda por cima imperfeito.

Crenças

Eu sou aquele tipo de pessoa que acredita em coisas parvas como
- o horóscopo do jornal gratuito do metro
- que as boas acções são recompensadas e vice-versa (é aquela cena do what goes around comes around)
- que tudo o que nos acontece é para nosso bem

Portanto só não percebi bem qual foi a pedra que atirei à cruz para ser castigada, mas pelos vistos precisava de passar por isto para passar para o nível seguinte.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Sombras

Não tenho sombras que me entenebreçam as memórias. Se as tivesse talvez teria onde me refugiar. Mas não, continuo a ter de me defender com lágrimas de memórias coloridas, melodiosas e aprazíveis.
Vivi num Luftschloss sem saber.

domingo, 2 de outubro de 2011

Ofensa pessoal

O facto de eu tomar como ofensivo o facto de estarem dias radiantes mostra o estado em que estão as minhas vísceras. Lembrei-me entretanto deste poema que adoro. Desculpem a repetição.


They say that "Time assuages" --
Time never did assuage --
An actual suffering strengthens
As Sinews do, with age --

Time is a Test of Trouble --
But not a Remedy --
If such it prove, it prove too
There was no Malady --
 
Emily Dickinson 

sábado, 1 de outubro de 2011

Outubro chegou!

Finalmente Outubro. Adoro Outubro e espero o ano todo para que ele chegue.
Este veio cheio de sol, temperaturas quentes e muitas folhas douradas. Até céu azul havia! Um primor de Outubro de deixar a mãe de todos Outubros radiante e a transbordar de orgulho.

Nestas últimas semanas tenho sido bafejada por muitas surpresas e para além daquelas, que o atencioso leitor já conhece, também me têm aparecido muitos episódios do meu passado. Pessoas (uns quatro) que estavam já há anos perdidas numa dobra qualquer do tempo, aproveitaram Setembro para me bater à porta (atenção! É uma metáfora!). Eu achei curioso o timing, mas fui alertada por pessoas queridas e muito mais atentas do que eu das penas por que já passei e que não tenho de olhar mais para trás. São capítulos terminados. Eu fiquei na dúvida.

Hoje iluminada pelo meu querido mês de Outubro acho que tenho mais de avançar com o meu livro, trazer novas personagens para a ribalta e esquecer os que não resistiram ao teste do tempo.