quinta-feira, 21 de junho de 2018

Solstício de Verão

Não faço ideia qual o presente alinhamento cósmico, mas que se mantenha por muito tempo. Há coisas surpreendentes e estranhamente boas a acontecer. Ir dançar a meio da semana foi só um mini-exemplo.

Ontem o google esteve assim

Vá, foi uma das fatiotas do dia, mas eu achei os pormenores tão deliciosos que não hesitei em fotografar o ecrã do computador enquanto a criançada suava a fazer os exames! Reparem, há sardinhas assadas, há avionetas com mensagens na praia, há uma avozinha a fazer tricot, o campino com patilhas gigantes, o super maxi, o rádio de pilhas para ouvir o relato...

Perdi o primeiro e único golo português porque as criancinhas não se despacharam a entregar o exame, em compensação vi o resto do jogo numa esplanada VIP com sofás e a almoçar um belo carpaccio! Se o futebol fosse um jogo justo, Marrocos teria ganho. Felizmente para nós, só conta quando a bola entra e por isso, ganhámos nós os 3 pontos.

O dia já tinha sido bastante agradável e eu previa um merecido e descansado serão no sofá a ver o jogo da noite, sem mais preocupações. E assim foi. Só não contava depois pegar nos meus sapatos de dança e ir dar um pezinho numa quarta-feira, quando tenho aulas às 8:00 no dia seguinte. Soube-me pela vida. E à meia-noite e meia estava de volta ;)

terça-feira, 19 de junho de 2018

Um homem que dance...

Há coisa de um mês, regressada de uma festa, onde dancei que dancei, tive a brilhante ideia de escrever um post assim sem pensar muito no assunto em plena madrugada, cujo título rezava: Um homem que saiba dançar saberá fazer tudo. O que é que eu fui escrever, meu caro leitor... Várias famílias ligaram de imediato a saber o que se passava, quem era o feliz contemplado e outros pormenores sórdidos que não sucederam porque não passava daquilo mesmo: um título inspirado para uma noite literalmente bem dançada.
Passado um mês, bati os olhos nesse mesmo post, porque efectivamente, um homem que saiba dançar saberá fazer mais coisas! O Kayo Corpo fez-se ouvir cá em casa, mas surpresa das surpresas foi a menina ter dançado! O parceiro é um fofo porque não só dança como cozinha! E nem precisou de sujar a minha cozinha, trouxe um tupperwarezinho com comida home-made que me serviu para dois almoços. E que bem que me souberam... a dança e a comida.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

394º momento cultural: A Happy Prince

Depois de tanto momento delico-doce, e sabe lá o querido leitor o que está para aí por vir, cá vem um momento cultural secante para equilibrar a ordem do mundo!
Fui ver o Happy Prince animada por saber que se tratava da vida de Oscar Wild e que contava com a presença de Ruppert Everet, portanto tinha tudo para ser bom... mas não foi.
O filme retrata a vida de Wild após ter sido preso (por ser homossexual) e nessa condição todo o seu sucesso de outrora se esfumou. No entanto, ele continua a dedicar-se aos prazeres da sua vida: o champanhe, as drogas, os homens (mancebos, ficaria aqui melhor?) - não necessariamente nesta ordem. É uma vida boémia, mas deprimente e apesar da exuberância dos gestos, ele não é feliz e sofre. Sofre pela marca que a sociedade lhe inflingiu, sofre por estar longe dos filhos, sofre pelos encontros e desencontros, enganos e desenganos amorosos e pela falta de dinheiro crónica! A vida dele é miserável.
Eu achei o filme deprimente e fiquei a pensar de que lhe vale (a Wild) ser lido e cantado e estudado e até citado ad nauseam no facebook, se acabou os seus dias miserável na penúria? Quantos artistas tiveram o mesmo percurso? Não será melhor ter uma vida feliz e depois cair no esquecimento de todo o sempre? Fica a dúvida no ar!

domingo, 17 de junho de 2018

Breakfast for two

No outro dia: batido de morango, pão de sementes de abóbora, chouriço de porco preto, queijo amanteigado, queijo de cabra, tomate e pepino. 
Ontem: batido de manga, pão de nozes, croissants, fiambre de peru, mortandela ou coisa que o valha, queijo não sei quê, uvas.
Hoje: Cafezinho com leite, cereais com leite/iogurte com cereais, pão de nozes , abacate com tomate cereja gigante.

Sim, poderia ter feito panquecas que até tinha os ingredientes, mas é melhor não pôr logo a carne toda no assador. 
No outro dia quando falei das canecas chubby quase românticas nunca pensei que lhes fosse dar tanta utilidade!

sábado, 16 de junho de 2018

Danúbio

Com este tempo não deu para dar uns mergulhos, em compensação houve caminhada pelo bosque, com direito a um vinhozinho simpático com vista para o rio.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Let the games begin

Grande jogo... Cristiano Ronaldo por um lado não existe, por outro é meia equipa.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Postais de Copenhaga

Esta foi a terceira vez que estive em Copenhaga. As outras duas já foram documentadas aqui em 2013 e aqui em 2017, por isso desta feita vou tentar mostrar outras coisas. De qualquer modo, como faz agora um mês que lá estive e sou péssima com os nomes das coisas, estou bastante curiosa para ver como vai sair este texto!

Desta vez fiquei noutra parte da cidade, Amargebro, e realmente fiquei com uma perspectiva diferente daquela que tinha tido das outras vezes.











Acho que consegui apanhar a semana de Verão da Dinamarca este ano. As temperaturas aproximaram-se praticamente todos os dias dos 30ºC, por isso não era aquele calorzinho escandinavo de 19ºC, não, era calor a sério e eu aproveitei para ir passear / ler / comer / trabalhar / caminhar à beira canal/rio/mar sempre que possível!

Era giro agora eu saber o que era aquela instalação/construção/monumento... mas sei de quem é a sombra, menos mal! Maria Calíope a parecer uma girafa esbelta e elegante com uma pochette!


Isto pode parecer um museu é nada mais nada menos do que a Universidade de Copenhaga. E é muito mais gira ao vivo do que nesta foto! Parece muita arejada e naquele estilo muito clean, muito nórdico, muito IKEA.













A zona de Christiana é uma espécie de comunidade hippie auto-suficiente e praticamente auto-determinada ou até auto-proclamada. Não é bem o meu estilo de cena, mas não deixa de ter a sua piada e ao sair de lá dar com esta indicação de estamos a regressar à civilização, perdão!, à União Europeia!




Os dinamarqueses A D O R A M bicicletas, é vê-las por todo o lado, bicicletas, lojas de bicicletas, oficinas de bicicletas, caminhos para bicicletas, semáforos para bicicletas...






Aqui em baixo, o bailarico de kizomba em Copenhaga! Infelizmente as fotos não ficaram grande coisa.




 E o melhor para o fim, sim, dançar kizomba foi com certeza um highlight, mas ir à praia na Dinamarca foi sem dúvida a surpresa da viagem! E eu molhei o meu pezinho e fiz aquilo que nós portugueses adoramos fazer: andar descalço à beira-mar como quem cumpre uma promessa! Obviamente que era a única :)




quarta-feira, 13 de junho de 2018

Dramas de quem não tem do que se queixar.

Há muitos, muitos anos, quando ainda nem havia o Colombo, descobri a Marks & Spencer. Era na Guerra Junqueiro e eu e a minha irmã, íamos lá sempre comprar roupa interior. Quando abriu a loja do Colombo foi uma alegria! Já não me lembro quando foi que as M&S fecharam em Portugal, mas foi para nós literalmente o fim do mundo em cuecas. Há uns dias fui de propósito a um centro comercial para ir à Promod, loja onde em tempos deixava parte do ordenado, só para o querido leitor perceber a proveniência de possivelmente mais de 50% do meu guarda-roupa. Ia entrar e dou com uma loja de roupa de montanhismo! Dei meia volta e voltei para casa e descobri que deixou de haver Promod em Viena!!! O baque foi quase tão grande como o encerramento da M&S em Portugal. A loja online está a bombar, bem sei que recebo as newsletters, mas quer dizer, eu gostava era mesmo de ir lá, experimentar coisas e trazer outras tantas. First world problems, bem sei... mas muito chato.

terça-feira, 12 de junho de 2018

Anda em desvario, ai ai ai menina III

A Pipoca fez-me lembrar não só que amanhã é Santo António, mas que também este blogue tem uma longa tradição de quadras! Camões deve estar a revirar o olho que não tem face a esta métrica, mas não queria falhar este ano, depois dos grandes momentos poéticos de 2016 e 2017.

Santo António, Santo António
a brincar já um ano se passou
desde que te dirigi umas palavrinhas,
e assim de repente nada mudou!

Foi um ano concorrido
não me estou a queixar
os quilómetros croatas não deram em nada
em compensação houve mais peixe no mar!

Entre trabalho e lazer, viagens e afazeres
voltei ao meu modo pro-activo.
Fui para a ginástica, alemão e cursos de dança
Para me abstrair desse objectivo.

E foi café aqui e jantar acoli,
dois para cá, dois para lá
por muita boa vontade que eu tenha
não suporto falta de chá!

Ai! Santo António, vê lá se é desta que me ouves,
que não estou propriamente atirada para um canto,
caso contrário ainda vais apanhar couves
que eu a dançar os meus males espanto.

Vá, sê generoso e não te acanhes
desencanta-me um bom pretendente
com dois dedos de testa e pezinho de valsa
para mim que até sou uma pessoa decente!

Friday night fever

Face a um convite repentino para ir a um festival de salsa (!) [mas então não era ópera?!], Maria Calíope certificou-se de que haveria uma sala com kizomba e apenas mediante essa garantia, aceitou o convite.
Chegando ao sítio, apressou-se em trocar os ténis dourados pelos sapatos de dança e foi direitinha para a pista de dança pela mão do seu parceiro. Maria Calíope estava tão animada por ir dançar que apenas a meio da música reparou que não era kizomba, mas bachata... torceu o nariz e continuou a dançar. O parceiro dançava alegremente e tentava fazer com que ela acompanhasse o ritmo, mas depois do nariz torcido, veio o sobrolho levantado e a testa franzida e só não cruzou os braços porque continuava agarrada ao parceiro. As kizombas lá apareceram, mas foram escolhidas talvez as piores de todos os tempos e seguiu-se mais bachata. Maria Calíope até estava a esforçar-se por disfrutar a noite, o evil look é que não a largava... e as bachatas sucediam-se. Mais penoso do que ouvir, foi ver as outras pessoas a dançar... parecia que toda a gente tinha saído das aulas de dança jazz... eram braços no ar, eram troncos com ondulação vigorosa, eram cabeças a rodar e cabelos a voar, portanto um filme de terror!
Apesar disto tudo só estranhei não ter dado pelo tempo a passar e só termos ido embora já passavam das 3:00 (quando a música acabou)! Mas reclamei na mesma ter sido levada ao engano e que há uma kizombada em dívida!

Kristine Izak, Enamorado

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Comunidades portuguesas

Ontem não fui à feijoada comemorativa do 10 de Junho, mas hoje não pude deixar de comparecer à recepção na Embaixada para celebrar a mesma efeméride. Foi-me dito que o critério de selecção dos convidados deste ano foram pessoas ligadas às artes, está certo, estava lá o director do festival de cinema, a cantora de ópera, um cinturão negro em taekondo, um ex-bailarino primo de um pianista e eu, artista de circo! De resto, os suspeitos do costume. O que mais ouvi foi "Aaahhh Maria Calíope! Gostava tanto de ter ido à tua/sua palestra, mas (razão qualquer). O tema era tão interessante e queria mesmo saber mais sobre..." inclusivamente do senhor Embaixador. Já a esposa preferiu contar que é avó há 4 dias e parecia mesmo a minha mãe, pois numa fracção de segundo, puxou do telemóvel e começou a mostrar-me fotos do neto recém-nascido! Foi a terceira vez que estive com ela, sendo que das outras vezes não trocámos mais do que um solene "boa noite!". Parte cómica foi também estar a conversar com algumas pessoas mais séniores que no espaço de 10-15 minutos conseguiram repetir 2 vezes a mesma narrativa, contando com o mesmo entusiasmo de quem a relata pela primeira vez! A idade é tramada e eu vejo o meu futuro, mas no meu presente foi mesmo uns pastéis de bacalhau, tâmaras com presunto, empadas de galinha e pastéis de nata, tudo regado com vinho, claro está!