quinta-feira, 30 de junho de 2011

Último dia de aulas

Parece impossível mas eu fico mais radiante com o fim das aulas do que os miudos...
O estabelecimento não estará encerrado duranto o Verão, pois ainda há provas para corrigir, notas para dar, exames a preparar e aquela burocracia adicional que aparece sempre. Mas não interessa: oficialmente acabaram-se as aulas e eu sinto-me de férias e podia estar aos pulos e aos saltos por ter os melhores alunos de todo o sempre: que avaliaram uma das minhas aulas como a melhor de todo o centro e arredores :) e que as aulas estavam muito bem estruturadas e que lhes dava gozo vir para a Universidade e que o tema foi muito interessante e as aulas muito versáteis e que gostaram muito da minha prestação. Claro que estou babadíssima :) e assim ainda tenho mais pena de terem roubado a dita...

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Praça Sintagma

Ao ler qualquer notícia sobre Grécia, bati os olhos na Praça Sintagma e não pude deixar de esboçar um sorriso, não pelos manifestantes desesperados, não pela situação gritante, mas por uma divertida e rebuscada memória. Em 2003, eu cheguei cheia de sono a Atenas às 8 da manhã após horas e horas de viagem, de espera em Patras, de viagem, de discussões, de uma expulsão do comboio, de espera em Corinto de madrugada, de medo e frio e de mais uma viagem. Recordo-me perfeitamente da estação de metro Sintagma acabadinha de estrear. Eu claro que me deliciei sílaba a sílaba. Sintagma significa combinação, agrupamento, encontro por isso não pode haver nome mais adequado para uma praça que se quer movimentada, para uma estação de metro que se quer concorrida. No entanto, nos meandros da minha mente aquilo era a Praça do Sintagma Nominal e possivelmente andando mais uns passos encontraria a Rua do Sintagma Verbal. Subi até à Acrópole e do sintagma verbal nem sombra!

terça-feira, 28 de junho de 2011

Divisão de tarefas


Eu achava que se eu levasse o carro, ele lavava a louça.
Pelos vistos achei mal.
Ou pior, achei sozinha.

E estou a ver que a deixá-lo oferecer-se espontaneamente para lavar a louça, não vou lá.
Vou ter de pensar noutra abordagem e deixar de me aborrecer com estas coisas.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Falar contigo cansa-me...

Exemplo 1: Chegámos há bocado, mas estou para aqui a fazer uma transcrição enquanto o jantar está no forno e depois tenho de estudar para um exame amanhã.


Shades of eleven, Tired of you

Exemplo 2: Sim, é melhor vires cá ter ao escritório e damos uma volta pelo parque, mas não posso ficar muito tempo porque depois tenho aula de tango. (Em paralelo) Olha traz um livro que depois do tango ainda tenho de preparar um exame e corrigir duas provas.

(As provas vão ter de ficar para amanhã que hoje já não vai mais nada)

domingo, 26 de junho de 2011

Rescaldo

Isto de tirar dias de férias para trabalhar tem que se lhe diga... Uma novidade para mim, mas que acabou por ser proveitoso e por rentabilizar o tempo. Digamos que em 4,5 dias houve uns raios de sol que nos brindaram com a sua presença uma boa meia hora, vá 45 minutos logo quando chegámos. Foi uma sorte termos saído mais cedo de Viena caso contrário teríamos perdido o ponto alto do fim-de-semana grande: a banhoca no Wolfgangsee. Acabou por ser engraçado termos de esperar uma hora que a tempestade passasse (entre o fim da meia hora de sol e a ida a banhos) mas isso são detalhes. A água estava fria, uns 20ºC ou muito, muito menos, mas face à minha fama de foca, mesmo com os pelitos todos eriçados lá me meti dentro de água. (Diz que faz bem à pele, não é? E celulite, e banhas, e caspa, até os calos afogam-se logo!) Custa que custa mas sabe pela vida. Eu adoro nadar em lagos e o cenário era encantador e o Valete lindo lindo, qual truta albina, a nadar também, enfim o facto de eu estar a morrer de frio mesmo nadando freneticamente não passou de um pormenor risível.
De resto estive a fazer transcrições e a estudar para um exame amanhã. Só saí da pensão para ir jantar. A vista era basicamente esta, basicamente pois céu azul nem sombra.

St. Gilgem am Wolfgangsee

sábado, 25 de junho de 2011

Sinal de vida

O post era para se chamar "Confirmacao" mas estou em computador alheio e por isso nao quero estar a mudar a configuracao do teclado.
Pois, confirma-se que estou em Salzkammergut (para quem nao sabe onde é, é favor de consultar o link do post abaixo). O sítio é mais do que fantástico, mas o tempo está cinzento e frio o que para mim nao calha nada mal pois só tenho saído da pensao para jantar. Horas a fio diante do meu toshibinha a fazer transcricoes... um autêntico luxo, tendo em conta que tenho vista para o Wolfgangsee.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Branco mais branco não há!





Nódoas limpas e amanhã pé na estrada para Salzkammergut!

Não estejam com coisas que eu vou estar a trabalhar!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Danças

Como o atento e perspicaz leitor saberá, Maria Calíope tem um fraquinho bem amplo para a dança, além de espectadora confessa de ballett clássico, há uns anos iniciou-se em dança do ventre e já conta com 3 aulas de tango oficiais e outras tantas incursões privadas. Mas se há coisa que Maria Calíope não consegue acompanhar tanto conceptual como ritmicamente é a dança moderna.
No entanto, praticamente que já poderia incluir dança moderna no meu currículo, na entrada "actividades por engano".
Ontem o Valete e eu íamos a uma pseudo-aula de tango, que pela descrição já parecia bastante sui generis. Entre outros, eu dizia homossexual, ele dizia exotérica. Acho que ganhei eu. A aula de "tango de improvisação" começou connosco, umas 12 pessoas, a andar à solta pela sala, mas "cada um com o seu próprio caminho" segundo as indicações da instrutora, ou seja, andávamos para lá todos aos esses, feitos parvos. A esta altura eu já questionava a minha presença. Mas claro que piorou. Depois de andarmos aos esses, pudemos andar aos esses em qualquer direcção. Resultado havia pessoas a andar de lado, outras para trás outras aos pulinhos... A cereja no topo do bolo foi conquistarmos o espaço tridimensional com os braços.... imaginem 12 macacos a andarem numa sala com uns bons 20m2 e a como que apanhar moscas com as mãos... ridículo é pouco.
Depois de ter pago para fazer estas figuras acho que mereço pô-lo a versatilizar o meu cv.

Mancha


Parece que alguém disse que no melhor pano cai a nódoa... :(

Alguém confirma?

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Connections


O mundo é mesmo uma aldeia. Uma das minhas connections para o meu plano Tordesilhas.... vai ser ministro!!!
Disseram-me, fui ler no jornal e já confirmei. Estou divertidíssima com a ideia de que um dos ministros do novo governo elogiou o tema da minha tese de doutoramento e ofereceu-se inclusivamente para comentar os meus eventuais papers.
Escrevi-lhe agora a felicitá-lo e a dizer que eu prefiro que ele ajude a erguer Portugal do que a ler os meus textinhos! Desejei-lhe dias iluminados!
Quem é generosa, quem é?

Eve Shpritser, Connections

Buracos a preencher

Enquanto estou aqui há mais de 3 horas a transcrever a minha 14ª entrevista ocorreu-me uma ideia genial para ocupar lacunas temporais dos meus horários e espaciais do meu cérebro. Vou aprender lituano! Como não tenho tempo para frequentar um curso regular, que na verdade nem me parece existir de todo face à fraca procura/oferta, descobri um curso online. No intervalito para o jantar já aprendi as saudações (mais fáceis) e que os lituanos se orgulham de ter a língua com mais reminiscências do Indo-Europeu. Eu também ficarei plena de orgulho e cheia de graça se chegar alguma vez a reconhecer os resquícios. Para já estou a pensar que a última língua que tentei aprender era falada por 330 milhões, esta é falado por 4 milhões, 3 na Lituânia e 1 em Chicago. Mas o que é que isso interessa se se tem o máximo de reminiscências possíveis do Indo-Europeu e é uma autêntica língua-museu?!

Iki! (ok, ok, apanharam-me! Já deitei um olho às formas de despedida!)

Agahs

Sou soh eu que tenho uma perspectiva crihtica e manienta ou esta maneira ridihcula de querer mostrar que não hah acentos no teclado em que estamos a escrever substituindo-os por agahs eh  absurdamente idiota e completamente desnecessahria? Eh, não eh?

Anatomia comparada

Biologia era a disciplina que menos me agradava na escola e agora apercebo-me que não devo ter estado com atenção nas aulas. Acabei de descobrir que a anatomia aquém e além atlântica não é igual, não pode ser, não é possível que seja, ora reparem, eu repudiei o facto de se falar de atrás das costas de determinada pessoa. Falava-se de determinada pessoa que não tinha sido incluída propositadamente na conversa. Ao que as minhas colegas além atlânticas me dizem que não estamos a falar nas costas de ninguém. Hmmm... Conclusão minha, pessoa leiga em anatomia, as nossas costas não estão com certeza no mesmo sítio...

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Relativizar é preciso

Para quê pensar no bafo-de-onça exala, quando eu tenho os melhores alunos do mundo?
Para quê dar importância a facadas nas costas, quando eu sou uma autêntica Filipa Vacondeus?

Fiz almôndegas recheadas de azeitonas com arroz frito em alho para acompanhar. Devia ter sido almôndegas recheadas de tâmaras com arroz árabe, mas à hora que fui ao supermercado já não havia tâmaras e eu hesitei ao ver ameixas e alperces secos. Mas a fortuna moveu os meus olhos para o produto do lado: azeitonas. O tamanho era perfeito pois não queria comer almôndegas recheadas do tamanho de bolas-de-berlim.

E a cereja em cima do bolo: o Valete disse que o arroz estava quase tão bom como os feitos em continente asiático, mas rendeu-se ao molho :)

terça-feira, 14 de junho de 2011

Reposição da verdade

Afinal o plano do fim-de-semana não foi nada daquilo que eu tinha estimado, ou seja, os meus post programados acertaram todos ao lado. Foi bonito o momento em que o Valete me diz para seguir as placas a dizer Praga e eu a pensar nos posts enganadores... Enfim.
Seguimos mesmo as placas para Praga ao som de hip hop local, bem bom por sinal, eu acho que era Syndrom Snopp, até chegarmos a Cesky Krumlov. E que delícia que é Krumlov, de certeza que os tipos que imaginaram a cidade algures há centenas de anos eram daqueles fãs militantes dos contos-de-fada. Tirando o sensor da casa-de-banho que devia estar colocado para pessoas de 2,10m e os espelhos para as meninas de 1,90m foi genial. Eu até queria fazer rafting ou canoagem com céu nublado e temperaturas abaixo dos 20ºC. E as casas do Schiele... Vamos voltar, já está combinado!
Egon Schiele, Krumau
Voltámos para a Áustria dois dias depois, lá para a aldeia perdida numa montanha qualquer e a banda sonora mudou: Bauchklang. É impressionante, especialmente se pensarmos que são austríacos! Era daquelas parvónias mesmo parvónias onde às 20h já não se servem jantares, nós acabámos de comer às 21h30 e obviamente fomos os últimos. Um passeio pela vila a essa hora ou às 3 da manhã só difere pela intensidade da luz, de resto o silêncio impera! Curiosamente a pessoa urbana que vive em mim até gostou e não se importava de ter ficado mais uns dias. De qualquer modo, até ter chegado literalmente a casa ainda tive direito a um passeio de barco.

Daqui a 2 semanas há mais um feriado com direito a um fim-de-semana prolongado!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Negociações

Uns 10 minutos depois de termos partido

Valete: Não queres levar o carro?

Maria Calíope associou logo o tom ao "Não queres lavar a louça?" que costuma deixar sair casual e elegantemente assim como não quer a coisa a ver se pega, por isso nem hesitou na resposta não fosse o Valete utilizá-la como escudo protector de futuras pós-comezainas.

Calíope: Hmm, pode ser, mas quando chegarmos à auto-estrada.

A brincar fiz na ida mais de metade do caminho para Krumlov
MAS
o melhor foi hoje de regresso ter feito espontaneamente uma parte da auto-estrada e chegado ao fim da mesma ter continuado compenetradíssima no volante a fazer uns bons 50km de curva, contra-curva, montanha acime e montanha abaixo para chegarmos a Erlaufsee. E até estacionei o carro! Foi bonito de se ver. Se na ida o Valete dizia que eu estava a conduzir de forma bem mais segura, depois de sairmos do carro estacionado em sítio difícil por mim mesma depois de lhe ter pedido que estacionasse ele, ele disse que estava muito orgulhoso! Pronto. Pode não valer nada, mas eu fiquei contente :)

Santo António


 Salvador Dali, As Tentações de Santo António

Não sabia que Santo António tinha sido tentado, mas também não percebo porque é que ele é casamenteiro, se pelos vistos foi ele que ficou com o miúdos nos braços e a mãe foi à sua vida ;)

No entanto aproveito a ocasião para mencionar um casamento impressionante celebrado há uns dias. 37 anos é mais que a minha vida inteira, mas é o tempo que dura o casamento do meu pai e da minha mãe! Todos os anos penso o mesmo: é a minha vida mais uns trocos a conviver com alguém. Não sei se alguma vez serei capaz.

domingo, 12 de junho de 2011

Krumau


E seguimos para aqui :)

sábado, 11 de junho de 2011

Alternativas

Para hoje está previsto o Valete ir pescar e eu ficar a ver(?)
Não vá eu aborrecer-me, levo na mala um livro sobre migrações, o lonely planet de Macau e Hong Kong, o toshibinha com algumas entrevistas que preciso de transcrever.
Eu sei lá quanto tempo demora a truta a pendurar-se no anzol... :)

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Circulando

Hoje aqui não é feriado, mas eu sou portuguesa e votei e vibro com guitarradas por isso acho que merecia ter feriado :) E é sexta-feira!
Por isso peguei na minha portugalidade, tirei meio dia livre e pé na estrada! Para já fui arejar ideias para outra província! Precisava mesmo de um arzinho fresco!

Wacker 1

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Consolo "Eu é que sou o presidente da junta"


Eu é que fiquei com o gajo giro :)

(que está todo contente por eu ter mais tempo livre para dançar tango)

(a minha mãe acha que o Valete é igualzinho a este senhor, que viveu anos a fio nas paredes do meu antigo quarto)

(vi isto e animei, claro está! Já canto e tudo!)


 Joey McIntyre

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Conchavo

Há tempos defini como objectivo pessoal ser menos preconceituosa, mas os factos da vida e especialmente as ordinárias de determinada nacionalidade que se cruzam no meu caminho e com quem tenho forçosamente de conviver não param de me dar mais argumentos para engordar os meus preconceitos já bem anafados. Raios as partam, sacanas pá!

Jackie Garnier, La Tapisserie Interrompue

terça-feira, 7 de junho de 2011

Absolut Kitsch

Pois é! Temos secção nova no Mergulhos! Para que o prezado leitor não pense que a vida de Maria Calíope apenas se movimenta por meios pseudo-intelectuais, atlético-cutlturais, alternativo-sociais, etc, etc, lembrei-me de inaugurar a secção "Absolut Kitsch" que será uma versão decadente dos momentos culturais. Na verdade nada de novo, pois pessegadas na minha vida há muitas, mas a partir de agora virão catalogadas!

E não poderíamos começar a secção kitsch se não fosse com um faducho! Sim, fui assistir a uma palestra sobre a história do fado e eis que perante uma bela exibição do poder da guitarra portuguesa, arrepiei-me  e só me passava um pensamento na cabeça "É por estas coisas que sei que só posso ser portuguesa" e aliado a este "Ainda bem que votei no domingo". Os genes emigrantes não falham à mínima presença de elementos autênticos.

Eu já estava bem entretida com os meus pensamentos até que chegou o fado da Severa. E face ao que se segue eu não tinha mais argumentos para não escorregar-me o pé para o chinelo. Ora atentem:

Tenho o destino marcado
Desde a hora em que te vi.
Ó meu cigano adorado
Viver abraçado ao fado
Morrer abraçada a ti.

Com a equipa "destino marcado" e "cigano adorado" JÁ GANHOU!!!!

domingo, 5 de junho de 2011

Legislativas

O meu voto já foi na 4a-feira, desta vez uma espécie de boletim de voto all-inclusive com direito a fotocópia da certidão que me identifica como pertencente ao círculo eleitoral europeu e selo!
Até ao momento em que fiz efectivamente a cruz estava meia indecisa, pois o governo que sair com o meu voto (ou não) não vai ter influência directa na minha vida, por isso até que ponto é eu devo dar uma opinião (pois não passa disso)?
Este argumento é bastante questionável, mas já que não decido quem me governa, posso sempre dar o meu contributo a quem me emite o passaporte e o bilhete de identidade.
Vamos ver a quantos fica...

sexta-feira, 3 de junho de 2011

E no meio das obrigações espreitam sonhos

Duas entrevistas transcritas... só faltam 31!

Voo para Hong Kong marcado e sem querer este ano vou cumprir (mais) um sonho: a escala é no Dubai... Quase 20 anos depois de ter essa ideia em mente, lá vou eu para os Emirados.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

O caminho para o sucesso

O meu caminho para o sucesso passa por fazer transcrição de entrevistas... Uma vez já entrada no system, espero não vacilar ali nas areias movediças da laziness... O caminho é longo, mas como já vimos há uns posts, não faz muito sentido desistir com os olhos na praia.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

A vida é o que a gente quer que ela seja, mesmo que haja cabras e parasitas à mistura

Dormi mal e tive pesadelos entre os quais o do PS ter ganho com 39% dos votos... O prurido da faculdade não se resolveu, mas eu estou a fingir que não é nada comigo apesar de estar a ser (a única) lesada.
Li isto.

Estou a convencer-me de que tenho uma vida repleta de coisas bem mais interessantes, importantes, ricas, úteis, sorridentes, floridas e brilhantes do que a mísera aula e os respectivos tostões que me estão a escorrer pelos dedos.

Vou repetir para mim mesma:
- Vou fazer coisas de que gosto (mas já gosto de quase tudo o que faço)
- A vida é simples (esta é difícil de contornar...)
- Vou viajar mais (boa! Já considero tirar meses para cumprir a série de destinos que tenho em vista)
- A vida é curta... (lá está... a vida são dois dias e o Carnaval são três)