sexta-feira, 27 de outubro de 2006

Um doce para quem merece

O dia não poderia estar a correr melhor... Por isso, um pequeno rebuçado para todas as costas largas, todas as costas quentes e especialmente todas as costas sensuais que me apoiaram!
Obrigado a todos!




E agora é party time! :)

Mais uma viagem

Um ano passa no instante e depois de apanhar boleia de tantos outros números cheguei finalmente ao meu tão aguardado 27. (In)Felizmente também o 27 está a esgotar-se porque afinal eu canso depois de tanto contacto! E com alguma (muita) pena minha, faço as malas e preparo a bagagem para mais uma viagem... Uma ligeira ansiedade e um nervoso miudinho natural de quem não sabe ao que parte, mas com certeza será enriquecedor, surpreendente e brilhante! :) Afinal de contas o caminho é para a frente e ninguém na sua plena consciência troca cavalo por burro.

Daqui a um ano apresento-vos contas...

Mas entretanto, desejo uma boa viagem e parabéns a mim!

sábado, 21 de outubro de 2006

Um mergulho a sério

Para quem costumava, às sextas, ir afogar as mágoas nuns copos com os amigos, não custou nada meter um pouco mais de água.

De agora em diante, o programa de sexta à noite mudou ligeiramente. Por meia dúzia de trocos (que curiosamente nem chegavam para uma imperial), vamos dar umas belas braçadas, animar o corpo e o espírito, comentar os fait-divers da semana e ainda queimar umas quantas calorias, em vez de as ingerir em estado líquido!

sábado, 14 de outubro de 2006

Porque o sonho comanda a vida

Ingredientes:

- Meia dúzia de acontecimentos quotidianos
- Algumas memórias do passado
- Uma pessoa muito interessante para além do próprio
- 0,5kg de expectativas
- 200g de ilusões
- 100g de realidade
- 1 confusão qualquer
- Musiquinha de fundo q.b.

Misturar tudo de forma homogénea e levar ao forno pré-aquecido. Quando o preparado já estiver consistente, retirar do forno e polvilhar com açúcar e canela. Servir bem quente.

Se o sonho não comandasse a vida, ainda vivíamos em cavernas...
Se ainda não for hora de ir para a cama, então tentem não perder o The theory of sleep com este senhor, que, a bem da verdade, deve participar activamente nos sonhos de muita boa gente!

sexta-feira, 13 de outubro de 2006

Complemento circunstancial de tempo


Depois de ter criticado quem coloca letras de músicas e poemas em posts, lá me calhou a vez de morder a minha própria língua e ser invadida por uma vontade tremenda de postar coisas que outros escreveram... afinal, se já houve alguém que disse algo com as palavras certas, para quê inventar mais?

Uma das minhas Emilys preferidas: a Dickinson.

They say that "time assuages"
Time never did assuage
An actual suffering strengthens
As sinews do, with age
Time is a test of trouble
But not a remedy
If such it prove, it prove too
There was no malady.

segunda-feira, 9 de outubro de 2006

Perigosamente real

O perigo está em aguardar um ser idealizado que nunca chegará e de nada construir durante esse tempo.

sábado, 7 de outubro de 2006

A roçar o delírio...

Acho que veemente, alcoól, reúnião e palavras afins deviam escrever-se com um 'h' entre aquelas vogais que não formam um ditongo.

Acho que as pessoas deviam ter pelo menos um braço a mais. Ter três braços ( ou 4 por motivos estéticos) seria o ideal. Penso sempre nisso quando venho do supermercado carregada de sacos e tenho de abrir a porta, quando estou a abrir frascos, quando viajo e noutras tantas situações.

Acho que os dias deviam ter pelo me nos 30 horas. Um dia com 24 horas é muito curto para quem ter uma vida minimanente versátil e interessante, passando por aqueles básicos do costume. Como é que é possível trabalhar, tratar da casa nas suas diferentes modalidades (desde ir às compras, cozinhar e essas tarefas todas), cuidar-se de si tanto em termos físicos como intelectuais e ter uma vidinha numas míseras 24 horas? Eu não consigo... e é a casa que tem ficado para trás! ;)

terça-feira, 3 de outubro de 2006

Sobre o cosmos e outras coisas

Ando meia à deriva e arranjei umas costas quentes para atirar as culpas. Plutão. Plutão deixou de ser planeta e eu fiquei sem planeta regente.
E agora qual a minha relação com o cosmos? Será que de repente deixei de existir para a conjuntura astrológica?
Preciso de orientação! Quero o meu planeta regente de volta!

domingo, 1 de outubro de 2006

Engate

Acho o cúmulo da pouca originalidade a colocação de letras de músicas ou de poemas em posts, mas com letras destas é impossível ser mais certeiro e por isso passo a citar:

Tu estás livre e eu estou livre
E há uma noite para passar
Porque não vamos unidos
Porque não vamos ficar
Na aventura dos sentidos
Tu estás só e eu mais só estou
Que tu tens o meu olhar
Tens a minha mão aberta
À espera de se fechar
Nessa tua mão deserta

Variações do melhor que há e o resto recomenda-se de preferência com música.