segunda-feira, 31 de maio de 2010

Teoria do caos

Pequenas causas, grandes resultados...

Hundertwasser, Green Town

mas caóticos porque imprevisíveis...

domingo, 30 de maio de 2010

31º momento cultural

Um dos pontos altos do fim-de-semana linguístico foi sem dúvida a visita ao Vinodukt, uma adega construída debaixo das famosas arcadas do viaduto local, que é um dos focos de atracção turística da região.
Uma prova de vinhos antes do jantar e depois de 7 horas de conferências não podia ter calhado melhor. O meu Grüner Vetliner era irrepreensível!

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Em conferência

Para não parecer que eu sou uma pessoa hiper urbana;
Para não parecer que eu só trabalho durante a semana;
Lá vou eu amanhã para esta terriola algures para uma conferência ao longo do fim-de-semana.
Se alguém precisar de mim é só descobrir onde fica Payerbach-Reichenau e perguntar pela pessoa mais exótica da região :)
Continuo a torcer que para o ano seja na Martinica.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Certeiro


Às vezes julgo que algumas (muitas) das minhas decisões (e ainda mais das minhas não-decisões) saem ao lado... e depois com um bocadito de jeito e paninhos quentes lá consigo levar a água ao meu moinho.

Decidir-me por Viena pelo contrário deve ter sido a menos consequente de todas e no entanto foi um remate em cheio!

Lisboa ocupa o 45º lugar no ranking da qualidade de vida, à frente de cidades como Roma, Madrid ou Nova Iorque. Viena, por outro lado, lidera o ranking anual pelo segundo ano consecutivo, revela estudo sobre qualidade de vida realizado pela consultora Mercer.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Recobro

A minha irmã foi hoje operada aos olhos.

Eu liguei à minha mãe para saber como ela estava. Julguei que não faria sentido ligar para a própria. A minha mãe não atendeu. Liguei para o meu pai. E o meu pai disse uma coisa extraordinária (diz sempre mas é preciso puxar-lhe pela língua):


A mãe e a Caju foram ali... Foram ali à telepizza buscar uma pizza enquanto eu espero aqui no carro! Mas ela ia a andar bem, nem foi preciso que a mãe lhe agarrasse o braço e ela ia à frente. Por isso deve estar a ver!


Realmente o sistema de saúde em Portugal é surpreendente. Agora servem-se das dependências da telepizza para o pós-operatório.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Era um avião? Era o super homem? Não. Era uma cegonha.

Soube que uns amigos meus vão ser pais em Novembro. Tanto ela como ele são meus amigos.
A informação foi-me veiculada por ele nestes termos: "Não sei se X já te disse que ela está grávida!". Não, não me tinha dito. Não temos falado ultimamente. Mas tendo em conta que se trata de um primeiro filho, não terão os pais todo o gosto a dar a notícia em primeira mão aos seus amigos? Pois, não sei e as possibilidades de alguma vez vir a sabê-lo são cada vez mais diminutas.

Acho engraçado este tipo de abordagem sobre assuntos pessoais com "Acho que já deves saber...", "Não sei se já te contaram...", "Possivelmente já ouviste...". Devem andar a circular aí imensos boatos que a mim me escapam. Mas o que me aborrece mesmo é o facto destas abordagens serem emitidas pelos donos das notícias, pelos responsáveis pelos actos, ao fim ao cabo pelos interessados. Soa-me sempre a sacudir água do seu capote e não consigo perceber porquê.

domingo, 23 de maio de 2010

Febre de sábado à noite

A soirée de ontem começou numa cave de vinhos como esta. E começou muito bem regada de champanhota boa. Seguimos para uma espécie de arraial lá da terriola. Eu bem gostaria de dizer onde era, mas não me lembro do nome. Comida típica (Feuerflecken) e bebida fresca (vinho branco). A música acompanhava o espírito da coisa... Mas nós até dançámos para enturmar com os locais. Um fartote de rir.

Eu resolvi que viria de volta para Viena nessa noite caso contrário hoje seria um dia perdido. E assim foi. Nunca os 45 minutos de comboio entre St. Pölten e Viena me pareceram tão curtos. Adormeci agachadita no meu banco e nem dei pelo tempo passar.

Giro, giro, foi chegar a casa já bem bebida e decidir que tinha de mandar um sms a uma pessoa. Devo ter uns 10 rascunhos pois volta e meia carregava no botão vermelho e lá se ia tudo. Hoje de manhã fui lá ver o que é que tinha dito mesmo. Surpresa: 0 erros! :D

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Canudo


Ontem fez 10 anos que acabei o meu curso. Ok, as notas só saíram em Junho, mas a Bênção foi a 20 de Maio. Muito sinceramente lembro-me de pouco para não dizer nada... Por acaso, lembro-me de parar num instante no antigo estádio de Alvalade e tirar uma foto comigo trajada à frente daquele mural que dizia Esforço, Dedicação, Devoção e Glória. Eu devo-me ter colado à glória, de certezinha!

Enviei um e-mail a recordar a data aos meus coleguinhas de curso e curiosamente todos responderam em menos de 24 horas (Quando vou a Lisboa e tento marcar um jantar, as contas são bem diferentes).

10 anos passados e somos todos professorinhos: da Primária à Universidade, passando por novas oportunidades e institutos de línguas. 10 anos passados e as nossas vidas pouco ou nada têm a ver com as que tínhamos antes... Se calhar é melhor passar para o singular agora. Eu não me vejo a ter tirado outro curso. Eu não me vejo a fazer outra coisa de que mais goste. E parece-me que a minha vida tem evoluído na direcção cera.

Acho que para comemorar a efeméride devia voltar a pegar nos livritos de linguística que estão há uma semana a apanhar pó!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Porque não coser botões?

No outro dia surpreendi uma pessoa ao dizer que estava a coser botões de um fato que queria usar no dia seguinte.
Nestes dias achei que merecia um doce para os olhos e para o cérebro e um recosto antes de dormir depois da maratona de 8 livros de linguística e diversas variantes (cujo exemplar mais fininho (e único) contava com 150 páginas). Agora sim a grande surpresa: o livro passa por física e matemática... e ainda mais surpreendente: estou a gostar imenso!

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Desanimada

Desconfio que o meu ânimo fez as malitas e foi dar uma volta a terras mais quentes e com sol. Fui basicamente abandonada, ou melhor, fomos eu e mais a minha meia dezena de quilos! Um corpo desanimado parece-me uma inutilidade. Eu bem tento reutilizá-lo como cabide de trapos bonitos e bijouteria apelativa. Efeito prático? Zero, mas sempre vale mais que o saco de batatas.

Ânimozinho, volta! Porque eu sinto a tua falta. Porque me imprimes valor. Porque enches a casa de alma. Porque é uma tristeza não estares por perto.

domingo, 16 de maio de 2010

Lusitânia Desvairada

Uma amiga minha organiza todos os anos um churrasco que resolveu designar de Lusitânia Desvairada. Em anos passados, recordo-me de ressacar com marcas de sol bem vincadas. Este ano envergava galochas e gabardine... Desta vez as marcas foram outras. Enquanto pegava na marçaroca em alternância com a costoleta, apercebi-me que tinha a mão gelada. A comida estava óptima, a companhia também... mas os 10ºC não colaboraram, mas foi uma sorte não ter chovido.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

30º momento cultural

Mais cinema: A Single Man

Curiosamente, apesar dos contornos serem bastante díspares, a história foi a mesma de ontem: o ímpeto não é bom conselheiro.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Argumentos fajutos

Às vezes as pessoas dizem coisas completamente inacreditáveis para sacudir a água do seu capote. Eu não sou diferente. Depois de ter avançado com aquela argumentação tão sábia e inteligentemente desenvolvida face às investidas do meu amigo, fiquei eu própria a pensar nas anormalidades que dissera. Então vamos lá dissecá-las.

"Somos amigos" Claro está! Se somos amigos não podemos ser mais nada pois até podemos arriscar-nos a dar-nos bem. Mais vale pegarmo-nos tipo cão e gato e enrolarmo-nos pelo meio ou ainda melhor, não nos darmos de todo, pois já sabemos que depois das hormonas aos saltos passarem nada será pior do que já tinha sido.

"A gente não tem nada a ver" Não temos nada a ver, mas temos profissões (sim, plural) iguais. É que não temos nada em comum. Nada! Além de que um chato de galochas por casa chega. Na minha já vivo eu!

"Não temos interesses em comum" Eu estou a olhar para o meu currículo amoroso e estou a pensar em tantos interesses em comum que tinha com tantos tipos... O meu interesse chegou a ser tanto que nem deu para chegar ao apelido. Mas agora, bonito, bonito seria estar prestes a ter uma grande noite de circo (ou outra parte do dia) e de repente, já o mocito bem animado, saio eu com "Quais são os teus interesses?". Ele responde e eu "Ah! É isso?! Então desculpa lá, mas não temos interesses em comum! Adeus!" :D

"Eu não faço esforços!" Obviamente que não. Tudo o que tenho foi-me oferecido. Caiu-me do céu. Tenho bons contactos e sou basicamente um bicho-do-mato com margem nula para a socialibilização. Todas aquelas pessoas que se parecem lidar comigo são na verdade figurantes pagos ou gente a cumprir penas!

"Não é fácil conviver comigo!" Afinal de contas sempre faço um grande esforço diário e contínuo: Convivo comigo sempre!!! Agora até virei ermita para salvaguardar a sociedade harmoniosa da minha anti-sociabilidade.


Resumindo, quando não dá, não dá e não há volta a dar-lhe, mesmo quando os argumentos são desta categoria!

Keith Mallett, La Seductrice

Conversas soltas XXVIII

Lembram-se dos corações solitários?

Pois...

Calíope: blablabla

Fan: Mas tu não podes não ter ninguém… De certeza que tens...

Calíope: (já a perceber onde a conversa ia parar): Pára com isso, sim?

Fan: É que só pode. E diz-me lá porque é que eu não sirvo para ti…

Calíope: Ai!

Fan: Sim, porque é que não me dás uma hipótese?

Calíope: Qual hipótese?! Nós somos amigos. É isso. É SÓ isso! (rubbish 1!)

Fan: Sim, eu sei…

Calíope: Repara, a gente não tem nada a ver… (rubbish 2!) Nem temos assim tantos interesses em comum (rubbish 3!)

Fan: Pois… eu já tinha pensado nisso.

Calíope: Não há química nenhuma…

Fan: Há sim!

Calíope: Ok, há sim, mas não é nas duas direcções!

Fan: Mas podias fazer um esforço…

Calíope: Eu não faço esforços! Estás a ver, eu pareço assim simpática e boa onda, mas não sou nada disso. Não é fácil conviver comigo e com o passar do tempo eu não melhoro.(rubbish 4!)

Fan: Hmm

Calíope: Olha lá, só o facto de estarmos a falar nestes termos é para mim mais do que evidente que não tem pernas para andar. Mas isso tu já sabias. Não é novidade nenhuma, pois não.

Fan: Não, não… Eu só queria saber era porquê.

As tretas que eu disse já serão escrupulosamente analisadas no post seguinte.

29º momento cultural

Voltei a ter vida e não podia ter regressado melhor.


An Education é um filme que todas as meninas deviam ver. Pode não evitar problemas futuros mas pelo menos avisa. An Education é a típica canção do bandido. Talvez já todas tenhamos passado por isso ou qualquer coisa parecida. Se eu tivesse visto este filme há 10 anos talvez tivesse tido mais mão nos bandidos da minha vida, talvez não, pois há bandidos incontornáveis.


Já agora, talvez não seja má ideia de voltar a ver este filme de dois em dois anos... só para mantê-lo em mente.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Mergulhos bilingues VII

Antes de mais um sincero obrigado a todos que tiveram que levar com as minhas trombas, maus figados e ânimo duvidoso nos últimos dias. Já sei que estive intragável, mas acreditem que sou eu que vivo comigo... ;)

Resumindo a historinha:

- O beamer não funcionava.

- O dilecto professor e ilustres colegas tiveram que se reger pela fichinha amiga que eu passei e pelo meu eloquentíssimo alemão.

- Sem pps a minha apresentação durou pouco mais do que 30 minutos.

- A discussão que se seguiu moveu mais pessoas do que o costume.

- Eu não consegui responder a algumas perguntas que me fizeram, mas acho que daí não virá mal ao mundo.

- O professor disse que eu tinha sido tapfer*, que tenho ali trabalho para uma vida e agora tratamo-nos por tu :S

- No encontro semanal pós-aula falou-se entre outros numa excursão à Martinica...


Eu para além de ALIVIADA e motivada agora também estou a tentar enturmar. Eu até já ouço música das Antilhas Francesas, dominar o crioulo local é um saltinho!
*tapfer: valente, brava, afoita, arrojada.

Mergulhos bilingues VI

Da maneira que eu falo e pelo tempo que tenho passado em casa a ermitar, julgo haver pessoas que pensam que eu vou entregar a minha tese de doutoramento amanhã. Não. É mesmo só uma apresentaçãozeca de vão de escada. Acabei de ensaiar tudo o que ia dizer. Não vou ler porque não admito aos meus alunos que leiam em apresentações... por isso a medida é a mesma para mim... Agora foram 42 minutos. Só espero não me engasgar com o 'kulturelles Pluralismus', caso contrário arrisco-me a ultrapassar o tempo estipulado.
Aconteça o que acontecer, quinta-feira serei uma pessoa completamente diferente, vá, quarta-feira de noite já estarei em fase mutante.

High Tights, Egon Schiele


Pronto, vou ainda pintar as unhas para pelo menos ir com bom aspecto.

domingo, 9 de maio de 2010

Mergulhos bilingues V

Jede Sprache ist eine neue Waffe im Kampf des Lebens.
So viele Sprachen ich kann, über so viele Zugängen zur Welt verfüge ich.

L. Weisberg


Egon Schiele, Krumau


Cada língua é uma nova arma na luta da vida. Quantas mais línguas souber, tantos mais formas tenho de aceder ao mundo.
Eu obviamente assino por baixo e só tenho pena não ter sido eu a pensar nisto.

Afogamentos linguísticos

Não levo a sério pessoas que dão erros. Não são gralhas, são erros. Não é má vontade, mas mesmo incapacidade. Quando vejo erros, eles encadeiam-me que eu não consigo ver mais nada. Assim sendo, como a minha memória só retém o erro, não consigo levar a pessoa a sério. Não consigo... Talvez defeito de profissão, mas os meus aluninhos não dão erros deste calibre.
Hoje recebi um e-mail de uma falante nativa de português que me contactou por causa daquela história das aulas que vos relatei há dias. A digníssima compatriota, de quem já não ouvia falar desde que me brindou com um self-explaining "lá em Portugal é que eu sinto a minha alegria de viver", eu saí a correr para não vomitar logo ali e nunca mais voltei, disse o seguinte e passo a citar:

"Nao sei se se lembra de mim, nos encontramos uma vez..."
"O mutivo que me leva a escrever-lhe..."
"... podem contar com nosco."
"Fico a espera de nuticias"

Eu relevo a falta de acentuação pois nem todos podemos ter a sorte de ter um teclado português e não tendo essa, ter a sorte de ter um teclado qualquer e saber utilizar a devida acentuação, mas tudu u restu é gritante ou sou só eu que me escandalizu?!

sábado, 8 de maio de 2010

Mergulhos bilingues IV

Quienes Somos

It's so strange in here
todo lo que pasa
is so strange
y nadie puede entender
que lo que pasa aquí
ins't any different
de lo que pasa allá
where everybody is trying
to get out
move into a better place
al lugar where we can hide
where we don't have tp know
quiene somos
strange people of the sun
lost in our own awareness
of where we are
and where we want to be
and wondering why
it's so strange in here

Egon Schiele, Self-Portrait
Pedro Ortiz Vasquez

sexta-feira, 7 de maio de 2010

As moiras e o fio da vida

A dificuldade que Maria Calíope tem de tomar decisões é imensa. E na iminência de poder tomar a decisão errada, pergunta a mundos e fundos o que fazer. A decisão final é sempre dela, pois a consciência de que as consequências também o serão está sempre presente.
Com o passar do tempo, os quase referendos deram lugar a questionários bem melhor orientados. Desta vez saiu a rifa a uma das moiras.


O meu profundo agradecimento :)

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Insónias


Agora deu-me para isto. Não consigo adormecer e depois acordo relativamente cedo. O facto até poderia não ser mau de todo, uma vez que com as coisas que tenho pendentes, poderia usufruir esta benesse do meu sistema. Mas não dá porque ando super cansada e sem qualquer tipo de capacidade de concentração (ou seja ler está fora de questão).

Hoje fiquei de molho. E depois de despachar trabalho, às duas da tarde voltei da cama para o sono dos justos. E dormir que dormi. Mas agora estou para aqui a pensar se não ficarei com os sonos trocados e andarei ao ritmo do pessoal de Aruba. Será um sinal?

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Arrepiada


Passei o dia todo com arrepios de frio. É o que dá nunca se saber muito bem que tempo está a fazer lá fora porque pode haver alterações a quaisquer 30 segundos. Cá em casa os aquecedores continuam ligados e pouco me importa estarmos já em Maio. Lá no escritório também costumamos ter sauna, mas eu hoje não dei por ela e nem com chazinhos me des-arrepiei. A gabardine que levei não é propriamente quente e como já estamos em Maio achei que podia deixar o chapéu e o cachecol em casa. Asneira! Assim ao olhar em redor, só encontrei à mão de semear 2 cachecóis, que me fariam uma bela mantinha... mas eram um do Porto-Mónaco, final da Liga dos Campeões e o outro Espanha, campeã europeia... :S

Hmm... Eu sou uma pessoa tolerante e de horizontes largos, mas há coisas que a minha formação e os meus princípios não me permitem.... Fui buscar outro chá e continuei arrepiadita.

Caro Mourinho, se alguma vez calhar passares por aqui e leres isto, acredita que não é nada pessoal, pois estou bem a torcer por ti nesta próxima final e mais do que isso, espero que esmagues de forma bem humilhante aqueles trastes do Bayern.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Aulinhas

Calíope: Telefonaram-me a perguntar se eu não queria dar aulas de português em escolas...
A: Hmm? Mas tu já dás aulas em escolas!
Calíope: Não, não... Não é nas escolinhas (espécie de instituto de línguas) nem na faculdade, é naquelas escolas a sério, com adolescentes malcriadões!

Calíope: Perguntaram-me se eu não gostaria de dar aulas aqui no ensino público...
B: E tu vais?
Calíope: Hmm... Não sei. Não sei se quero, mas não disse que não.
B: O quê?!! a) Não tens tempo. b) Não gostas de crianças. c) Não tens tempo.
Calíope: Pois! ;) Mas não quero fechar portas e não é mal pensado ter o meu nome a circular no ministério.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Este Universo dá cabo de mim!


Eu e o Universo já somos quase melhores amigos. Parece impossível, mas confiram para crer.

No fim-de-semana houve um evento familiar ao qual eu não pude comparecer por estar a estudar e acerca de 3.000km de distância. No entanto, recebi fotos do mesmo.

A minha reacção:

Ontem 23:56 para a Borbie: WOWWWWW
Hoje 10:12 para a Caju: WOWWWWWW
Hoje 10:34 para a LadyBOO: WOWWWWWWW

Foto fantástica onde basicamente... falto EU! (Não são mestras do photoshop? Tratem de me pôr na foto!)

Entretanto agorinha mesmo tipo 19:58 tive eu própria direito a interjeições e vou passar a citar:

"Wow! Wow! Wow! (...) Wow! Ich bin wirklich sehr beeindruckt!"


What goes around comes around, não é isso? E com direito a bónus e tudo! :)

domingo, 2 de maio de 2010

A vontade do bobo

Thomas Brill, Dance of Clowns
Narrenfreiheit foi a palavra mais surpreendente do fim-de-semana! E o que é que significa, perguntam vocês. Bom, à letra significa "liberdade dos bobos/truões/ arlequins", ou seja, é tipo à vontade do freguês. No entanto, é muito mais engraçado entregar as rédeas a um palhaço do que a um cliente. Realmente, isto de mentalidade alemã não tem nada: os antigos povos germânicos já deviam ir na 48ª grade de cerveja quando desencantaram esta expressão!

sábado, 1 de maio de 2010

Leituras


Depois de cinco línguas fluentes, uma morta e outras três que ficaram pelo caminho, eis senão quando dou por mim a dominar nada mais nada menos do que a língua do Universo!!!

Cheguei à conclusão que o Universo já tem pouca paciência para mim e para os meus dramazinhos e quer mesmo que eu não tenha mais dúvidas sobre o meu alemão. O Universo, armado em espertinho, começou com pezinhos de lã com umas Bravos mas daí para a frente o chumbo foi engrossando: ele foi um namorado germanófilo, pôr-me a viver em Viena, mais uns quantos gajos, pôr-me a traduzir de alemão, a fazer provas em alemão, mas claro está, depois de tantos e tão variados recursos o Universo fartou-se. Saltou-lhe a tampa e lançou a derradeira cartada: obrigar-me a escrever uma tese de doutoramento em alemão!

Eu estou tão divertida com a minha capacidade genialmente (par)anormal de ler o Universo que nem me estou a importar muito com a empresa que por aí vem. De qualquer modo a primeira pedra já está lançada!