segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Até para o ano!

Se alguém der por falta de mim, estou na Holanda.

Mudar de casa


Uma ameaça ou uma oportunidade?


domingo, 27 de dezembro de 2009

Sagrada família


De acordo com um telejornal da SIC, o sermão da missa de Natal do bispo do Porto passava pela observação atenta do presépio. Ele dizia qualquer coisa como: "bastava olhar para o presépio que está tudo lá!".

Fiquei a pensar nisso.

Presépio

Hoje, enquanto ouvia a homília do padre daqui sobre o dia da família, apercebi-me de algo extraordinário: Jesus deve ter sido o primeiro a ter oficialmente dois pais: Deus e S. José. O facto parace não incomodar os defensores da 'família tradicional'. Afinal o bispo tinha mesmo razão. Está lá mesmo tudo no presépio.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

A carreira que me passou ao lado

Com o meu pai cá no burgo, há conversas do arco da velha.

Pai - Calíope, onde tens a caixa de ferramentas?
Calíope - Está na despensa, na prateleira do meio.
Pai (umas horas depois) - Onde?
Calíope - É uma caixa de sapatos, Pai. Das pequenas.
Pai - É só isto? Só tens uma caixa de ferramentas?
Calíope - Não. Tenho uma outra, do mesmo tamanho...
Pai - Não tens um conjunto de chaves de bocas?
Calíope - Hmm... Acho que não.
Pai - Ah! Então ainda bem que eu te trouxe um set... e com chaves de todos os tamanhos!

Mais tarde.



segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Frentes frias

A temperatura desce e é o caos no tráfego aéreo. O meu pai e a minha mãe conseguiram ver os seus voos alterados por 4 ou 5 vezes, entre overbooking, voos cancelados, atraso do primeiro voo que lhes impediu apanharem o segundo e muitas horas de espera. Foram mais de 14 horas que caminho que se estendeu de porta a porta. A sorte é que até moramos perto do aeroporto em Lisboa e que a minha casa aqui em Viena também é bastante central. Se vivessem em Tomar e eu em Krems, podíamos ter de acrescentar mais umas 4 horas à brincadeira.
daqui

Em 14 horas bem que podiam ter ido para um destino mais quentinho... apesar de chegar a Viena com -12ºC ser bastante agradável!!!
Para quando um voo directo entre Lisboa e Viena, pode-se saber?

sábado, 19 de dezembro de 2009

Linguagem corporal

Ando aqui o dia todo entretida a escrever um ensaio sobre fotografia com o mínimo de 5 páginas (o número mínimo de caracteres está estipulado também para que não haja espertinhos a escrever com fonte 20) e acabei de descobrir esta fantástica frase:


Dançar significa, escreve José Gil, confundir o léxico com a gramática, de tal modo que os gestos não reenviam a nenhum sentido fora dos movimentos corporais. Flutuação e ritmo onde, de um sopro a outro, passa um corpo. Com espaço próprio que é o dos gestos e um tempo incorporado, libertação antes de tudo, a dança representa para todos nós, constrangidos nos limites do verbal, a inteligência do corpo.


daqui e daqui


"Flutuação e ritmo onde, de um sopro a outro, passa um corpo"?!! Não sei quem é o sr. José Gil, mas se alguém o conhecer, pergunte-lhe o que quer dizer com isto.


De resto acho que até concordo...

Aquecimento central

Face às temperaturas negativas lá fora o que menos apetece fazer é sair. Mesmo assim, peguei em mim ontem e fui a uma festa de samba...

Ritmos quentes numa noite gelada: combinação perfeita.

Os ritmos brasileiros são contagiantes independentemente de serem mais popularuchos ou eruditos. E se calhar deve ser do melhor que o Brasil exporta.
Eu já nem me lembrava que sabia sambar (só com a perna direita, mas isso são pormenores), mas sambei que sambei e soube-me mesmo a abacaxi!

E pela primeira vez apercebi-me de que já estou à espera do Carnaval!!!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Trilhos

Nos últimos tempos tenho justificado muitas quebras de contacto com os caminhos da vida que se separam com o decurso do tempo.

Justificação fácil apesar de com a passagem dos anos ser cada vez mais difícil manter pararelos muitos caminhos. Aos que palmilham o respectivo trilho é requerido esforço e interesse em acompanhar os ditos caminhos pararelos. Não é impossível, mas trabalhoso. Fontes de distracção diversas podem fazer com que um vire à esquerda e outro à direita e, lá está, os caminhos outrora unidos separaram-se.

Triste.

No entanto, regozijo-me hoje ao saber que lá à frente também há um novo cruzamento ou até uma rotunda onde estes mesmos dois caminhos se voltam a cruzar.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Agora vou passar a cheirar a cavalo em sinal de protesto

O meu perfume de Inverno dos últimos anos acabou (era o segundo frasco). Não o encontrei no free shop de cá nem de Frankfurt. (À hora que embarquei na Portela as lojas estavam fechadas) Hoje comecei a busca por cá mesmo e surpreendam-se... foi cancelada a produção do melhor perfume de Inverno de todos os tempos.

Já não há mais Sensi do Emporio Armani para ninguém... Como será possível?!

Se alguém por casualidade do destino encontrar um frasquito perdido numa prateleira qualquer, teria a amabilidade de mo avisar? Muito agradecida.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Allahu Akbar!

Estive o fim-de-semana semi-enclausurada a ler compulsivamente... Ok, também saí para umas actividades sociais, no entanto, as minhas tarefas domésticas e profissionais foram atiradas todas para canto, porque eu queria ler mais e saber mais e essas coisas todas. Consegui acabá-lo ontem.

O tema é polémico mas interessa-me: islão.

Pela primeira vez na vida, resolvi manifestar-me a um autor de um livro lido. O e-mail foi longo relatando factos que me impressionaram no livro, bem como questões que valiam a pena ser exploradas e ainda dei-me ao luxo de fazer uma sugestão: 7 parágrafos!

Em menos de uma hora tinha uma resposta (que só vi agora) e que não era automática.

Obrigado, José Rodrigues dos Santos!

domingo, 13 de dezembro de 2009

Teria coragem de viver um Natal sem compras?*

Há muitas coisas que não percebo e uma delas é o súbito consumismo desenfreado na quadra natalícia. Não percebo, não gosto, não pactuo e condeno-o.

O medo da rejeição social, a explosão da sociedade de consumo, a entrada das mulheres-mães-avós no mercado de trabalho e a competição profissional empurram-nos lojas adentro. Não há tempo. É obrigatório não falhar: as crianças querem a mais recente consola, os adultos não perdoam um presente disfarçado de caro, sob pena de se sentirem desvalorizados. São valores virados do avesso. Somos mais vazios hoje e, por isso, compramos mais. Eis o Natal contemporâneo.

Poupem-me! O Natal 'a sério' deveria ser outra coisa...

O problema adensa-se quando não há tempo para concretizar intenções. A psicóloga clínica Ana Queiroz aponta a falta de tempo como uma das razões para a perda do sentido de família do Natal a favor do Natal do consumo frenético. "Hoje a família inteira já não pode reunir-se durante 15 dias, cozinhar os doces em casa, fazer os próprios postais".

Perdeu-se a receita tradicional das rabanadas, há torres empilhadas de bolos-rei nos supermercados, os presentes que já estiverem embrulhados e prontos a levar têm prioridade, há gente sem fim a acotovelar-se junto às caixas registadoras. Em suma, "perdeu-se o verdadeiro espírito natalício - estar disponível para as pessoas, ser solidário", lembra Ana Queiroz.


Há uns anos disse aos meus amigos que não me dessem prendas, acrescentando que de mim também não receberiam nada, pois não precisam nem de meias, nem de velas e se precisassem, não ficariam à espera da minha doação. O dinheiro dessas quinquilharias encaminhei em forma de bolsa de estudos para uma associação de solidariedade social, não só em Dezembro, mas ao longo do ano. Afinal o Natal é quando o Homem quiser.

*O artigo completo do JN está disponível aqui.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Ossos do ofício

O facto de morar numa perpendicular da rua mais comercial de Viena, ou seja, da rua mais comercial da Áustria, não é a melhor coisa na quadra natalícia. Uma pessoa quer ir fazer as compras da semana e tem de se acotovelar com os outros 23.452.434 transeúndes e com os seus respectivos 564.754.321 de sacos e pacotes e decorações parvas. Para facilitar as coisas, a edilidade fecha a rua ao trânsito durante os fins-de-semana do Advento. conseguindo assim acumular ainda mais pessoas. Eu já não aprecio este corropio sazonal, mas ter sempre pelo menos 10 pessoas à minha frente para os provadores ou para a caixa é completamente insuportável. Um vestido, uma camisola e quase 3 horas depois, segui direitinha para o supermercado para apetrechar o meu frigorífico para a semana.

Ai! Esqueci-me de mencionar a cereja no bolo das coisas intragáveis desta quadra: a música. Todas as lojas tocam o mesmo. Se eu ouvir mais uma vez o Last Christmas dos Wham ou uma outra que detesto ainda mais, não me responsabilizo pelos meus actos!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Esqueçam lá

aquilo que eu disse no post anterior.

Acabei de ler tudo o que precisava de saber para estar em paz com a minha consciência naïve, rancorosa e com dificuldades de ver cinzentos.

"A generosidade compensa mais do que o egoísmo, ou seja, são conferidas vantagens evolutivas aos seres com comportamentos altruístas."

Gerações futuras, agradeçam aos meus genes generosos e se entretanto quiserem, leiam tudo aqui!

Se calhar sou mesmo naïve, mas menos rancorosa...

A minha dificuldade de ver cinzentos tem-me atrapalhado o raciocínio. Não era bom que as coisas fossem pretas ou brancas para a gente se orientar melhor? Eu acho que sim, mas ao mesmo tempo caracterizo-me frequentemente como Humpty Dumpty, nem me identifico com um lado nem com o outro do muro... talvez um bocadinho dos dois, não sei.


Jenn Maynard, Humpty Dumpty

As pessoas não são planas, não há os bons, só bons, nem os maus, só maus. A versatilidade, cuja apologia eu tanto faço, pode também não ser positiva...

Há várias caras, distintas máscaras que se usam mediante a situação... e eu também terei de fazer uso delas, caso contrário arrisco-me a cair do muro.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Epá, se eles são felizes assim...*

(Acabadinha de vir do cinema)

Acasos misturados com coincidências.
Sorte chocalhada com casualidade.
Pessimismo amassado com arrogância.
Ingenuidade polvilhada com sarcasmo do bom.
Whatever Works...
É como for, mas
Woody Allen porque sim!



*Desconheço a tradução portuguesa de Whatever Works, mas se fosse eu a tradutora encarregada, esta seria a minha escolha.

Um ponchito para a mesa da janela!

As mesclagem das estações que eu não consigo bem distrinçar em Viena não me impedem de ter reparado numa outra coisa igualmente sazonal e simplesmente adorável. Aqui há época de tudo: Junho é espargos, Setembro Sturm, Outubro abóbora e Novembro ganso com couve roxa, etc. etc. etc. E eu adiro, claro está!
Agora em pleno Advento, a quadra e o frio pedem mesmo por algo quente que nos aqueça o corpo e nos acalente a alma: eis o sucesso do ponche!
Eu completamente aficionada por estas tradições sazonais já devo ter bebido litros de ponche neste ano. Hoje cheguei a casa com os pés transformados em pedras de gelo, mas isso são pormenores. Esta gente daqui é fria, mas arranja mil razões para confraternizar! E com certeza que nas 3 semanas que faltam ainda fluiram muitos mais líquidos.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Anedota

Às vezes passa-se qualquer coisa que me faz crer que a minha vida é miserável.
Felizmente muitas outras vezes, tenho a certeza que tenho um luxo de vida.


Hoje é um dia de cruzamento e resolvi fazer pouco das situações ridículas que também compõem a minha vida de luxo.

Rir faz sempre bem e então estou a tentar criar uma anedota que comece assim:

Um espanhol que vive em Madrid, um suíço que vive em Loumé (Togo) e inglês que vive em Viena estão numa fila...



Ainda não sei como terminar a petite anecdote, mas estou divertidíssima a imaginar as personagens.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Esclarecimento

O caríssimo leitor, sempre atento e alerta, deve ter reparado nos meus silêncios e consequente ausência. Aqui fica o meu pedido de desculpas pela falta de tempo e especialmente pelo imenso cansaço que me tem assombrado. Bem que preferia ter estado neste últimos dias numa praia do Índico, mas não, cá estou em Viena a trabalhar, a socializar um bocadito e a (tentar) resolver os meus dramas mentais.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Fim-de-semana em Lisboa

Não foi tour.

Não deu para chill out.

Mas vá lá, foi a minha última presença em 2009 em Lisboa.

Ainda não é Inverno, mas a brisazinha marítima já se faz sentir.

E eu mesmo adoentada mantenho os meus altos níveis de perspicácia. Não é o bacalhau o melhor amigo dos portugueses. O melhor amigo dos portugueses residentes em Portugal entre Novembro e Março é mesmo qualquer tipo de peça (desde a camisola ao lençol) de material polar.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Mulher prevenida

Se ontem não tivesse pegado numa pinça e arrancado uns pelos atrevidos que cresceram sem autorização nas minhas sobrancelhas, hoje ter-me-ia arriscado a que o motorista do carro que aluguei para me levar ao aeroporto às 04:30 (!!!) (vulgo taxista do táxi) tivesse as sobrancelhas mais arranjadas do que as minhas... (não que as minhas sejam especiais de corrida, mas tínhamos pelo menos um X de diferença...)

Acho que nunca tinha visto um chauffeur de sobrancelha arranjada... e à hora que foi, bem que me questionei se íamos para Schweschat ou para uma qualquer Drag-Queen-Party.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Repetições



Os padrões repetem-se e eu insisto em querer ver algo completamente diferente. Assim é um bocado difícil ganhar calo...

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Caju ao sol

Tenho uma leve suspeita sobre os filhos únicos. Julgo que deve ser triste não ter ninguém com quem brincar.


Há precisamente 30 anos que tenho uma irmã e desconfio que se ela não tivesse aparecido no meu reininho, a minha vida teria sido muito mais triste e que eu seria uma pessoa pior.

daqui

Muitos mais anos e radiantes raios de sol, Caju! E chilli também que eu estarei na festa!

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Fashion icon ou simplesmente muito estilosa :)


Fui abordada enquanto esperava pelo metro no regresso das aulas por uma senhora fotógrafa que me disse que gostaria que o meu ar estiloso constasse do seu site...

E eu incrédula: 'Desculpe?'

Ela explicou que gostou do meu estilo (o que quer que isso seja) e que tinha um site de fotos. Que eu o visse e a contactasse se estivesse interessada.



Portanto se as situações mais estapafúrdias voltaram a vir na minha direcção, quer dizer que a minha vida voltou ao normal!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Privatissimum

Apesar do meu processo de matrícula no doutoramento estar a ser mais moroso do que o desejado, já ando a frequentar as aulas desde o princípio do semestre. Ah! Não são aulas, são privatissimi! ;)
A apresentação de hoje coube a uma colega, que parecia um cruzamento de uma versão loira do Ozzy Osborne com uma menina ali da Hutteldorferstrasse. Ela discorria sobre o gascão (a língua da Gasconha) e é a interrompida pelo meu futuro orientador que a corrige na sua pronúncia... dos termos em gascão!!! Este mesmo senhor ficou bastante pensativo quando eu lhe disse que idealmente gostaria de escrever a minha tese em português. Até ao fim do privatissimum, o letrado professor ainda nos brindou com muitas expressões em catalão e outras tantas que eu desconfio serem em occitano!!!

Festa da Lusofonia!

Ontem houve festa da lusofonia e por muito que me esforçasse nunca esperaria ver um tugo-tipo a tocar um órgão com aqueles ritmos, apresentando a sua própria versão de 'Saudade' de Cesária Verde. A mim soou-me a kisomba, mas não sei bem se era esse o som que ele queria emitir. (O mesmo tipo obrigou os presentes à laia de encore a cantar Ó rama ó que linda rama...)

Adiante, eu fui com o intuito de engrossar as fileiras da assistência e logo a organizadora me incumbiu de ler um poema. Eu aceitei... e quando li o dito, achei que se calhar não tinha sido mera coincidência.

Lição de casa

O menino não aprendia a palavra amor. Não tinha jeito.
Então a professora mandou-o encher todas as folhas do
caderno com amor, amor, amor,
Chegou o dia da prova e
o menino escreveu
roma
Riscou e reescreveu

mora
Rabiscou e tentou de novo
Borrou tudo, não teve mais espaço
para escrever. Tirou zero e foi
reprovado. Aí percebeu:

quem erra muito no amor
vive aborrecido.
Maria Angélica de Oliveira in Histórias de Crocodilos

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Corações solitários*

Contexto: Sexta-feira à noite, petiscada em minha casa.
Personagens: Os convivas já se tinham ido embora à excepção de um que já se tinha chegado à porta duas vezes e por duas vezes voltado com a desculpa 'Bebemos mais um copo?'

Copos: Já estavam 3 garrafas vazias no chão e eu como boa anfitriã abri mais uma.
A frase: Tu estás sozinha eu estou sozinho...


Não sei se era para eu completar. Eu estava sóbria e perdida de riso. O conviva já tinha bebido mais uma do que a conta e como que dançava à minha frente... não percebi se era para completar o ramalhete. Hilário!


*Vi este título num blogue por aí e achei-o tão mau, que o guardei bem guardadinho até eu própria arranjar um momento que condizesse com o título. The time is come!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Borbi (will be) in the house!



Tenho a certeza de que em alguma cultura do mundo a borboleta será um bom augúrio para tudo e alguma coisa. Se não for, passa a ser pelo menos aqui no burgo!

O borbi-pano da loiça, os borbi-serviço de jantar e de café, a borbi-pseudo-cortina e até o borbi-papel higiénico estão prontos para uma espontânea recepção à ainda mais espontânea vinda da Borbi.

Decidademente as boas brisas voltaram a bafejar-me... e eu estranhamente cantarolo pela rua!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Tenho prioridade?

Nem nos meus delírios consigo ir para onde quero. Queria Bombaim e hoje dei por mim em Moçambique...

O dia acabou melhor do que começou. Antes assim. Se começou com pesadelos de inundações dentro de casa, acabou com docinhos moçambicanos de batata doce, passando por algumas luzinhas em vários dos meus túneis.


Malangatanga, O Céu



Ai! Acho que se sobreviver e conseguir passar estes túneis mantendo-me numa peça só, vou enriquecer o meu estofo de vida vivida e a minha bagagem de problemas superados com uns bons 20kg (não pode ser mais porque eu só carrego 20kg arrastando e obviamente não estou disposta a pagar excesso de bagagem!)





Estou no semáforo intermitente, mas a minha vez vem aí.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Take me to Bombay...


Há coisas do arco da velha em que nem vale a pena pensar muito (tipo descontarem-me meses de ordenado depois de ter estado a dar as respectivas aulas...), por isso que venha um ginito (a estas horas só metaforicamente está claro!) a ver se me ajuda a concentrar em coisas que realmente interessam!
... ou para outro sítio qualquer que eu até já nem estou esquisitinha, mas se der para escolher agradeço! :)

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

A frase do dia


Du bist ein Schmuck von Frau!

daqui

Foi o que me disseram hoje e foi de imediato eleita a frase do dia, conseguindo entrada directa para o 2º lugar do pódio das melhores frases de sempre a mim endereçadas.

Schmuck significa mais ou menos isto: objecto de adorno, pedra preciosa, prenda (de adorno moral).

domingo, 8 de novembro de 2009

Diálogo interreligioso

Tal como acho que as famílias ideais deveriam ser bi ou trilingues, também julgo que a pluri-religiosidade é um passo fundamental para uma sociedade mais tolerante.
Em termos linguísticos tenho-me esmerado nestes últimos anos. Neste fim-de-semana foi-me lançado o convite para me debruçar sobre o campo religioso. Este tipo de desafio tem sempre muito boa receptividade da minha parte, por isso juntei-me a uns amigos evangélicos ou protestantes (eles próprios não têm a certeza) e lá fomos celebrar o Remembrance Day da Igreja Anglicana. Apesar de esta ter sido uma celebração festiva, com fardas, medalhas, cornetas e coroada com um 'God Save the Queen'. Eu estive com atenção nos níveis máximos durante todo o evento, que ia alternando entre a aula de história e a missa de domigo!

Acabámos na residência do embaixador britânico a tomar uns drinks e a comer uns snacks!

Dízimo

No outro dia fui acusada por um conhecido meu por não ter declarado a minha religião aquando do meu registo de residência na Áustria. Acho que a religião é uma coisa pessoal, talvez intransmissível, e com certeza onde o Estado não tem de meter o bedelho. Mesmo o devido campo para preenchimento na declaração de residência, não me coibiram de o deixar em branco. Se o Estado quer saber que Deus venero, não quererá saber também quem dorme na minha cama e qual o meu número de sapatos e quantos pares de calçado tenho em casa?

Fui quase cruxificada por este conhecido que primeiro dizia que é indecoroso os paizinhos batizarem as criancinhas contra a vontade das próprias e depois me dizia que 'eles' viriam cá a casa confiscar-me tudo quando se apercebessem que eu até tenho religião e que não o confessei ao Estado...


Há muita coisa, mesmo muito que eu gosto cá na Áustria, mas não consigo perceber esta promiscuidade entre Estado e Igreja. Eu não vivo na Idade Média. Por isso também não acredito que vou comprar uma nuvenzinha simpática com jacuzzis de água quente e uma vista jeitosa com determinados pseudo-obrigações tributárias.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Página virada



Parece que já terminei o terceiro capítulo. Uff! Já estava farta... Vamos lá para o quarto, que me parece bem mais promissor!

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Ensinar o Pai-Nosso ao padre

Juan Gris, The Open Window

Resolvi pregar na minha própria paróquia e animar-me com as palavras que tento acalantar espíritos alheios. Deus fecha uma porta (ou duas ou três) e abre duas (ou três ou quatro) janelas, para ter a certeza que damos com elas todas!

Henri Matisse, Open Window (Achei esta janela fantástica pois em vez de ver veleiros e respectivos mastros como o mais comum dos mortais, não. Vejo sapatos de salto alto com aquela coisa que se mete no sapato para os manter direitinhos...)



Estas maleitas fazem(fizeram)-me vergar, mas não me quebram!





Eis as minhas janelas!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

31 magnético

Ainda não fez uma semana que tenho 31 anos e já tenho maleitas para dar e vender.


Desde a semana passada que estou adoentada. Na quinta-feira soube que uma das minhas aulas da faculdade foi cancelada JÁ este semestre... Eu ainda não fui oficialmente informada, mas há um mês que tenho estado a leccioná-la... Hoje outro baque. O meu pedido para ingresso num curso de doutoramento foi rejeitado. Para acabar bem o dia claro que tinha de ter novidades dos amigos das finanças. Ainda não paguei a conta que veio há coisa de semanas, mas já tenho mais para pagar. Nem o Sportingzinho me tem valido....


Espero que este concentrado de maus fígados vá pelo cano abaixo o mais depressa possível que eu não aguento tanta pancada.


Amanhã há reunião da faculdade, o que já por si é bastante prometedor!

domingo, 1 de novembro de 2009

Não são lindos?



É só para não pensarem que eu sou uma galdéria ;)

Contemplada!


Não foi um... foram dois!!! E mais, tive direito também aos brincos da princesa! :)

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Mega-rave-sun-dance-parade-party-mix

Keith Mallett, At the top


Sempre achei que as minhas festas eram grandes eventos sociais. Sempre achei isso porque afinal sou mais do que egocêntrica. Mas afinal, olhando para umbigos alheios, apercebo-me do que as minhas festas são muito mais do que festas, ao longo dos últimos anos têm adquirido um contorno de blind-date (não para a aniversariante).
Em 2007 em Viena, foi um colega eslovaco e uma conhecida búlgara convidada à última da hora porque era room-mate de uma amiga minha. Ontem fui visitar o primeiro rebento de mês e meio que chorou a bom chorar assim que se viu no meu colo.
Também ontem soube que afinal a festa de 2008 em Lisboa também foi bastante frutuosa. Parece que a minha colega da preparatória e o meu colega do antigo curso de alemão do Cambridge se entenderam melhor do que seria esperado…
A minha festa 2009 é hoje. A ver vamos quem serão os emparelhados de hoje!

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

A diva agradece...


Pai, Mãe, Nita, Carla (prima), Susana, Frouckje, Tia Dina, Anna (Madsen), Silvia, Renata, Carlos (Gimli), Leninha, Marco (primo), João, Carla (fac), (Carla) Sofia, Carlos, André, Nuno (Trader), Magda, Stephan, Francesc, Kevin, Monika, Antoine, Filip, Judith, Claudia, Branko, Mónica, Miguel (Mateo), Raquel, Anissa, Francis, Simon, Franco, Asja, Juraj, Pepe, Ana (Soares), Pedro (Santos), Emílio, Adriana, Daniel (muchacho), Sílvio, Miguel (8ºD), Tânia, Elena, Maria, Rosanne, Anna (Auer), Marco (Homberg), Ziva, Rita (Jordão), John, Gwen, Dora, Beta, Tia Joaquina, Dulce, Paulo (Cambridge), Paco, Estela, Isabella, Cipereira, Pedro (Quaresma), Sandra, Sónia (ex-Carlos), Rita (Borgas), Iva, Lucía, Ana Cláudia, Gisela, Martina, Lena, Peter, Luís Francisco, Vítor (primo), Célia, Cristian.


Retribuo-vos com uma vénia!
Keith Mallett, Soul's Awakening

terça-feira, 27 de outubro de 2009

O 31!



Keith Mallett
Celebration
Quando o presente dia for igual a qualquer outro dia do ano algo estará muitíssimo podre no Reino da Dinamarca....

Parabéns a mim que faço anos! E que este seja um grande 31!
Keith Mallett
Soul's Flight

Telefonemas medievais

Este é o resumo de 3 minutos e 27 segundos de conversa/monólogo. (Possivelmente o telefonema mais curioso do dia)


Tia: Parabéns!
Calíope: Obrigado.
Tia: Quantos anos?
Calíope: 31
Tia: 31?!! E não arranjas um pretendente? É que os anos vão passando… Mas tu não tens amigos? De certeza que tens pretendente… Eu quero comer bolo e daquele grande… Vê lá se não arranjas alguém. É que o teu pai e a tua mãe querem um netinho… Tu tens amigos de certeza. Vê lá… O tempo não pára e depois…
Calíope: Todos os anos me dizes o mesmo…
Tia: Pois digo. Ainda não vi melhoria nenhuma. Não tens mesmo pretendente nenhum? Até deves ter e dás-lhe pontapés… Não pode ser assim… As tuas amigas estão todas casadas e tu não. Tens de te casar também. Não podes ficar para trás!
Calíope: Mas és tu quem está preocupada com isso, eu não.
Tia: Mas tens de estar, pois os anos passam e eu também quero um netinho…
Calíope: E porque não tens esta conversa com o teu filho?
Tia: Ele é muito novo. Ainda está a estudar. Mas olha a próxima vez que vieres cá tens de trazer alguém para nos apresentar. E não te preocupes que eu também só me casei com 37. Há-de aparecer alguém de certeza...



daqui



Como é possível explicar a pessoas destas que eu não tenho aspirações a dona-de-casa?

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Casi en directo de Madrid...


Termino mis emocionatísimos 30 años a hablar así.

Me transformé así en un mutante que se puede describir como un “Vasco Lourinho encuentra Paulo Bento”. Estuve dos dias intensivos a hablar castellano y ahora tengo ese acento com esa musicalidade muy propia de nuestros hermanos.

Podria acabar mis 30 años más contenta? No, creo que no.

Bueno… pues que me gustaria de volver a hablar portugués y aleman sin esa guapísima musicalidad…

Em cima do salto XIV

Aquela minha suspeita do outro dia (estou a tornar-me adulta) começa a tornar-se perigosamente real.

Entre a perspectiva de um bom amigo e de um amante sofrível em potência, parece-me que estou a tender para o primeiro.

Elena Feliciano, Forget Me Not Stiletto


Será isto a sensatez? Se sim, não tenho a certeza se quero mais... Mas para já não estou disposta a estragar tudo por um pedaço de carne!

domingo, 25 de outubro de 2009

Terminal de chegadas

A vida vale a pena ser vivida porque ela troca-nos sempre as voltas todas, imprimindo o factor surpresa quando a gente menos espera. Tanto há fome como chega fartura, meio termo é que parece escassear. As contas da minha vida hoje estão mais complicadas do que ontem, quando por alguma razão achei que tinha a solução para a fome, vendo um meio termo plausível no fim do túnel. O meio termo hoje transformou-se numa fracção de segundos em fartura...

daqui


Se pudesse prever a minha vida, não seria nada assim, mas possivelmente não teria metade da piada.

Vamos lá ver o que é que amanhã me reserva e o que de lá virá. Para já, chegou-me uma horita extra de sono!

sábado, 24 de outubro de 2009

Electrizada


Estou radiante da vida. Estou eléctrica e surpreendam-se desconfio que possa estar mais adulta... mas deve ser impressão minha! Só lá para os 40 é que devo tornar-me uma pessoa razoável, até lá acho que vou viver no meu mundinho egocentricamente fabuloso.

daqui

A ver se me acalmo um bocado depois de 4 horas de compras ultra-necessárias. Para tal pus-me a escrever fichas sobre preposições para a criançada. Plano B: Estudar música erudita. Plano C: Fazer uma pregas a um vestido.

Aaaiiii daqui a 3 diazinhos faço anoooossss! :D Estou mesmo contente!

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

A festa


Para a semana faço anos e ao contrário de todas as minhas previsões ainda não é este ano que vou conseguir NÃO fazer uma festa de anos. Andei aí toda macambúzia, mas agora já tenho sítio reservado, convites (super criativos) enviados, algumas confirmações, menos recusas e cheira-me que há quem ande a fazer colecta para a minha prenda.

Birthday girl



No entanto, não me parece muito normal ter convidado umas 47 pessoas (foram mais umas quantas e menos aqueles tipos que convido todos os anos e nunca apareceram) e ter recebido pouco mais de uma dúzia de respostas. Tudo bem que eu digo que podem responder até dia 27, mas sei lá, podiam despachar-se logo e responder de uma vez.

Já não me aborreço pela falta de respostas, pois já sei do que a casa gasta. Fecham-se em copas e depois aparecem quase todos. (No ano passado foram 36 salvo erro). No entanto, hoje tentei outra abordagem e em conversa com alguns dos convidados, perguntei-lhes se eles iriam ao meu evento do ano. E eles nem hesitaram um 'sim, claro que sim'. E claro que eu tentei perceber a razão da falta da resposta ao que ouvi 'Ah! Mas tínhamos de responder?' Não, meus lindinhos. Não respondam, para eu marcar um espaço para 20, no fim aparecerem-me 40 pessoas e ficarmos assim todos juntinhos a fazer sauna vestidos, claro!

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Dúvidas existenciais

Serei sugestionável?




Conversas soltas XXV


bla bla bla comida bla bla bla arroz de marisco bla bla bla


Colega: Epa, se a gente continua assim, daqui a uns anos até nos podíamos casar.

Calíope: An?

Colega: Assim eu podia comer comida boa todos os dias...

Calíope: Ah ok... E qual era a minha vantagem?!

Colega: ahahahhahahah. Como assim? ahahahahahah

Calíope: ahahahahahhaahh. Eu já como comida boa todos os dias.

Colega: Tu és um caso difícil.

Calíope: Tenho dias.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Vou redimir-me... espero!

Como diz uma amiga minha, eu esqueci-me de desligar o meu complicómetro... e ele não pára.
Ando a criar-me problemas, dilemas e grandes dramas quando na verdade... não se passa nada (a não ser na minha cabeça).

Como diz um outro amigo meu, nada está pior do que antes, logo não, tenho nada de que me queixar (mas eu arranjo, claro!)

Estou a tentar salvar-me das minhas próprias ciladas. E eu sou boa a montar artimanhas e a arquitectar planos muito... sui-generis.

Adiante. Estou a tentar ser generosa comigo própria, mas mantendo a rédea firme e não criando expectativas. (Se conseguir isto tudo a seguir concorro para acrobata de circo. Já que não podem ter animais, não poderão menosprezar este talento malabarista)

Para já, vamos lá mudar de musiquinha que descobri aqui e vou concentrar-me em coisas realmente importantes, tipo... daqui a uma semana faço anos!
Queixo erguido e olhar em frente!

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Grandes pessegadas!


Apesar daqueles gostos sofisticados, inclinações elitistas e satisfações requintadas que me caracterizam (ahahahahahahha), às vezes (muitas até) há pessegadas que me salvam os dias.

A última que veio ter aos meus ouvidos foi esta. E não há maneira de a ouvir, sem bater ritmadamente o pé no chão e trautear o lindo refrão 'I love to love/ I love the way you love me / We love to love / We love to love eachother/ I love to love / I love the way you love me now' e continua.

Pior não podia ser. Sem poesia, sem criatividade, sem jogo de palavras, sem figuras de estilo: um quase soft porno com muito jeitinho e boa vontade. Mas pronto, canto isto e fico melhor disposta! (Podia dar-me para pior!)
Deliciem-se com os amigos PM Sampson e Double Key!


Se todos temos uma costela pirosa, eu devo ter um ouvido!

domingo, 18 de outubro de 2009

Desconhecido

Face ao marasmo do fim-de-semana (tirando os belos saltos do meu novo par de botas e o Third Man servido de sobremesa a um simpático caril), adio para outro post os meus pensamentos em trânsito e brindo-vos com um dos meus quadros preferidos de todos os tempos.


Autor desconhecido, O Inferno (Museu de Arte Antiga)



Já o é há mais de 14 anos desde a primeira vez que lhe pus os olhos em cima.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Relação tóxica




Sinceramente, não sei se corrói mais estar disponível e esperar por Godot ou então correr atrás do vento.


Eu já joguei dos dois lados, mas melhor pensado seria mesmo sair de campo.

Só pode ser!

1º dia de aulas nevado
Semestre abençoado?

Será que eu sei ler os sinais da Natureza?

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Rescaldo

Vingativos, nós?!! Não, claro que não...
Mas no seguimento do relato e comentário/análise do jogo Portugal-Malta, começaram as opiniões dos ouvintes... Os senhores ouvintes querem a Grécia ou a França no play-off (Deus nos livre e guarde!) porque simplesmente ''temos contas a acertar''. (Gostava de saber a que esquina destes campeonatos é que a Inglaterra e a Holanda esperam-nos encontrar para nos darem a lição de uma vida).

Ah e claro está! Afinal o amigo Carlos Queiroz é um grande seleccionador!

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Vira o disco e toca (quase) o mesmo*!

Ona, Pas-o-2


A música vai sendo boa e eu tento afinar os meus dotes de toureira. O meu jogo de capa e espada na mão nunca viu melhores dias, mas possivelmente ainda está muito longe de me fazer saltar para a arena.


* Eis a bandarilha!