quinta-feira, 30 de julho de 2009

Sarau final


Esta semana o cursito de dança oriental/dança do ventre terminou.
Ao longo da última aula e enquanto executava com uma diligência e minúcia própria (afinal de contas logo à segunda aula auto-elegi-me a melhor aluna da turma) todos os movimentos indicados pela professora, não pude deixar de observar as minhas colegas para poder fazer um balanço final.



Habibi Turkish Dancer (Artgem)

Balanço:


1) Tirando a professora, acho que ali ninguém conseguiu fazer nada muito parecido com dança oriental e muito menos dança do ventre. Pelo contrário, conseguimos a proeza de ter umas 6 ou 7 interpretações (já não me lembro quantas éramos) diferentes do que a professora estava a fazer: desde a senhora que nem sequer tinha ritmo para conseguir acompanhar a música num dois-para-cá-dois-para-lá à outra senhora hiperactiva que quando era suposto dar um passo simples para a frente, ela abanava os ombros, chocalhava as ancas e não sei como não se lembrou de bater palmas. De uma a outra baliza, observei de tudo, incluído a melhor aluna da turma! Eu! :D

2) Tenho de arranjar um gajo qualquer que saiba cantar em árabe e me faça uma serenata assim com a voz quente.... hmmm....
Ai tantos oitos deitados e em pé (não sejam coisinhos, isto não é ordinarice nenhuma, são algumas das figuras básicas da dança) que eu faria ao ouvir uns habibi habibi e aqueles arrepanhados de garganta! (É que o chato como não se consegue perceber quase nada do que eles dizem é virtualmente impossível tentar reproduzir para procurar no youtube).

Vidas de luxo

hmm... deve ser a minha! Não tenho disponibilidade para acompanhar com tanto preciosismo outra vida que não seja esta ;) e às vezes tenho a impressão que nem dou bem conta do recado.

E hoje depois de ir trabalhar umas horitas, fui nadar um bocado para o Danúbio pelo final da tarde. Nada de especial. Mas para mim um pequeno luxo.

terça-feira, 28 de julho de 2009

As coisas mais ridículas do mundo

Medalha de bronze:
Calíope a correr (normalmente um sprint para apanhar o metro, trajecto que inclui escadas rolantes)


Medalha de prata:
Calíope a correr com saltos ou sapatos de cunha (qualquer pessoa a andar normalmente deve conseguir locomover-se mais depressa do que eu nesta figura, porque para além de parecer uma autêntica pata-choca, ainda consigo rir (e abrandar a corrida) ao pensar na risota dos senhores que controlam as câmaras do metro ao ver-me)


Medalha de ouro:
Calíope a estatelar-se no chão quando tentou correr para apanhar o metro que viria dentro de 30 segundos, mas querendo apanhar primeiro o jornal "Heute" para não se aborrecer no trajecto de 5 estações. E claro está, tudo isto em cima de uns bons 7cm de sola...

O mais impressionante nem foi eu cair... foi mesmo nesse preciso momento (07:32) terem desaparecido todos os transeúndes...


Como de costume. Caí. Tirei os sapatos. Levantei-me. Calcei os sapatos. Apanhei o jornal e lá apanhei o metro seguinte 4 minutos depois...

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Pica-pica


Quem me ouvir dizer que gastei mais de 250€ em vacinas nas últimas semanas vai pensar com certeza que eu estou metida na droga...
É isso e os adesivozinhos nos braços... lindo, lindo!
Egon Schiele, Woman Crouching

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Filha de peixe...

Como qualquer animal-alfa, o meu Pai resolveu revelar a sua faceta de macho dominante cá em casa... Não, não andou a fazer xixi pelo perímetro do apartamento, pátio e jardim, para delimitar o território, mas fez muito melhor.
Paul Klee, Flamboyant Devil

"Esqueceu-se" de um par de calças pendurados logo ali na entrada...


Assim, estou mesmo a ver a cena. Um candidato a qualquer coisa meu entrava aqui em casa para prestar provas, dava com umas calças de homem na entrada e assustava-se logo! (Boa Pai!)


A calça-aviso-de-papai seria tiro e queda para enxotar os "macacos" que entrassem aqui no burgo! Mas como eu sou mesmo filha de peixe, já lhe dei o devido andamento... às calças, claro!





Mas que foi bem pensado e tentado foi!





Atenção! Eu descobri as calças logo no dia seguinte a eles terem-se ido embora, não foi hoje. Só que com tanta maleita a dar azo a posts super interessantes, fez com que guardasse este super tópico para outra ocasião.

Viva o absurdo!*

Como todos sabemos eu sou a rainha do arco da velha, das histórias inverosímeis, das coisas pouco prováveis, dos acasos e dessas coisas todas... Como se estes títulos não me chegassem, assistam só a isto.


Situação: Calíope acaba de dar uma aula privada de português, tenta arrumar as suas tralhitas o mais depressa possível para seguir para uma aula de alemão.


Foto daqui

Toca a campainha. Calíope pensa que os alunos se possam ter esquecido de qualquer coisa, mas não. Era um indivíduo de cabeleira branca e com uma aparência familiar.


Peter O'Tool II [PO'TII] Olá! Eu sou o irmão do Peter O'Tool.
Entretanto que a minha vizinha do lado também estava à porta.
Vizinha: Olá!
Calíope: Olá!
PO'TII: Pois o meu irmão disse-me que batesse aqui à porta para a cumprimentar. Mas eu estava ali a tomar um chá.
Calíope: Ah! E enganou-se na porta.
Vizinha: Não, não
PO'TII: Não, não.
CAlíope: Eu vi logo. São super parecidos!
Vizinha: Que vestido tão giro!
Calíope: Pois é! Obrigado. // Mas o senhor é o irmão que vive em Itália, certo?
Vizinha: É mesmo giro! É de onde?
PO'TII: Sim, sim, em Udine.
Calíope: É uma marca portuguesa.
Vizinha: Mas têm assim tamanhos pequenos?
PO'TII: E o Peter disse-me que passasse por aqui.
Calíope: Lanidor. Escreve-se L-A-N-I-D-O-R. E há tamanhos mais pequenos... isto é um 38.
Vizinha: É que é mesmo giro. E é uma boutique ou uma cadeia de lojas.
Calíope: Pois. Ele esteve cá há 2 semanas mais ou menos e disse-me que o ia visitar.
Vizinha: Cadeia de lojas... mas em Portugal.
PO'TII: Sim, ele veio para cá para me comprar um carro pois eu tenho de transportar imensas coisas.
Calíope: Ah! Foi mesmo azar, pois nem deu para ir tomar uma chávena de chá, pois foi precisamente na semana que os meus pais cá estiveram.
PO'TII: Não faz mal. Mas se for a Londres tem de ligar ao Peter O'Tool.
Calíope: Sim, claro. Mas eu não costumo ir a Londres com tanta frequência.
PO'TII: Pois, eu também não. Por isso é que ele me costuma ir visitar a Itália. Mas eu vou dar-lhe o e-mail dele.
Calíope: Hmm... Eu acho que já tenho. Deixe cá ver. E o senhor é professor também, não é?
PO'TII: Sim, sim de Inglês e Geografia.
Calíope: Tenho o mail sim. Que engraçado, eu também sou professora.
PO'TII: Então eu escrevo aqui o número de telefone dele.
CAlíope: Ok.
PO'TII: A minha mulher também é professora...
Calíope: Pois... este mundo está infestado de professores! Eu dou Cultura Portuguesa.
PO'TII: Os meus alunos são enormes. Muito mais altos do que eu.
Calíope: Então o que é que acha que se passa comigo. Eu estou de saltos agora... Já em Portugal numa escola básica, os miúdos eram bem maiores do que eu!
PO'TII: Ahahhahah! Mas adiante, diga qualquer coisa ao Peter.
Calíope: Digo sim...
PO'TII: Ele disse-me que lhe dissesse que em breve volta a Viena.
Calíope: Óptimo! Eu tenho é de ir indo, pois estava de saída.
PO'TII: Sim, claro.
Calíope: Mas gostei muito de falar consigo. Muito prazer.
PO'TII: Até breve! Eu agora estou aqui a viver na casa da Annalisa.
Calíope: Okok. Então até à próxima! Como se chama mesmo?
PO'TII: Peter. Adeusinho!
Calíope: Adeus Peter! Cumprimentos ao seu irmão!




*ou a Minha Vida dava um Filme Indiano

terça-feira, 21 de julho de 2009

Gajos, pá!

Já que andava mesmo meio hipocondríaca, aproveito a ocasião para me debruçar sobre outra maleita às vezes crónica, às vezes pontual: gajos! (E atenção que não me posso debruçar muito devido à minha lombalgia!!!)



Dei por mim hoje a tricotar estes dois barretes que podem servir em muitas cabeças:

1) O gajo certinho, bonitinho, com quem se casa e tal e que faz tudo e mais alguma coisa por nós. Não tem interesse por quase nada, aborrecemo-nos a falar com ele, a sua previsibilidade como que incomoda. Quase duvidamos que tenha vida própria... pior, desconfiamos que possa ter uma vida pararela e que a máscara perfeita possa ocultar muita imundice.

2) O bon-vivant, giro, que na fotografica fica mesmo bem para mostrar à mãe, de fatinho e tudo e com bom gosto, mas tanto de lábia quanto de mau-caracter. Não dá satisfações, faz quase o que quer de nós e tem um jogo de cintura imbatível. Nós, apanhadas na mesma rede de sempre, dizemos que a partir de agora tudo será diferente... No entanto, gostamos e queremos mais. E se ele voltar a bater à porta, ela abrir-se-á como se nada tivesse acontecido.

Eu não sei... mas diz-me a minha experiência que os paraditos, songos-mongos, panhonhas não conseguem levar a sua muito avante, pois parece-me que do que a gente gosta a curto prazo é mesmo dos feios, porcos e maus.... daqueles com sangue nas veias... não sei, mas acho que sim.

* Este Heathcliff da vida deixou-me doida durante um ano inteiro ou talvez mais e passei a cadeira toda de Literatura Inglesa a tentar provar que ele era uma espécie de herói... mas à sua maneira!

segunda-feira, 20 de julho de 2009

O masseur!

Peço desculpa aos caríssimos leitores de este blogue se estar a tornar num diário de marilu de qualidade duvidosa, mas assim que houver historinhas mais coloridas e para pôr as emoções ao rubro, também serão os primeiros a saber!



Em menos de 5 minutos e quase sem ser preciso de pôr a mão nas minhas ancas carnudas, o fisiatra descobriu que sofro de lombalgia. E para isso tiro e queda: 10 sessões de massagens e outras tantas de ultrassons.



Quando fui marcar as ditas sessões, a assistente teve a amabilidade de me perguntar se poderia ser UM terapeuta (homem) a tratar de mim ou se preferia que fossem só mulheres. Eu meia espantada com a pergunta, retorqui um 'pode ser qualquer coisa', mas depois caí em mim e apercebi-me de que perdi uma grande oportunidade de dizer 'Ah! Se der para escolher que seja dos giros ;)' A partir de quinta, logo verei o que me sai no KinderÜberraschung (= que é o nome original dos nossos KinderSupresas).



No meio disto tudo, claro que eu tratei de ver o lado positivo da coisa... e foram imensos:

1) Andei o dia todo em cima dos meus super sapatinhos e nem um ai de queixa! Acabei de os declarar A compra deste Verão!

2) Com sessões de massagens às 8 da manhã vou ter finalmente motivo para acordar mesmo pela fresca.

3) Com tantas centenas de euros que eu deixo todos os mesmos para as minhas Caixas da Segurança Social (sim, são duas), vou finalmente desfrutar de tão chorudo investimento.

4) Para quem anda sempre à procura de novas actividades de tempos livres, nada mais inovador: idas ao médico com direito a tratamentos. Os cursos de línguas e danças já eram!

domingo, 19 de julho de 2009

A idade não perdoa

Estou a passar uma fase pseudo-hipocondríaca, pois nas últimas semanas não há dia em que não tenha uma maleita nova para me queixar, Mas elas, as maleitas queridas, vão-se revesando, para que eu não me aborreça. Uma listinha breve:

- Tosse (quem me visse iria jurar que fumava pelo menos dois maços por dia)

- Dores das costas (sentia-me mesmo incapacitada, não conseguindo fazer um ângulo de 12oº com a coluna, quanto mais um de 90º)

- Dor num pé (deve ter sido das danças)

- Diagnóstico de alergia ao pó

- Dores de cabeça (parece mania de dondoca que não tem mais com que se entreter... mas mesmo assim fui ao cinema ver o Life and Death do Woody Allen)

- Dedo inchado (melgas e mosquitos por todo o lado é o que dá... mas teria sido capaz de jurar que o meu polegar iria explodir)

- Olho vermelho (pois não sei, não devia ser das lentes, pois já a tirei há mais de 24h e o olho continua assim ao rubro)


Amanhã tenho consulta num fisiatra... estou mesmo a ver que me irá recomendar umas massagens ou uma fisioterapia qualquer.





Lado positivo da coisa: posso estar podre, mas a cabeça ainda vai funcionando!

sábado, 18 de julho de 2009

Resistência

Ontem depois de ter sabido que tinha alergia ao pó quase me confortei numa sapataria com uns sapatos que não pararam de olhar para mim até que eu lhes desse um pouco de atenção. Mas a provocação não se ficou por aí... eram o meu número e estavam em saldos... e mais! Eram completamente diferente de todos os sapatos que eu tenho.


Mas eu bem-comportada e responsável pensei que tenho sapatos suficientes para duas vidas e que sendo os sapatos tão diferentes de tudo o que eu tenho, seriam difíceis de combinar com alguma coisa. Além do mais, nem sequer havia mala a combinar.


Fui para casa rapidamente e de mãos vazias.


Contei o episódio a três pessoas que me responderam com um incompreendido 'Então porque é que não os trouxeste?'


24 horas depois e tendo batido o nariz na porta da piscina... fiquei com umas horitas vagas nos meus apertados horários e eis que palmilhei meia cidade para fingir que ia encontrar qualquer coisa que me iria fazer esquecer os sapatitos. 2 horas depois com muitos quilómetros em cima dos quase 10 centímetros de plataforma e 30ºC, entrei na mesma loja de ontem.


Pego nos sapatos e oiço "Calíope!". Não, não era Deus a chamar-me para uma carreira religiosa, mas sim uma conhecida lituana, a quem tratei de perguntar o que achava dos sapatos. E ela não se fez de rogada: "São super giros e dá para combinar com montes de cores e tu tens de calçar mesmo esse tipo de sapato na faculdade... vá leva!"


Depois desta opinião completamente imparcial e mais 100 passos pela sapataria toda. Cá estão eles lindinhos nos meus pezitos de Cinderela!

quinta-feira, 16 de julho de 2009

A mulher de César...

Hoje de manhã no consulado:

Funcionário: Há quanto tempo está cá?

Calíope: Há 6 anos e meio...

Funcionário: E casou e veio para cá trabalhar?

Calíope: Não! Gostei da cidade e vim para cá trabalhar...



Hoje de tarde no consultório médico:

Funcionária: Tem o seu e-card?

Calíope: Está aqui.

Funcionária: Qual é a caixa que quer usar.

Calíope: Qualquer uma...

Funcionária: Onde é que trabalham os seus pais?

Calíope (incrédula): Os meus pais?

Funcionário (que deveria querer ajudar): Onde trabalha o seu marido?

Calíope: Quem?!! Como assim?

Funcionária: Então tem a segurança social através de quem?

Calíope (ainda mais incrédula): Através de mim mesma... eu trabalho... Sou professora. Ponha na caixa de Viena.

Funcionário: Na Universidade das Crianças?

Funcionária: Aguarde ali na sala, sff.



Duas destas no mesmo dia é dose... Vou ver se decoro uma definição de mulher emancipada, independente com sucesso e sem rugas para esfregar na cara de mentes raquíticas destas... Realmente...

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Desconfio que Viena encantou o meu Pai


Pai: Então, depois quando eu vier em Outubro...

Calíope: Vens cá em Outubro?!! Não era em Dezembro?

Pai: Sim, em Outubro...

Calíope: Mas em Outubro a Mãe não tem férias... Vinhas sozinho?

Pai: Então? Eu oriento-me aqui bem. Só tens de apontar num papel como é que venho do aeroporto, pois até Outubro já não me lembro.

Calíope: Mas ó Pai, em Outubro eu começo com as aulas da faculdade e nas escolinhas... E vou começar a ter aulas do Doutoramento e a Pós-Graduação continua em Setembro...

Pai: Mas eu não preciso de ti! Tu vais trabalhar e eu vou dar umas voltas! Se a Caju consegue andar aqui sozinha, eu também!

Calíope: Durante o ano lectivo eu tenho mesmo muito trabalho e não dá para ir passear ou estar a fazer comida...

Pai: Não faz mal. Quando tu voltares, vamos comer fora. Vamos jantar fora todos os dias!

Calíope: Hmm... está bem.

Pai: Vê lá na net se encontras um voo em conta!


Entretanto já conversámos melhor e eles só devem vir em conjunto e em Dezembro, pelo Natal, como estava previsto.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Meet the parents

Margrit Freyt, Eltern mit Kind
Com mamãe e papai cá no burgo sobra pouco tempo para me dedicar às minhas lides bloguistas. Que me desculpem os leitores assíduos, mas ocasiões destas são tipo quando-o-rei-faz-anos (mesmo que eles não tenham reparado que há diferenças em mim nos últimos 20 anos e continue a ouvir sequências destas: Calíope, puxa-as-calças-para-cima-e-a-camisola-para-baixo-olha-tens-o-nariz-sujo-limpa-o-nariz-não-queres-um-lenço-põe-as-costas-direitas-leva-o-guarda-chuva-etc-etc), por isso, aguardem mais uns diazitos e tudo voltará à normalidade.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Movimentos curvilíneos

No meio de um temporal diluviano, eis-me bela e serena debaixo do meu guarda-chuva à procura do 'ginásio', onde hoje comecei com a dança oriental/dança do ventre.


Parece que ainda não será desta que farei concorrência à Shakira, mas vou aplicar-me.



Catherine March, Oriental Dance

Ao ver as minhas colegas de turma o entusiasmo digamos que diminui um pouco. Havia umas 4 ou 5 senhoras para cima dos 55 anos e as outras duas 'mais novas' vieram fazer o curso porque estão de licença de maternidade e queriam fazer qualquer coisa fora de casa...

A professora, que também não vai para nova, também tem o que se lhe diga. Como é que alguém que faz dança há 16 anos, supostamente com uns 10 cursos por semana, tem um estômago e uma barriga roliça e flácida daquelas?

Pois não sei. Mexer, ela mexe-se e bem e eu de certeza que não faço melhor, mas não sei não...

domingo, 5 de julho de 2009

What is your name?

Charles Leslie, The Christening of Victoria

Assunto que dá sempre pano para mangas é o nome das pessoas, em Portugal a legislação não dá muito espaço de manobra (pensava eu), uma vez que há uma lista predefinida de nomes portugueses de onde os pais podem escolher o nome a dar às suas crianças.
Há muito que eu sabia da existência desta lista, mas hoje por obra do acaso tive acesso à mesma. Confesso que só cheguei a ler até à letra D, mas as surpresas já são mais do que muitas. Uma menina pode chamar-se Cinderela ou Carstra, mas não Catália ou Catiana...

Pelos vistos, ainda não houve ninguém que se tenha lembrado de Calíope, pois não consta da listinha-maravilha....


Surpreendam-se ainda mais aqui!

sábado, 4 de julho de 2009

Uma pessoa distrai-se... e dá nisto!

A partir de agora está mais ou menos decidido que parte dos meus fins-de-semana será dedicado ao estudo de alemão e à leitura de bibliografia para a minha futura tese. Facilmente se conjuga as duas coisas, lendo bibliografia em alemão...


Isto hoje não correu especialmente bem porque depois das compras da semana, fui comprar dossiers para arquivar a papelada residente na minha secretária. Por distração, entrei numa série de lojas repletas de gente movidas pela razão do que eu: SALDOS!!!! Lojas cheias de gente. Pessoas a pescar peças de roupa. Filas intermináveis para os provadores e para a caixa. A minha resistência para estas coisas é q.b. mas 70% conferem-me sempre uma margem de manobra mais larga. Voltei para casa com dois sacos (porque sou uma pessoa comedida e não quis trazer os outros 4 vestidos que experimentei e até me ficavam muito bem), já me doiam os pés e por isso nem quis saber mais dos dossiers.
De noite fui petiscar com uma amiga e depois fomos ao concerto de Solomon Bruke.
A ver se amanhã o dia rende mais... intelectualmente falando!

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Conversas soltas XXIV

Eu e mais uns amigos fomos convidados a ir jantar hoje a casa de um outro.


Eu: Vais ao jantar na 4a, certo?

Espanhol: Sim, sim. Podíamos levar qualquer coisa...

Italiano: Sim, eu tinha pensado em levar vinho, mas não um francês para eles começarem com coisas!

Espanhol: Ah! Então eu levo umas cervejas. E tu?

Eu: Não sei... talvez leve flores.

Espanhol: Flores?!!!!

Espanhol e Italiano: AHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHA

Eu: Do que é que se estão a rir?

Italiano: Flores?!

Espanhol: Flores para quê?

E a risota continuou.


Será que é completamente inconcebível para os gajos em geral que se possa oferecer flores? Eu ainda tentei explicar que como gostava de receber, também gostava de dar. Mantenho-me na minha e já comprei um ramo de flores, mas por via das dúvidas levo um vinho a acompanhar.