quinta-feira, 27 de outubro de 2005

Parabéns a mim!

Hoje faço anos e estou de parabéns! Quem me conhece sabe que eu adoro fazer anos por inúmeras razões de onde se destaca o facto de ter conseguido nascer no melhor dia do ano!!! Não consigo perceber como é que há pessoas que não gostam de festejar os seus aniversários. Eu não sou capaz de passar os meus anos em branco e regra geral há sempre pelo menos uma festa. Já saí do país para festejar com pessoas de quem gostava e desta vez regressei pelo mesmo motivo. Estou imensamente feliz por fazer 27 anos, sempre quis fazer 27 anos e mesmo que tudo fique exactamente como está acho que vai ser uma idade fabulosa. Embora eu ache que as coisas só podem melhorar, pois afinal eu faço por isso. Parabéns a mim que faço anos! =)

domingo, 16 de outubro de 2005

Vidas de A a Z: realidade ou ficção?

No âmbito de uma série de acontecimentos recambolescos, surgiu na cabeça de A a ideia de dar início a um relacionamento duplo. Concretamente, manter a relação instavelmente cadente com B e começar um regular relacionamento com C. Enquanto se mantinham estas conjecturas, A resolveu trocar umas ideias com D. D foi bastante pragmático, desde que B e C não se conhecessem e não se tornassem de repente muito amiguinhos não havia problema, até porque teriam funções diferentes na vida de A. A concordou e esclareceu que não havia a mínima probabilidade de B e C se conhecerem: pertenciam a mundos completamente díspares e não conheciam A o suficiente para daí tirar qualquer ilação prejudicial a A. A providência divina não foi misericordiosa com gula de A: não só cortou todas as pernas possíveis para que a ligação a C pudesse andar para a frente, como moveu B para fora da rota de A.
Passado muito tempo surgiram com um intervalo de meses E e F. Quando A conheceu E, nem imaginava que F existia e quando conheceu F, já nem queria lembrar-se de que E tinha existido. Nesse intervalo de meses, voltaram à baila B e C. B voltou, sem saber, a ser a consolação de um C indisponível. Mas mais uma vez voltaram a sair ambos do mapa de A.
Muito mais tempo passou, quando num evento social, contra todas as probabilidades possíveis e imaginárias, A vê incrédulo F e E... juntos, como se fossem amigos de infância, que não eram. Apesar de uma série de traços comuns que A podia ver em ambos, nunca pensou em ver ambos lado a lado, ignorando ter o próprio A como denominador comum. A engoliu todos os seus piores pensamentos, deu uma esfregadela ao seu orgulho e foi falar com E e F e não aconteceu nada!

Quem atira a 1ª pedra?

Ao ler uma revista portuguesa actual, apercebi-me de que por viver fora do país perco uma série de polémicas e outros tantos movimentos sociológicos. Ao que parece há uma série líder de audiência que está a gerar muito alvoroço entre as massas devido ao seu cariz superficial, amoral e talvez até imoral. Eu conheço apenas a série pelos relatos, comentários e análises ontem lidos. Pelo descrito não me pareceu nada assim tão condenável quanto isso, afinal de contas trata-se de um programa de televisão (=entretenimento) e não um manual comportacional que deva ser seguido à risca. A realidade pode ser sempre muito pior que a ficção e querer estar a tapar o sol com a peneira não ajuda a melhorar as coisas. O pior cego é aquele que não quer ver e a ostentação de falsos puritanismos e de morais e bons costumes serve exactamente para quê?

segunda-feira, 10 de outubro de 2005


Argentina, Patagónia, Glaciar Perito Moreno, Setembro de 2005, 4. graus e muito, muito gelo...

sábado, 8 de outubro de 2005

Algumas reminiscências de Cracóvia...

O cansaço dos pikenos naquele comboio maravilha... As provas tardaram mas não falharam... O meu único comentário é ... LINDOS!! Só tenho pena de não ter conseguido apanhá-los de boca bem aberta...

quarta-feira, 5 de outubro de 2005

Até que a morte vos separe

Deve haver um vírus casamenteiro a passear-se lá pela redacção onde trabalho. Estou lá há pouco mais de 9 meses e já vão para 5 os casamentos. Também já há bebés a caminho, não necessariamente dos que se casaram. O 5º casamento ainda não se realizou, mas não posso esconder a surpresa que foi ao ter tido conhecimento do mesmo... e sinceramente a surpresa não foi muito agradável. O tipo que eu elegi para mim própria (no meu ranking pessoal) como sendo o mais fixe (=giro, simpático, inteligente, com sentido de humor, uma voz fabulosa e outros tantos atributos) da redacção, não só vai se casar com a sua namorada (que por acaso eu também conheço), como vão mudar-se os dois para a Nova Caledónia... (Não havia sítio mais perto?) Foi um golpe duro de digerir... Se eu lhe tivesse mesmo entregue o prémio de gajo-mais-fixe-da-redacção-e-arredores o desfecho teria sido outro... ou muito possivelmente não. Congratulei-o com os mais sinceros votos de felicidade. E pronto mais uma história que acaba sem ter começado.

segunda-feira, 3 de outubro de 2005

E se de repente...

E se de repente a ideia de um harem se tornasse realidade e fossem para a um quarto cheio de pessoas do sexo oposto?! A ideia nem sequer me atrai, mas sem querer fui parar a um quarto desses. Felizmente ia uma amiga minha comigo, mas ficámos tão incrédulas ao abrir a porta que nem sequer pusemos como válida a ideia de dormir ali no meio daqueles marmanjos todos, que não conhecíamos de lado nenhum. Fomos logo reclamar e mudámos de quarto mediante uma quantia que na altura pareceu-nos irrisória. Nessa noite, dormimos as duas num quarto com 6 camas, das quais 3 tinham raparigas e a restante um tipo. Na segunda noite, foi hilário: quando fomos dormir só mais uma cama é que estava ocupada com um miudo sueco. A grande surpresa foi na manhã seguinte. O tipo tinha-se multiplicado. Dormimos com um e acordámos com quatro(!!!) pois até a gaja loira, que eu pensava que estava a dormir na cama à frente da minha, não passava de um miudo imberbe. Enfim, por estas e por outras se forem a Praga procurem uma outra pensão!