segunda-feira, 24 de novembro de 2008

शाबाश


लड़की सुन्दर

A ver se me animo com estas perspectivas risonhas e coloridas e deixo o cinzentismo e a songa-monguice a milhas de distância!

* Lê-se: (Bravo!) e (menina bonito) ---> sim, a concordância está mesmo errada, porque não consigo copiar o 'i' acrescentá-lo ao 'r'.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Amuletos

Ontem ao regressar a casa no fim de um longo, multifacetado e difícil dia pensei que o dia estava a acabar melhor do que começara. Pensamentos agradáveis, olhos brilhantes, sorriso nos lábios e pé... numa bosta! ;)

Hmm... efectivamente acabou melhor mesmo: acho que traz sorte, não é?

Mas se não for pedir muito, para a próxima, prefiro encontrar um trevo ou assim

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Desliguem a TV e sejam felizes!


As correrias de que se compõem o meu quotidiano não me permitem ver televisão diariamente. Não sinto falta, pois estive mais de dois anos sem televisão, mas isso não quer dizer que mesmo antes de ter comprado a minha mini-televisão já ter ligação de cabo...

Gostaram do modelito a combinar com a minha sala?



Bom, para além de pagar cabo, aqui, nesta bela terra, também se paga a televisão estatal... e houve alturas em que achei que tinha mesmo de ver mais televisão para justificar as centenas de euros anuais que ali empenho. Os meus intentos não foram levados de vento em popa, por falta de tempo e por uma agenda especialmente preenchida.



Numa semana 'normal' vejo televisão à 5ª de noite ao domingo de tarde ou de noite e eventualmente mais um bocadinho talvez no sábado pelo almoço.



Hoje descobri as razões científicas por que não vejo mais televisão: as pessoas felizes não vêem muito televisão... ou vice-versa!

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Canga


Não sei se sou eu que sou uma paranóica atordoada pelas suas próprias pre-ocupações ou então houve um espírito muito atribulado que se apoderou de mim.
Preocupo-me, consigo lembrar-me dos casos mais improváveis para empolar as minhas exaltações, custa-me a dormir e até sou capaz de ter pesadelos ligeiros...
Hoje sentia-me um autêntico Atlas... mas preferia ser um Apolo e levar o sol às pessoas, em vez de arcar com o peso do mundo nas minhas costas...

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Conversas soltas XXII

Calíope a sair do fotógrafo e a dirigir-se ao consulado, vê uma cara conhecida.


- Olá Sr. X! Está bom?
- Oláááá! Nem vai acreditar... tenho andado a pensar em si! Como está?
- Ai! Então?
- Nada, mas há uns dois ou três dias que me lembrei de si... É que daquela vez que nos cruzámos na Kaiserstrasse já era tarde e nem deu para tomar nada...
- Pois foi. Mas está a ver... é só pensar em mim e eu apareço... (risos) os dois ou três dias é o tempo de transmissão da comunicação!


Vamos então ignorar o facto de o senhor X ter meia idade... Isto é mesmo daquelas coisas que caem sempre bem ouvir... mesmo que seja da pessoa mais improvável do mundo.

Keith Mallet, Poise

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Alargar horizontes



Depois de mudar lâmpadas, fazer baínhas, aprender hindi, porque não ir jogar badminton?


Pois foi o que fiz hoje durante uma hora!


É para repetir... e vou começar a tentar jogar com o braço esquerdo para equilibrar os músculos ;)

domingo, 9 de novembro de 2008

Cerimónia de encerramento

A celebrações dos meus 30 anos terminaram oficialmente ontem e a apoteose não poderia ter corrido melhor.
No meio de convidados surpresa e desistências de última hora foram 36 os convivas que se juntaram a mim, aos 30 pastéis de nata e ainda aos 30 pastéis de bacalhau.

Eu estava ainda mais brilhante do que o costume em cima do meu salto de 30 anos e os convivas estiveram à altura.


"Agora já está esclarecida a razão por ainda teres esse aspecto fantástico...


... a fazeres tantas coisas, não tens tempo de envelhecer...


... mas vê lá, não te esqueças de um intervalito!"

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

O meu reino por um pastel de nata... ou melhor 30


Como é que eu organizo uma festa de anos subordinada ao tema '30 anos, 30 pastéis de nata' e na véspera do evento, o dono do bar telefona-me a dizer que o forno da senhora que faz os pastéis... não funciona?

O mega evento que era para ser conhecido como «A corrida ao pastel», uma vez que há muitos mais convidados do que os supostos 30 pastelitos...

A fantástica serenidade que se apoderou de mim desde os tais 30 fez-me encomendar os ditos pastéis noutra freguesia para gáudio dos meus convivas (e abrir os cordões à bolsa, pois desconfio que os euritos que vou dar, em Portugal dava para pelo menos 100 pastéis...)

Vamos lá ver se até amanhã não há mais pseudo-sobressaltos.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Yes, we can...


Eu não consegui assistir a emissão da CNN pela madrugada fora, apesar de ter acampado de edredon no sofá da sala, adormeci antes de haver previsões mais fidedignas.


Hoje acordei com o discurso de McCain... ainda estava a dormir e não percebi bem... Só há pouco consegui ouvir o discurso vitorioso de Obama e sinceramente achei medonho o povo repetir 'Yes, we can' como quem diz 'Amen' numa seita manhosa qualquer.


Mesmo assim, parabéns ao povo americano que conseguiu ultrapassar os seus próprios preconceitos e eleger alguém que convence e inspira sem poções mágicas nem banha da cobra.


Se calhar a partir de 20 de Janeiro nada mudará... mas garantidamente o mundo está muito mais aliviado

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Falta pouco

Tenho ideia de que nunca andei tão a par de política internacional como nos últimos tempos. Longe de dominar a actualidade, tenho-me esforçado por estar a par do que se tem passado. As eleições americanas foram a cereja em cima do bolo. E hoje quando está prestes a terminar a corrida de resistência e depois de já ter lido uns quantos artigos de imprensa nacional e internacional, análises estatísticas e ter a CNN como música de fundo, não posso deixar de citar Mário Soares no DN de hoje:

A vitória de McCain - improbabilíssima e contra a lógica das coisas - seria uma imensa desilusão para a esmagadora maioria dos seres humanos e teria consequências muito negativas para o equilíbrio da nossa Casa Comum, a Terra.

A mim mais me pareceu um aviso messiânico-filosófico do que outra coisa, mas no fundo tem a sua razão de ser. Daqui a pouco já saberemos se a maioria dos seres humanos vai começar a fazer a mala e a tentar emigrar para Marte ou rejubilará de alegria, assistindo ao momento histórico.

Fim-de-semana de luxo


O Glorioso Outubro tinha mesmo de acabar em grande e lá fui eu passar o fim-de-semana cinco estrelas a casa.

Se ir a Lisboa comer bacalhau e lulas é um luxo, quem me tira voltar para casa, para Viena, tira-me tudo!
É estranho, mas a pura verdade.